Redes sociais prometem 'comunidade global', mas resultado é polarização e não união, diz historiador

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • 1º Dia Mundial dos Pobres

    LER MAIS
  • Papa nomeia brasileiro para Relator Geral do Sínodo dos Jovens e um jesuíta e salesiano como Secretários Especiais

    LER MAIS
  • O Homo Deus e a obsolescência do ser humano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Novembro 2017

O historiador britânico Niall Ferguson comparou o impacto da mensagem de Martinho Lutero, há 500 anos, com o prometido hoje pelo que chamou de 'sacerdotes do Vale do Silício'. Em ambos os casos, os resultados imediatos não foram tão bons quanto as intenções.

Montagem: Viewsnight

Advento da imprensa há 500 anos fez a mensagem de Martinho Lutero 'viralizar' com resultados inesperados e violentos, diz Niall Ferguson

A reportagem é publicada por BBC Brasil, 13-11-2017.

"Na maior parte da história de que temos conhecimento, instituições hierárquicas, como os Estados, dominaram as (chamadas) redes sociais", disse. "Houve duas eras em que novas tecnologias empoderaram redes (sociais) e enfraqueceram hierarquias. A primeira vez foi 500 anos atrás, quando Martinho Lutero lançou sua campanha pela reforma da Igreja Católica. A segunda é o momento atual", argumentou.

"Se não fosse pela imprensa escrita, Lutero teria sido só mais um herege 'torrado na fogueira'. Mas a imprensa, uma espécie de internet antiga, permitiu que sua mensagem viralizasse pela Europa."

"Lutero era um utópico. Acreditava que a reforma traria um 'sacerdócio de fiéis'. Em vez disso, a Europa mergulhou em conflitos. Da mesma forma, os sacerdotes do Vale do Silício nos prometeram uma comunidade global. Mas, agora, assim como antes, redes recém-empoderadas levaram à polarização, e não à união. Viraram, também como antes, um meio de transmissão de notícias falsas e visões extremistas", concluiu.

As redes sociais não deram poder às pessoas, pelo contrário, se aproveitam delas, afirma o historiador, defendendo que não devemos deixar às empresas de tecnologia o poder de decidir por nós qual conteúdo bloquear.

"Os sacerdotes do Vale do Silício nos prometeram uma comunidade global, mas as redes sociais levaram à polarização, em vez de à união", afirmou Ferguson no quadro opinativo Viewsnight, do programa da BBC Newsnight. "As redes não nos empoderam - nos usam. Para o Vale do Silício, somos perdedores."

Em referência à pressão de governos e agentes regulatórios para que as redes sociais expliquem seu papel na difusão de notícias falsas durante a eleição americana e para que ajam para bloquear conteúdo extremista, Ferguson opina que devemos reivindicar para nós, usuários, esse poder de vetar conteúdo.

"Hoje, agentes regulatórios exigem que o Vale do Silício retire o discurso de ódio das plataformas. Mas atenção quanto a dar às empresas de tecnologia ainda mais poder. Se é censura o que você quer, não a deixe cargo do Facebook", declarou o historiador.

"Pessoalmente, defendo a liberdade de expressão sob o risco de me sentir ofendido pelo que os outros dizem, (mas) decidindo eu mesmo o que bloquear em vez de deixar isso para 'Cidadão Zuck'."

Reforma protestante

Ferguson, hoje na Universidade Stanford (EUA), foi professor de Harvard e é autor de 14 livros, entre eles A Ascensão do Dinheiro, sobre o mercado financeiro, e A Grande Degeneração, com críticas à sociedade ocidental.

Em manifestações prévias, Ferguson - tido como ideologicamente mais alinhado à direita - já havia mencionado seu ceticismo com as revoluções tecnológicas originadas no Vale do Silício.

"Ofereço-lhes uma lição simples de história: informação em maior volume e velocidade não é algo bom por si só. Conhecimento nem sempre é a cura. E efeitos em rede nem sempre são positivos", argumentou em artigo de 2012, chamado Não acredite na onda tecno-utópica.

"Houve grande progresso tecnológico nos anos 1930. Mas isso não pôs fim à Grande Depressão. Foi necessária uma guerra mundial (para isso). Será que algo tão horrível poderia acontecer nos nossos tempos? Não descarte essa possibilidade. Lembremo-nos da sequência de eventos: depressão econômica, crise de democracia, caminho à guerra."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Redes sociais prometem 'comunidade global', mas resultado é polarização e não união, diz historiador - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV