"O Brasil conecta-se com o horizonte da pós-verdade". Entrevista especial com Moysés Pinto Neto

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Patricia Fachin e Ricardo Machado | 09 Outubro 2018

Desde 1989, isto é, desde o princípio da Nova República o Brasil nunca foi capaz de virar, no segundo turno, uma eleição presidencial. O resultado da votação de domingo, 07-10-2018, coloca os brasileiros diante da escolha entre Jair BolsonaroPSL – com 46% dos votos –, e Fernando Haddad, PT – com 29,3% dos votos. O cenário traz à tona a polarização que tem marcado a política brasileira nos últimos anos. Para avaliar os impactos e os significados desta eleição, a IHU On-Line ouviu Moysés Pinto Neto para analisar o primeiro turno de 2018.

Pinto Neto, na entrevista concedida por e-mail, frisa que o resultado da eleição confirma "o que todo mundo sabia: o país vive uma onda de viralização da ideologia conservadora somada a uma revolta contra o sistema inspirada da crítica à corrupção. O discurso encontrou em Bolsonaro a figura que sintetiza autoritarismo e discurso de renovação".

Moysés Pinto Neto durante sua palestra no IHU
Foto: Cristina Guerini | IHU

Moysés Pinto Neto é graduado em Ciências Jurídicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, mestre em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS e doutor em Filosofia nessa mesma instituição. Leciona no Programa de Pós-Graduação em Educação - ULBRA e no curso de Direito da Universidade Luterana do Brasil - ULBRA Canoas. É autor, entre outros, do artigo Identidade de Esquerda ou Pragmatismo Radical?, publicado na edição nº 259 dos Cadernos IHU ideias, e do artigo Esquecer o neoliberalismo: aceleracionismo como terceiro espírito do capitalismo, publicado na edição nº 245 dos Cadernos IHU ideias.

Confira a entrevista. 

IHU On-Line - Qual sua avaliação do resultado das eleições deste domingo?

Moysés Pinto Neto - Confirma-se o que todo mundo sabia: o país vive uma onda de viralização da ideologia conservadora somada a uma revolta contra o sistema inspirada da crítica à corrupção. O discurso encontrou em Bolsonaro a figura que sintetiza autoritarismo e discurso de renovação.

Acreditava até que a esquerda iria pior. Felizmente, pelo menos 1/3 foi pra ela. A mesma crise que se passa nos outros países repete-se no Brasil

IHU On-Line - O que explica o resultado das eleições e qual é o seu significado político?

Moysés Pinto Neto - A incapacidade de o sistema encontrar válvulas de escape para sua renovação desde 2013 encontra-se com as guerrilhas cibernéticas da extrema direita. O Brasil conecta-se com o resto do mundo no horizonte da pós-verdade e na necropolítica.

O significado político é ainda enigmático, mas pode dizer duas coisas: que o fim de algo está chegando – e esse algo é a Nova República – e quem não souber se renovar vai perecer. Apesar disso, quem soube aproveitar essa nova tendência são, paradoxalmente, os velhos atores do Brasil mais reacionário

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"O Brasil conecta-se com o horizonte da pós-verdade". Entrevista especial com Moysés Pinto Neto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV