Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus - Ano A - A Mãe do Verbo encarnado

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A fé do Brasil dividido

    LER MAIS
  • Com Francisco ou fora da Igreja. O duro desabafo do presidente da CEI

    LER MAIS
  • Núcleo de pesquisa da USP publica nota sobre criacionismo defendido por novo Presidente da CAPES

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: MpvM | 20 Dezembro 2019

Mais importante do que ter esperança é ser uma pessoa de esperança a cada novo ano. A esperança, a fé e o amor têm raízes na eternidade, ajudá-nos a cultivar no dia a dia a atenção ao que está florescendo.

A esperança não é passiva, ela traz inquietações, indignações e coragem. Ela nos humaniza, nos faz solidários, nos livra da indiferença, nos desinstala.

Santo Agostinho dizia que a esperança tem duas filhas: a indignação e a coragem. A indignação diante de todas as iniciativas que reforçam a vergonhosa desigualdade existente em nosso país e a coragem para lutar por caminhos de inclusão, de respeito, de defesa aos direitos fundamentais dos que estão mais vulneráveis.

A reflexão é de Terezinha Cota, rc religiosa da Congregação Nossa Senhora do Cenáculo. Ela possui graduação e mestrado em Teologia pelo Centro de Estudos Superiores da Companhia de Jesus - CES.

Referências bíblicas
1ª Leitura - Nm 6,22-27
Salmo - Sl 66,2-3.5.6.8 (R. 2a)
2ª Leitura - Gl 4,4-7
Evangelho - Lc 2,16-21


Mãe de Deus

Na solenidade de hoje celebramos Santa Maria, a mãe do Verbo encarnado, a que deu a luz ao Verbo de Deus. A plena e verdadeira humanidade de Jesus é gerada pela Virgem Maria. Esta afirmação é aceita por todas as Igrejas cristãs tradicionais.

A fé da Igreja na maternidade de Maria está indissoluvelmente ligada à afirmação da fé em Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus.

A maternidade de Maria decorre de sua adesão à Vontade do Pai; de seu gerar, nutrir e seguir o Filho, tornando-se um modelo para nosso discipulado. A abertura e acolhida de Maria à ação do Espírito foi de tal intensidade que possibilitou a encarnação. Em sua relação com o Filho ela é a genitora, a educadora e a discípula.

Com beleza e profundidade Clara Temporelli tece paralelos entre a ação de Deus na primeira Aliança e na nova Aliança: “Deus que faz florescer o deserto (cf. Is 32,15), que faz ressurgir os mortos (cf. Rm 4,17; Hb 11,19) é o que faz a Virgem conceber e dar a luz, como também faz o povo pobre, excluído e marginalizado gerar sinais e processos de libertação. Portanto, no povo gerado impotente, tal como o ventre virginal de Maria, pulsam as possibilidades de Deus para a história”.

O conceito da Maternidade divina é abrangente, não está limitado ao momento da concepção e do parto, abarca toda a vida de Maria com seu Filho, “de Nazaré à Belém, de Caná à Jerusalém, do Calvário à Assunção”.

Em Jo. 19, 26-27, Maria, a Mãe de Deus torna-se Mãe para a comunidade cristã. Esta Mãe é a Serva do Senhor, sua maternidade se estende e está a serviço da salvação do povo.

Dentre tantas ressonâncias teológicas significativas vale ressaltar que “Maria representa a humanidade como colaboradora ativa e responsável no plano da salvação. Maria demonstra até que ponto o ser humano é capaz de Deus, é capaz de entrar em relação e comunhão com Ele e com seu Plano de Salvação”.


Primeira leitura: Nm 6, 22-27

Deus chamou a Moisés e ensinou a ele como Arão e seus filhos deveriam abençoar aos Israelitas. Essa é a benção Sacerdotal, é também chamada benção Araônica, porque foi Arão e seus filhos os primeiros sacerdotes a abençoarem o povo de Deus.

O que Moisés transmitiu foi o modo de proceder dado por Deus para abençoar seu povo em seu Nome. Abençoando desta forma eles colocariam o Nome de Deus sobre as pessoas..

O Senhor nos dá a possibilidade de abençoarmos uns aos outros com palavras simples, mas empoderadoras, porque são ditas em Nome de Deus e suas bênçãos nos alcançam e se realizam, através de nosso compromisso de abençoar e de jamais amaldiçoar. É expressão do desejo de Deus, ver seu povo abençoado em seu Nome (Num. 6,27)

Alguns estudiosos entendem que talvez esta bênção Araônica foi invocada por Simeão sobre José e Maria quando estes foram ao Templo apresentar Jesus, (Lc 2:34). Outros, estudiosos sugerem também que existe a possibilidade de Jesus ter utilizado a bênção sacerdotal quando abençoou seus discípulos (cf. Lc 24:50). Nós encontramos esta forma de abençoar também na tradição franciscana.

Segunda leitura: Gl 4, 4-7


Deus, o Pai, enviou o seu Filho, quando chegou a plenitude dos tempos. Esta expressão não significa só um cumprimento cronológico, mas exprime muito mais a densidade de realização final do seu Plano de Amor. Há um amadurecimento na história da salvação e este tempo culminante é ao mesmo tempo o início absolutamente novo.

Entre o tempo da preparação e da espera e o tempo da plenitude em Deus, se situa a plenitude dos tempos, central por seu valor definitivo para todos os tempos. Trata-se do coração do mistério, em relação ao qual tudo se mede e se esclarece em sua verdadeira consistência em todos os tempos.

Enviado ao mundo da preparação e da espera “nascido da mulher, nascido sob a lei” – para o novo início do mundo “para remir os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção filial” (Gl 4,5). Aquele que nasce sob a lei, nos redime da lei, aquele que vem em estado de humilhação eleva o ser humano.

“Nascido de mulher”: expressa a fragilidade e a pequenez da criatura humana, à humilhação à qual o Filho se submeteu de Senhor a servo (Fl 2,5-8). A referência a mulher, da qual ele nasceu, coloca Maria no lugar mais próximo do cumprimento da Promessa, como a criatura mais próxima do coração do mistério, do centro da história da Salvação da humanidade.

Esta proximidade de Maria da plenitude dos tempos, e a antiguidade deste testemunho, anterior ao Evangelho, permitem que consideremos este texto de Gl 4,4, extremamente significativo. Nesta carta de Paulo, inicia a união da Mariologia com a Cristologia e atesta a maternidade divina. É a primeira consideração histórica e salvífica do significado da maternidade de Maria.

Evangelho: Lc 2, 16-21

“Mãe de Deus” é o título de Maria, atribuído pelo Concílio de Éfeso (431). Nos evangelhos Maria ocupa um papel mais discreto na Bíblia se comparado com a tradição católica.

Lucas é o evangelista da misericórdia e dos pobres. Em sua narrativa, são os humildes pastores que, movidos pela esperança da libertação e do resgate de sua dignidade, vão ao encontro do recém-nascido. Maria acolhe o novo que se manifesta e, em oração, medita sobre seu significado.

Em Jesus revela-se o projeto de Deus de nos conceder a salvação. Santa Maria, a Mãe de Deus e a nossa Mãe nos dá segurança, porque traz em seus braços o Príncipe da Paz. Somente acolhendo nosso Salvador; o mundo celebrará verdadeiramente o dia Mundial da Paz e da Fraternidade Universal.

Ao longo dos séculos, fomos impotentes para construir a verdadeira Paz, multiplicamos a violência e provocamos mortes. Por isso, hoje é um dia de súplica universal pela Paz e pela Fraternidade, que somente Jesus pode fazer-nos construir!

Que este novo ano nos encontre na acolhida da benção que nos é concedida no Nome do Senhor; na consciência de que vivemos o tempo cristão, que é tempo de plenitude, porque Deus já enviou o seu Filho Amado.

Que esteja em nós o desejo e o compromisso de aprender com Maria a contemplar a Vida presente naquela criança na manjedoura, meditando sobre os acontecimentos em nossos corações, para podermos compreendê-los segundo o Projeto de Amor e Salvação de Deus.

Qual será a colaboração ativa e responsável, que cada um, cada uma, poderá dar para que as possibilidades de Deus se tornem realidades concretas em nossa história, neste novo ano de 2020? 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus - Ano A - A Mãe do Verbo encarnado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV