Congresso sobre Ecologia Integral leva Igreja equatoriana a um maior compromisso na defesa da Amazônia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Setembro 2019

O cuidado da Casa Comum é um desafio cada vez mais premente, que exige o envolvimento de todos e, é claro, da Igreja católica, ainda mais às portas do Sínodo para a Amazônia. Nessa perspectiva, a Igreja do Equador celebra nos dias 12 e 13 de setembro o Congresso “Ecologia Integral e Sínodo da Amazônia, Retos e Desafios para o Cuidado da Casa Comum no Equador”, realizado na Pontifícia Universidade Católica de Equador, com sede em Quito.

Juntamente com a entidade anfitriã, fazem parte da organização a Conferência Episcopal Equatoriana, a Rede Equatoriana do Panamá - REPAM, a Caritas Social Pastoral Equador e a Conferência Equatoriana de Religiosos. O evento conta com mais de 300 participantes, entre os quais os bispos da Amazônia equatoriana, que de 6 a 27 de outubro participarão do Sínodo em Roma, além de alguns outros bispos do resto do país, padres, religiosos e religiosas, leigos e leigas e representantes dos povos originários.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

O objetivo do encontro foi refletir e debater sobre Ecologia Integral, Amazônia e outros territórios para ouvir os gritos da realidade dos povos, comunidades e da Mãe Terra. Isso tem levado a ouvir os gritos da realidade dos povos, comunidades e Mãe Terra; tornar visíveis os processos para o atendimento da Casa Comum e a ecologia integral; conscientizar o processo do Sínodo para a Amazônia; agir e articular para fortalecer o tecido social no território em defesa da Casa Comum.

Foto: Luis Miguel Modino

Estamos vivendo "um kairos, um momento de graça, de encontro com Deus, conosco, com os povos originais e com a natureza", disse o cardeal Barreto, vice-presidente da REPAM, que chamou seus irmãos bispos para "viver a colegialidade episcopal, estar unidos no esforço de renovar a Igreja, unida ao Papa Francisco, e estar dispostos a servir", e a todos os presentes e a toda a Igreja a "viver a sinodalidade, caminhar juntos para discernir juntos". Na linha do cardeal Dom Luis Cabrera, vice-presidente da Conferência Episcopal do Equador, disse que este é um "momento de ansiedade e esperança”. O primeiro sentimento vem dos incêndios das últimas semanas na Amazônia, causados por empresas internacionais com o apoio de governos, a serviço dos interesses do primeiro mundo, segundo o arcebispo de Guayaquil, que vê no Sínodo para a Amazônia um sinal de esperança, um evento de classe mundial, uma oportunidade para o mundo conhecer a Amazônia.

Cardeal Pedro Barreto. Foto: Luis Miguel Modino

Dom Julio Parrilla, bispo de Riobamba, e presidente da Pastoral Social e da Caritas Equador insistia em que "a caridade começa com a Casa Comum" e, junto com isso, "devemos orar muito, mas devemos fazer muito mais do que rezar”, porque é necessário que a sociedade descubra essas situações e comece a trabalhar agora para que não seja tarde demais. O bispo se perguntou quanto território o estado equatoriano já entregou às transnacionais para exploração. De fato, "ainda é possível uma vida alternativa", como reconheceu o padre Rafael González, presidente da Conferência Equatoriana de Religiosos, que via esse congresso como uma oportunidade de "construir uma parábola para os mais pobres e a Mãe Terra, um horizonte, uma construção de uma Casa Comum sem muros, sem venenos ”, sabendo ouvir os gritos de uma humanidade que nos desafia, o discernimento para nos perguntar sobre as causas profundas, a conversão e um novo estilo de vida que desencadeia mudanças.

O grande líder dos povos indígenas da Amazônia, na qualidade de coordenador da COICA, Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica, Gregório Díaz Mirabal, afirmava que vivemos “um momento de emergência na Amazônia”, uma emergência moral, falta de sensibilidade, falta de respeito pelos lugares sagrados do povo. O líder indígena apontou que estamos em "uma Amazônia em chamas e saqueada, mas com luta e esperança". Ele agradeceu a REPAM e o Papa Francisco por sua proximidade com os povos da Amazônia, desafiando o mundo a "acordar e tocar o coração e ver o que estamos fazendo pela Amazônia". Ao falar do Sínodo para a Amazônia, o líder indígena venezuelano enfatizou que “o mais importante é depois do Sínodo”, pois "temos que fazer alguma coisa", citando o Papa Francisco, que sempre insiste em que quem vai à Igreja deve fazer algo pelo próximo.

Gregório Díaz Mirabal, coordenador da COICA, Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica. Foto: Luis Miguel Modino

Isso é ainda mais importante em uma sociedade indiferente, com governos que fecham as portas para os povos indígenas, que dão as costas às lutas, recontando as lutas que os povos indígenas estão realizando em tantos lugares da Amazônia. Díaz Mirabal lembrou a figura de Greta Thunberg, a adolescente que "está ensinando ao mundo que algo deve ser feito para que haja um futuro". Ao mesmo tempo, recordando o Pacto assinado por diferentes governos da região na semana passada em Letícia, Colômbia, em que dizem estar dispostos a cuidar da Amazônia, mas ele exigiu que os governos ligassem o diálogo aos povos indígenas, que foram ignorados no encontro.

O Sínodo para a Amazônia é um sinal de esperança, algo que aparece no Instrumentum Laboris. Paralelamente, “somos um sinal de esperança para a Igreja do Equador”, disse o padre Gustavo Calderón, provincial dos jesuítas no Equador e vice-chanceler da PUCE, que vê a Amazônia como “lugar onde Deus mora, onde Deus passa todos os dias, onde ouvir a Deus nos povos originários e na natureza”, lembrando as palavras de uma líder indígena do povo Huitoto, que ouvi uma vez dizer que “este território não é nosso, é da próxima geração voltar”.

Na defesa da Casa Comum, existem experiências no Equador que mostram, por um lado, situações preocupantes para o futuro do planeta, mas ao mesmo tempo diferentes maneiras de lidar com essas agressões. O congresso serviu para conhecer a realidade dos isqueiros da Amazônia, hidrelétricas e mineração, comércio justo e solidário, exploração do trabalho e da terra, a estação científica de Yasuni, uma região de povos em isolamento voluntário, fontes de água na região da Serra, perseguição e criminalização de defensores de direitos humanos e ambientais, ameaças ao equilíbrio ambiental no arquipélago de Galápagos, resposta dos jovens à crise socioambiental ou espiritualidade ecológica , elementos que podem ajudar a avançar na conscientização dessas problemáticas.

Nessa conscientização "é importante que as vozes dos povos indígenas sejam ouvidas", como destacou Patricia Gualinga, porque "os povos estão na linha de frente da defesa da Amazônia", acrescentando que "os povos indígenas veem a natureza como algo que dá vida ao planeta”, uma visão completamente diferente da visão economista. A líder indígena do povo Sarayaku denunciou as consequências da chegada de grandes empresas, que produzem "um impacto ecológico, social e terrível de pensamento", afirmando que "estamos em um momento crítico em que a Amazônia precisa do esforço de todos". Nesse sentido, ela exige que "a Igreja também tenha uma enorme responsabilidade pelo cuidado da Casa Comum e pela criação de Deus, como diz Gênesis". Por isso, "é muito importante que nos encontremos aqui em Quito, conversando sobre isso e que haja muita participação dos povos indígenas e que a Igreja esteja profundamente comprometida com a conservação da Amazônia", disse a líder do povo Sarayaku.

Patricia Gualinga, defensora dos direitos humanos e defensora dos direitos indígenas da comunidade indígena da Amazônia equatoriana, Pueblo Kichwa de Sarayaku. Foto: Luis Miguel Modino

O Sínodo para a Amazônia nos desafia, segundo Mauricio López, a três conversões: pastoral, expressada em Evangelii Gaudium com um novo modelo de Igreja; ecológica, detalhada em Laudato Si, resultado de uma crise ambiental, do modelo de desenvolvimento predominante, que coloca em risco o futuro do planeta e está acima dos sistemas políticos, como é o caso do socialismo boliviano ou da extrema direita brasileira; sinodal, com um desafio de caminhar juntos a partir dos tropeços e aprendizados. Portanto, os ataques ao Sínodo e ao Papa Francisco, se explicam porque estão em jogo os interesses dos poderosos, causantes da atual crise econômica, motivada pelo fato de que as 26 famílias mais ricas do mundo têm os mesmos recursos que o 50% mais pobre da população. O Papa também se incomoda porque "ele levou a periferia, o descartável, para o centro, para iluminar e purificar", seguindo o exemplo de Jesus, presente nas realidades periféricas, próximo das mulheres. Mas "nossas redes não têm ou têm valor se não dermos um passo à frente para encontrar caminhos em comum", e o kairós do Sínodo "só serão possíveis se caminharmos juntos", concluía Maurício López.

Diante da crise ambiental, é necessário "entender que a natureza é muito mais do que uma fonte de recursos e um depósito onde podemos jogar lixo", disse Esperanza Martínez, da ONG Ação Ecológica, que viajou por todo o país para ajudar a aumentar a conscientização das consequências das ações da mineração, petróleo, agronegócio, barragens e a realidade do mundo urbano, cada vez mais poluído. Ela definiu sua agenda como "o cuidado e a proteção da natureza", da qual afirmou que "está em nossas mãos defendê-la ou não". Por isso, destacou-se a importância de Laudato Si, "um exercício poético de colocar a natureza em um plano diferente".

Na Amazônia, o papel das mulheres é fundamental, elas são as mais afetadas, juntamente com as crianças, pela destruição da natureza, como reconheceu Marisol Rodríguez, que se perguntava: “O que machuca às mulheres amazônicas?”, enumerando uma série de situações que as mulheres sofrem hoje em uma Amazônia depredada, que as torna vítimas de abuso, redes de prostituição, tráfico humano, destruição de suas casas, separação de suas famílias, perda de autonomia e valores tradicionais e imposição de valores capitalistas. Mas há também esperanças, como destacou, entre elas o fato de serem as mulheres que geram vida biológica, espiritual e cultural, garantem a soberania alimentar, conectam conhecimentos, defendem territórios, ensinam valores e dão carinho. Marisol as definiu como sinchi warmi, mulheres fortes até o fim, seguindo o exemplo das mulheres que estavam ao pé da Cruz.

Foto: Luis Miguel Modino

No âmbito da academia, o reitor da Pontifícia Universidade Católica do Equador, o jesuíta Fernando Ponce, destacou que existem muitos “incêndios” na Amazônia, como pobreza, falta de educação e saúde, mortalidade infantil, entre outros. Diante dessa realidade, há motivos de esperança, "porque há espaço para nossa ação como universidade", algo que foi especificado no anúncio da criação da PUCE Amazonas, com sede no Lago Agrio, capital da província de Sucumbíos, fruto de uma combinação de esforços direcionados aos grupos mais vulneráveis, que deseja oferecer um “ensino superior como bem público”.

Na mesma linha, Catalina Vélez, Presidenta do Conselho de Ensino Superior, admitiu que o sistema de ensino superior no Equador "conserva lacunas, resultado das desigualdades existentes", algo que aumenta na Amazônia, onde há grandes dificuldades para o estudo superior, uma vez que apenas duas das seis províncias possuem centros de ensino superior devido à falta de recursos. Portanto, ela afirmou que "temos a obrigação de oferecer treinamento inclusivo e de qualidade que atenda às expectativas".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Congresso sobre Ecologia Integral leva Igreja equatoriana a um maior compromisso na defesa da Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV