Argentina. Oscar Ojea, novo presidente da Conferência Episcopal até 2020

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Novembro 2017

Para muitos, era o candidato do Papa Francisco. O certo é que o bispo de San Isidro, Oscar Ojea, ontem, tornou-se o primeiro não arcebispo – ou seja, que faz parte de uma categoria de escalão mais baixo – a chegar à presidência da Conferência Episcopal Argentina, que abarca mais de uma centena de bispos dos país.

A reportagem é de Sergio Rubin, publicada por Religión Digital, 08-11-2017. A tradução é do Cepat.

Contudo, sua eleição ocorre após o principal candidato, o arcebispo de Buenos Aires, cardeal Mario Poli, ter sido o mais votado por seus pares na primeira rodada, mas caiu. Contudo, Poli foi eleito o primeiro vice-presidente, cargo que já vinha desempenhando.

A eleição de Ojea – que sucede ao arcebispo de Santa Fé, dom José María Arancedo, que não podia ser reeleito por estar a dois períodos no cargo – significa o início de uma nova etapa na Igreja argentina. Porque se considera que será mais permeável em acompanhar as palavras e os gestos muitas vezes audazes do Pontífice.

Neste sentido, os futuros passos de Ojea podem ser fundamentais para destravar a demorada visita de Francisco à Argentina. Além disso, não se descarta que promova o aprofundamento do compromisso social e religioso da Igreja.

De qualquer modo, a eleição de Ojea não foi um passeio. Não só porque venceu Poli na primeira votação, mas porque precisou ir até a terceira votação que – diferente das duas primeiras, que exigem dois terços – requer maioria simples para chegar ao cargo. Meses atrás, dizia-se que Poli não desejava ser presidente, mas nas últimas semanas parece ter mudado de opinião. Será que foi central a reunião que manteve com o Papa, dias passados, no Vaticano. Ojea tem muita ascendência sobre o clero que mais se sintoniza com Francisco.

Nascido em Buenos Aires há 71 anos, e ordenado sacerdote em 1972, Ojea foi consagrado bispo em 2006 e passou a atuar como auxiliar de Buenos Aires, sendo colaborador direto do então cardeal Jorge Bergoglio, que o havia impulsionado. Em 2009, foi nomeado bispo coadjutor (com direito a sucessão) de San Isidro, sucedendo a dom Jorge Casaretto.
    
Ali, coube-lhe, sobretudo, enfrentar um caso de abuso sexual cometido por um sacerdote em situação muito difícil. Conduziu o problema com grande determinação e estabeleceu pontes com as vítimas.

Considerado um bispo “em saída”, conforme agrada a Francisco, Ojea se caracteriza por percorrer palmo a palmo a diocese, marcada pelos grandes contrastes sociais. Na Cáritas conduziu uma ordenada gestão.

Além de Poli, na cúpula eclesiástica o auxiliará o bispo de La Rioja, dom Marcelo Colombo, também muito alinhado com Francisco, muito aberto e que costuma falar claro sobre os problemas sociais, entre eles, sobre os excessos da exploração mineira.

Na secretaria geral, continuará o bispo de Chascomús, dom Carlos Malfa, chave na relação institucional com a secretaria de Culto da Nação. As eleições, que foram realizadas na casa de exercícios espirituais El Cenáculo - La Montonera, em Pilar - prosseguirão até sexta-feira, já que são muitos os cargos a ser efetivados.

Entre eles, a presidência da estratégica comissão da Pastoral Social, encarregada das relações com políticos, empresários e sindicalistas. Seu atual titular, o arcebispo coadjutor de San Juan, Jorge Lozano, não pode ser reeleito. Menciona-se para sucedê-lo o bispo de Lomas de Zamora, Jorge Lugones.

Ainda não está definido se, ao término das deliberações, haverá um pronunciamento.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Oscar Ojea, novo presidente da Conferência Episcopal até 2020 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV