México. Governo rejeita relatório que diz que país é o segundo mais violento do mundo

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 13 Maio 2017

O governo do México rejeitou as conclusões de um relatório do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, que aponta que o país é o segundo mais violento do mundo, atrás apenas da Síria, que está em guerra civil desde 2011. O relatório foi divulgado no dia 9-5.

O Instituto Internacional de Estudos Estratégicos – IISS, na sigla em inglês, é uma organização com sede em Londres que publica anualmente um relatório sobre conflitos armados. Nesta edição, o instituto de pesquisa afirma que o México é o segundo país do mundo com o maior número de homicídios.

Assim, o país latino-americano supera o Iraque, que viveu uma guerra com os Estados Unidos e hoje combate o Estado Islâmico, o qual controla parte de seu território; e o Afeganistão, que tem tropas estrangeiras em seu território desde 2001, quando foi invadido pelos Estados Unidos.

O IISS atribui ao México a cifra de 23 mil homicídios dolosos em 2016, enquanto Iraque e Afeganistão tiveram 17 mil e 16 mil, respectivamente. A Síria registrou 50 mil assassinatos.

O governo mexicano reagiu à divulgação do relatório, e questionou suas conclusões. Em comunicado conjunto emitido pela Secretaria de Governo e pela Secretaria de Relações Exteriores, o governo diz que “o relatório assinala de maneira irresponsável a existência de um ‘conflito armado (não internacional)’ no México”.

Segundo os órgãos, “isso é incorreto”, pois “a existência de grupos criminosos não é um critério suficiente” para caracterizar este tipo de conflito, tampouco “o uso das Forças Armadas para manter a ordem dentro do país”. O Exército mexicano está nas ruas do país desde 2006 para combater o crime organizado.

Para o governo mexicano, o relatório “utiliza cifras cuja origem se desconhece, reflete estimativas baseadas em metodologias incertas, e aplica termos jurídicos de maneira inadequada”. Também “busca dar um tratamento similar a nações com fenômenos completamente diferentes, que não são comparáveis nem medíveis entre si”.

O comunicado chama atenção para o fato de que “a violência relacionada com o crime organizado é um fenômeno regional”, e não pode ser compreendida isolando um país. Também qualifica de “inverossímil” a suposição de que todos os homicídios no país estejam relacionados ao conflito com organizações criminosas – o que faz com que o relatório “part[a] de uma base errônea e carente de rigor técnico”, segundo o texto.

O governo mexicano citou ainda um relatório de 2014 da Organização das Nações Unidas – ONU, o qual permite afirmar que “o México está longe de ser um dos países mais violentos do mundo”.

A violência no México tem aumentado recentemente. O mês de março foi o de maior número de homicídios desde que o atual presidente, Enrique Peña Nieto, assumiu, em 2012. Antes dele, os meses de fevereiro e janeiro de 2017 haviam quebrado a marca.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

México. Governo rejeita relatório que diz que país é o segundo mais violento do mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV