OMS alerta para 13 ameaças emergentes à saúde, incluindo possíveis pandemias

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Janeiro 2020

Os líderes governamentais precisam implementar uma ”década de mudança” e investir mais nas principais prioridades e sistemas de saúde para evitar ameaças globais à saúde na próxima década, alertou a Organização Mundial da Saúde na semana passada.

A reportagem é de Eileen Drage O’Reilly, publicada por Axios e reproduzida por EcoDebate, 23-01-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

O que há de novo: mudança climática, doenças infecciosas e ameaças de epidemia, desigualdades socioeconômicas e conflitos são alguns dos 13 desafios urgentes que a OMS afirma colocar em risco a saúde global – mas abordá-los está “ao alcance” se as medidas forem tomadas agora.

O que eles estão dizendo: Eric Toner, pesquisador sênior do Centro de Segurança da Saúde Johns Hopkins, diz ao Axios “as ameaças colocadas por surtos quase constantes de doenças infecciosas e a ameaça iminente de outra pandemia são muito reais” e devem envolver tanto os indivíduos quanto os particulares e setor público na preparação de crises.

“Como demonstramos em nosso exercício do Evento 201 em outubro, o mundo está mal preparado para uma pandemia grave. Esse surto global de doenças não apenas causaria doenças e mortes generalizadas, mas também haveria graves conseqüências sociais e econômicas”, Toner acrescenta.

Axios participou do Evento 201, que envolveu 15 líderes governamentais e empresariais em uma simulação de uma pandemia baseada em um coronavírus falso chamado CAPS. (Na vida real, o coronavírus SARS e MERS causaram devastação, e as autoridades de saúde pública estão atualmente monitorando um coronavírus da China chamado ”2019-nCoV ” muito de perto.)

• No final da simulação do Evento 201, o CAPS matou 65 milhões de pessoas em todo o mundo, enquanto os países discutiam sobre alocação de medicamentos e logística de transporte, entre outras questões. A economia global também foi destruída quando as pessoas se recusaram a ir trabalhar ou viajar, levando ao desligamento das comunicações, saneamento básico e tratamentos de saúde, sem mencionar a devastação de economias inteiras dependentes do turismo.

As 13 ameaças urgentes à saúde desta década, por OMS

1. Entender que “a mudança climática é uma crise de saúde” é fundamental para as políticas do governo, escreve a OMS. Além das emergências de saúde decorrentes de eventos climáticos extremos, as mudanças climáticas exacerbam a desnutrição, espalham doenças infecciosas e levam à poluição do ar, que está ligada a aproximadamente 7 milhões de mortes em todo o mundo a cada ano.

2. A segurança dos profissionais de saúde precisa ser garantida, pois a violência contra pessoas que tratam pessoas em regiões de conflito aumentou, com 978 ataques e 193 mortes relatadas em 11 países no ano passado.

3. As desigualdades nos cuidados de saúde causadas pelas divisões socioeconômicas continuam, levando a uma lacuna de 18 anos na expectativa de vida entre países ricos e pobres.

4. Pouco ou nenhum acesso a medicamentos, vacinas e diagnósticos deve ser tratado, pois isso coloca em risco os pacientes e aumenta a resistência aos medicamentos.

5. As doenças infecciosas matam cerca de 4 milhões de pessoas em todo o mundo a cada ano, e pedem financiamento de serviços básicos de saúde, erradicação de vetores de doenças e aumento dos programas de vacinação.

6. A preparação para epidemias e uma possível pandemia que poderia trazer um número devastador de mortes exige que as nações fortaleçam sua infraestrutura e instituições multilaterais focadas na preparação global.

7. A insegurança alimentar, produtos perigosos como tabaco e dietas pouco saudáveis foram associados a um terço da atual carga global de doenças.

8. É necessário investir na educação de mais profissionais de saúde, como parteiras e enfermeiras, para lidar com o que se espera ser um déficit de 18 milhões de trabalhadores até 2030.

9. Os adolescentes devem ser protegidos, pois mais de 1 milhão de crianças de 10 a 19 anos morrem a cada ano, de ferimentos nas estradas, HIV, suicídio, infecções respiratórias inferiores e violência interpessoal.

10. A confiança do público deve ser restaurada nas instituições de saúde, para combater a desinformação e desenvolver a alfabetização científica.

11. Questões médicas e implicações éticas de novas tecnologias, incluindo edição de genoma, biologia sintética e uso de inteligência artificial devem ser abordadas.

12. A ameaça de resistência antimicrobiana, que “ameaça enviar a medicina moderna décadas atrás à era pré-antibiótica, quando mesmo as cirurgias de rotina eram perigosas”, precisa de novos antibióticos e melhores práticas humanas e animais.

13. Água, saneamento e higiene em todas as unidades de saúde devem ser melhorados.

“O custo de não fazer nada é um que não podemos arcar. Governos, comunidades e agências internacionais devem trabalhar juntos para alcançar esses objetivos críticos”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS, em comunicado.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

OMS alerta para 13 ameaças emergentes à saúde, incluindo possíveis pandemias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV