"Não tenho medo de Trump. Tenho medo do meu país, Honduras"

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Especialistas em Previdência são unânimes: PEC de Bolsonaro acaba com a aposentadoria

    LER MAIS
  • 'Se alguém tiver de ir pro inferno, tem de ser quem bolou reduzir um direito a R$ 400'

    LER MAIS
  • Francisco terá que consertar a cultura do encobrimento que João Paulo II permitiu

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Julho 2018

Na cidade de McAllen, na zona de maior intensidade migratória na fronteira dos EUA com o México, o fluxo de recém-chegados continua. No domingo, meia centena de imigrantes foram postos em liberdade vigiada – com um localizador eletrônico no tornozelo – na rodoviária. Muitos adultos estavam com seus filhos menores de idade. Miriam, uma hondurenha de 38 anos, segurava sua pequena Vanesa, de um ano. “Quando vinha pelo México, vi na televisão a questão das separações das crianças, mas decidi continuar até aqui”, disse. “Não tenho medo de Trump. Tenho medo do meu país.”

A reportagem é de Pablo de Llano, publicada por El País, 10-07-2018.

Uma mãe guatemalteca que preferiu manter o anonimato, acompanhada de Álex, uma voluntária que voou de Los Angeles para ajudar os imigrantes em um refúgio de McAllen, esperava minutos antes o ônibus que a levaria com seu menino de quatro anos a outra cidade dos EUA, onde um familiar a aguarda. “Minha situação não é boa. Uso esta tornozeleira e não tenho permissão para trabalhar, mas vou pedir asilo”, disse, acrescentando que seu marido, que segundo ela não tinha reconhecido o menino ao nascer, a ameaçou de morte em seu país se não lhe entregasse a criança. “Se me mandarem para lá, sei que ele vai tentar."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Não tenho medo de Trump. Tenho medo do meu país, Honduras" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV