O Sínodo para a Amazônia pode trazer “um novo estilo de liderança política no mundo”. Entrevista com Dom Oscar Ojea, presidente do episcopado argentino

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Setembro 2019

Dom Oscar Ojea é o atual presidente do episcopado argentino, um grupo do qual até 2013 o então cardeal Bergoglio era membro, de quem o atual bispo de San Isidro foi auxiliar em Buenos Aires. O prelado argentino reconhece em Francisco "a mesma pessoa" do cardeal até seis anos atrás, apesar de dizer que "o Espírito Santo está acomodando em todos os momentos da vida das pessoas".

A entrevista é de Luis Miguel Modino.

Como membro do Conselho Pré-sinodal, que ele vê como “um verdadeiro aprendizado”, ele será um dos participantes da assembleia do Sínodo para a Amazônia, que acontecerá em Roma de 6 a 27 de outubro e que Dom Oscar Ojea vê como “uma maneira de colocar em prática os princípios de Laudato Si', o cuidado da Casa Comum paralelamente ao cuidado do pobre”, uma maneira de assumir o paradigma do cuidado, “um novo estilo de vida e um novo estilo de liderança política no mundo ". De fato, ele espera que o Sínodo "seja um momento providencial para a Igreja, um momento claro do Espírito, ... um chamado profundo à conversão".

Ao falar de Laudato Si', ele vê que teve melhor leitura e recepção fora do que dentro da Igreja, afirmando que “ela pegou muito forte em lugares que estão na fronteira da Igreja”, vendo-a como uma encíclica onde “o Papa fala como cidadão do mundo”, destacando “a figura do Papa missionário, pensando mais sobre a linguagem e ser entendido pela fronteira da Igreja Católica,… procurando uma linguagem adequada para poder fazer o mundo entender hoje”, seguindo o exemplo de Jesus, cujas preferências estavam nas periferias.

Eis a entrevista.

Falando com um bispo argentino, a primeira coisa a perguntar é sobre o papa Francisco. Quais são as diferenças e semelhanças entre o cardeal Bergoglio e o Papa Francisco?

Ele é a mesma pessoa, tive a alegria e o privilégio de ser seu bispo auxiliar por três anos, então tê-lo por perto, trabalhando juntos, liderando a arquidiocese de Buenos Aires, foi para mim um excelente testemunho da vida pastoral e, ao mesmo tempo, uma experiência com um mestre, eu diria, e isso me marcou muito. Devo dizer que o papado, evidentemente, o Espírito Santo vai se acomodando a todo momento da vida das pessoas. Então, quando o modo particular entra nele, quando ele é eleito Papa, ele claramente dá tudo o que é necessário para usá-lo a serviço da pregação do Evangelho, e parece que ele se saiu muito bem.

O Papa Francisco convocou no próximo mês de outubro o Sínodo para a Amazônia, que há pessoas que dizem que pode ser que o Sínodo para a Amazônia esteja na hora de implantar algumas das grandes intuições que o Papa Francisco tem em sua abordagem vital, espiritual e pastoral. Em que medida o senhor acha que o Sínodo para a Amazônia pode estabelecer diretrizes para o futuro da Igreja?

Eu acho que é uma maneira de colocar em prática os princípios de Laudato Si', o cuidado da Casa Comum colocado em paralelo com o cuidado dos pobres. E a proposta, que é realmente impressionante como um desafio para a Igreja, de ir colaborando para mudar o paradigma tecnocrático na sociedade em que vivemos, por um paradigma que tem o cuidado como uma maneira essencial de ser, para com as pessoas e com nossa Casa Comum.

Creio que este pode ser um momento muito importante para refletir uma das preocupações e as propostas mais claras do Papa Francisco. Não existe ecologia ambiental se não houver serviço social para com a pessoa humana. Tudo está interligado, tudo está vinculado, acho que esse ponto pode ser mostrado muito bem no Sínodo para a Amazônia. A Amazônia é um modelo, uma área com um imenso rio com mais de 1000 afluentes, que possui 20% da reserva mundial de água doce, que é uma reserva de carbono. Ver como o homem está atacando ele, acho que é para mostrar o quanto devemos mudar, dialogar, concordar, pensar, para ver como assumimos um novo estilo de vida e um novo estilo de liderança política no mundo, para que essas coisas sejam resolvidas.

O senhor faz parte do Conselho Pré-sinodal, como tem vivido esse processo que começou há um ano e meio atrás? Os senhores tiveram a primeira reunião do Conselho em maio de 2018, desde aquele momento até agora, como o senhor viu esse processo que foi realizado, primeiro com o documento preparatório e depois com o Instrumento de Trabalho?

Como verdadeiro aprendizado, o testemunho de meus irmãos bispos da região, o testemunho de especialistas, as conversas com o cardeal Hummes, que realmente me parece uma pessoa que une uma enorme experiência pastoral, um grande conhecimento da região e, ao mesmo tempo, sua experiência na Cúria Romana. Acredito que as duas tenham sido experiências que ele conjuga para poder estar um pouco à frente, como relator, do que significa o Sínodo. Para mim, foi um grande aprendizado desde a Argentina, que temos ecos do problema amazônico, tanto no aquífero guarani quanto na selva do Chaco.

Tem sido de grande interesse as experiências pastorais, as experiências de território e a vida que flui no território, que os irmãos me mostraram nesse caminho.

De tudo o que o senhor aprendeu ao longo deste tempo, o que o senhor tem a levar para a Igreja Argentina?

Uma enorme necessidade de conscientizar sobre o problema, a maioria de nossas cidades, muitas de nossas dioceses, vive a realidade da Amazônia como algo muito, muito distante. A necessidade de conscientizar sobre o que esse momento significa na vida do planeta, a necessidade de cuidar dele, preservá-lo e, ao mesmo tempo, colocar claramente o questionamento sobre o que somos no mundo. Se estamos realmente preparando as gerações futuras para um mundo mais limpo, mais digno de ser vivido, um mundo com ar, com água não contaminada, ou abandonamos essa função diretamente e vivemos apenas para nossa geração sem nenhuma preocupação com o futuro. Penso que são valores espirituais muito profundos que precisamos repensar e que têm a ver com o significado de nossa vida no planeta.

Tudo o que o senhor diz nos remete um pouco à Laudato Si'. O Papa disse que o Sínodo é filho de Laudato Si'. Como o senhor pensa que toda a doutrina da Laudato Si' foi implementada e assumida na vida prática e pastoral da Igreja?

Parece-me que a encíclica ainda não foi lida bem, em geral, na mundo católico e nas comunidades, estou falando em geral, mas sim em alguns lugares que fazem fronteira com a Igreja Católica. Por exemplo, como presidente da conferência episcopal, recebi pedidos de reuniões sobre o conteúdo da encíclica, de pessoas de diferentes denominações religiosas. O respeito que os muçulmanos têm neste momento pela doutrina do Papa e pela pessoa do Papa é imenso, quase comovente, eu diria, o mesmo os judeus. Por outro lado, também recebi um pedido de universidades nacionais, muito interessadas no texto da encíclica. Portanto, é uma grande surpresa, pois o texto atingiu muito os lugares que estão na fronteira da Igreja, proporcionalmente os setores mais comprometidos.

Poderíamos dizer que muitas vezes as posições, ideias e palavras do Papa Francisco são melhor compreendidas fora da Igreja do que dentro dela?

Podemos dizer, em outras palavras, que tenho a impressão de que nesta encíclica, em particular, o Papa fala como cidadão do mundo, o que é raro, e faz um convite como um contemporâneo a mais. Digamos que o mundo científico estava esperando por essa encíclica e muitos irmãos no mundo científico não são crentes. No entanto, geralmente tem sido muito bem recebida neste mundo. Assim, parece-me que é o local de onde o Papa fala, que nos permite ter uma linguagem que nos ajude a nos comunicar com aqueles irmãos com quem compartilhamos uma série de preocupações, inquietações e visões do mundo, embora não a fé.

Então, de alguma forma, isso mostra claramente a figura do Papa missionário, pensando mais na linguagem e ser entendido pela fronteira da Igreja Católica do que apenas pela Igreja Católica.

Nesse sentido, também poderíamos dizer que a espiritualidade inaciana é visível, o que é algo muito presente no papa Francisco. Santo Inácio disse: me dê uma boa pessoa e eu farei um bom cristão, me dê um bom cristão e farei um bom jesuíta. A partir de baixo, da realidade dos últimos, como isso influencia a vida e as orientações do Papa Francisco?

Essa visão, além de inaciana, é extremamente evangélica. Se olharmos para Jesus, onde estavam as preferências de Jesus, onde Jesus nasceu, onde viveu sua infância, na periferia do mundo e na periferia da própria Jerusalém. Com que pessoas Jesus se encontrou, quem entendeu Jesus, qual era a linguagem que Jesus usava. Não foram precisamente os mestres e sábios de Israel, mas foram os despossuídos, os doentes, que não tinham lugar na sociedade. Muitas vezes o Senhor tenta explicar isso, por exemplo, através das bem-aventuranças. Mas, obviamente, parece-me que o Papa está tentando se colocar desde o evangelho. O segredo do Papa Francisco é querer sair daquele lugar, procurando uma linguagem apropriada para poder se fazer entender pelo mundo hoje.

Como padre sinodal, quais são as expectativas geradas pelo Sínodo para a Amazônia? Como o senhor espera que a assembleia sinodal se desenvolva?

Espero que seja um momento providencial para a Igreja, um momento claro do Espírito, que inspire os Padres sinodais a poder dizer uma palavra que possa ser entendida por esses irmãos mais pequenos, como um sinal da proximidade da Igreja Católica em todos os problemas que vamos analisar. Ao mesmo tempo, solicitamos atenção à classe média e à classe média alta, sobre as realidades que estamos vivendo no mundo e como devemos conversar e falar sobre o futuro do planeta. Então, penso que a passagem do Espírito será um chamado profundo à conversão. Conversamos continuamente sobre conversão, conversamos sobre conversão missionária, conversamos sobre conversão sinodal. E, neste caso, falamos sobre conversão ecológica, que tem a ver com essa mudança de olhar a natureza e o irmão.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Sínodo para a Amazônia pode trazer “um novo estilo de liderança política no mundo”. Entrevista com Dom Oscar Ojea, presidente do episcopado argentino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV