EUA. Milhares de crianças arrancadas de seus pais

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Calmaria antes da tempestade: antecipando o plano radical de um papa reformista para reduzir a Cúria Romana

    LER MAIS
  • Lula solto poderia tirar militares do controle, diz comandante do Exército: “Estávamos no limite”

    LER MAIS
  • “Atualmente, o ser humano vive como um animal em cativeiro”. Entrevista com José Luis Padilla

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Junho 2018

Os efeitos da nova política da administração Trump na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

A reportagem é publicada por L'Osservatore Romano, 16 -06-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

São quase duas mil crianças separadas de seus pais, como resultado do lançamento pela administração dos Estados Unidos de uma nova política de 'tolerância zero' sobre a imigração. As novas regras, ordenadas pelo presidente Donald Trump, conduzem para a prisão imediata todos os migrantes que tentam atravessar a fronteira entre o México e os Estados Unidos e a consequente separação dos menores de seus pais, que são indiciados. O porta-voz do departamento de segurança interna, Jonathan Hoffman, forneceu os primeiros dados sobre a aplicação das medidas. De 19 de abril ao último dia 31 de maio foram 1995 crianças separadas de 1940 adultos com os quais haviam atravessado a fronteira, informou Hoffman.

Pelo fato que seus pais serão incriminados e depois processados, os menores foram recolhidos e transferidos para centros administrados pelos serviços sociais, sem indicação clara quanto aos procedimentos para a reunificação das famílias.

O Alto Comissariado para os Direitos Humanos das Nações Unidas pediu nos últimos dias para a Casa Branca para colocar um fim a essa prática, que se concentra em especial sobre pessoas vindas da Guatemala, El Salvador e Honduras que estão tentando fugir da violência nos seus países e procuram asilo do outro lado da fronteira. "Os Estados Unidos deveriam interromper imediatamente essa prática de separação das famílias, que equivale a uma interferência arbitrária e ilegal na vida familiar, e é uma grave violação dos direitos das crianças", afirmou em Genebra uma porta-voz do Alto Comissariado, Ravina Shamdasani.

O presidente, no entanto, respondeu jogando a responsabilidade sobre a oposição e argumentando que a separação das famílias "é culpa da má legislação aprovada pelos democratas".

De acordo com os observadores, Trump poderia estar se referindo a uma lei de 2008 aprovada pelo Congresso e promulgada pelo presidente republicano George W. Bush, mas aquela lei diz respeito a crianças que atravessam ilegalmente a fronteira sozinhas e que muitas vezes são confiadas a famílias ou estruturas governamentais na espera que seus casos sejam examinados pelos tribunais.

Enquanto isso, a administração aprovou a construção de um acampamento ao longo da fronteira texana, justamente para receber os menores sob custódia do governo de Washington. A estrutura será construída a mais de 50 km ao sul de El Paso, para a acomodação de mais de trezentos e cinquenta crianças e irá somar-se a outros centros espalhados em todo o país, muitos dos quais já estão lotados até o limite de sua capacidade. Um dos maiores acampamentos do Texas já abriga 1.500 jovens entre 10 e 17 anos de idade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA. Milhares de crianças arrancadas de seus pais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV