Reencontrar o sentido do tempo. Reflexões sobre o pensamento de Byung-Chul Han

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A liberdade é vazia sem a solidariedade.” Entrevista com Massimo Recalcati

    LER MAIS
  • Livro entrelaça a prática eucarística com as realidades sociais, econômicas e ecológicas

    LER MAIS
  • O próximo papa: um pedido de mudança. Artigo de George Weigel

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Janeiro 2019

Nativo da Coreia, mas residente na Alemanha e professor em Berlim, ensaísta de natureza modesta, extremamente culto, sempre respeitoso, preocupado em radicar a reflexão filosófica no mais prosaico cotidiano das nossas vidas, Byung-Chul Han é um filósofo que pode nos ajudar a entender melhor o homem do século XXI. O que impressiona em sua escrita é a capacidade de conciliar um claro rigor germânico, baseado em numerosas leituras, com uma espécie de sobriedade asiática, uma surpreendente economia de palavras.

A reportagem é de Marc Rastoin, publicada por La Civilta Cattolica, 05-01-2019. A tradução é de Luisa Rabolini

Um bom ponto de partida para iniciar no pensamento de Byung-Chul Han é dado pelo seu livro de 2009, Il profumo del tempo. L’arte di indugiare sulle cose (O perfume do tempo. A arte de persistir nas coisas - em tradução livre). Byung-Chul Han faz uma releitura crítica do sociólogo francês Alain Ehrenberg, que foi capaz de compreender a evolução de longo prazo da cultura contemporânea; um novo imperativo categórico agora pesa sobre os sujeitos modernos e exige que eles "tenham sucesso na vida": "Seja você mesmo! Realize os seus sonhos! Aproveite os seus talentos!" Byung-Chul Han retoma e completa o pensamento de Ehrenberg, observando que o atual sistema econômico neoliberal explora para sua própria vantagem esse clima, tanto emocional como intelectual, para lucrar o máximo do indivíduo que tenta se realizar.

Ao contrário de outros autores animadas por uma visão essencialmente mais econômica ou psicológica, o pensador sul-coreano analisa a importância do desaparecimento, na sociedade atual, dos tempos de iniciação e, mais geralmente, dos limiares: "A vida tornou-se mais febril, mais confusa, mais desorientada. Por causa de sua dispersão, o tempo não exerce mais nenhuma força ordenadora. Por isso na vida não emergem momentos decisivos ou tais a proporcionar um ponto de virada. O tempo da vida não é mais articulado através de cortes, conclusões, limiares e transições, nos apressamos praticamente de um presente a outro. Assim envelhecemos, sem nos tornar velhos. E por fim perecemos intempestivamente. Precisamente por esse motivo, morrer hoje tornou-se mais difícil do que nunca”. Ora, "os limiares certamente causam sofrimento e paixão, mas também fazem você feliz". Para o filósofo sul-coreano, a raiz da doença contemporânea é constituída mais pela "fragmentação" do tempo que por sua "aceleração".

Nesse contexto, o homem de hoje corre o risco de se exaurir numa correria louca por atividades e na contínua representação de si, de modo que a depressão e o burn-out se tornam as doenças emblemáticas de nossa época. Observamos de passagem que esta perigosa tendência psicológica não poupa agentes pastorais, sacerdotes, leigos ou religiosos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reencontrar o sentido do tempo. Reflexões sobre o pensamento de Byung-Chul Han - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV