Brasil. Aproximadamente 100 bispos pediram adesão à greve geral

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não acontece todos os dias de acompanhar o sepultamento de um santo”. Entrevista com Dom Adriano Ciocca

    LER MAIS
  • Pressão de frigoríficos derruba norma de proteção e aumenta contágio da Covid no PR

    LER MAIS
  • Francisco falará na ONU sobre a pós-pandemia e a dívida externa dos países periféricos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Mai 2017

Quando a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) afirmava, às vésperas do 1º de Maio, sua solidariedade com os trabalhadores e os 14 milhões de desempregados, o Brasil conheceu, na sexta-feira, 28 de abril de 2017, uma greve geral histórica que paralisou as maiores cidades com dezenas de milhões de pessoas nas ruas.

A reportagem é de Jean-Claude Gerez, publicada pela agência Catholique Suisse, 30-04-2017. A tradução é de André Langer.

Esta greve geral contra a reforma anti-social da Previdência e da flexibilização do trabalho proposto pelo governo de Michel Temer foi convocada por cerca de 100 bispos. Segundo o sítio Outras Palavras, 93 bispos convocaram, através de comunicados e vídeos, para participar desta greve geral.

Temer escolheu “o caminho da exclusão social”

Os canais de TV brasileiros passaram continuamente durante todo o dia 28 de abril imagens de manifestações nas grandes cidades do país e bloqueios nas principais estradas. De acordo com diferentes fontes, dezenas de milhões de pessoas manifestaram-se contra a política de austeridade proposta pelo governo de Michel Temer, que assumiu a presidência após a polêmica destituição de Dilma Rousseff, no dia 31 de outubro de 2016.

Em uma entrevista coletiva concedida no dia 23 de março, dom Sergio da Rocha, presidente da CNBB já tinha convocado “as pessoas de boa vontade a se mobilizarem para buscar o melhor para o povo brasileiro, em particular os mais pobres”, estimando que o projeto de reforma do sistema da Previdência escolheu “o caminho da exclusão social”.

Ausência de diálogo

No dia 27 de abril, véspera da greve geral, a CNBB reiterou seu apelo para organizar mobilizações pacíficas em todo o país. A presidência da Conferência Episcopal estimou, em um comunicado, que é “inaceitável que decisões de tamanha incidência na vida das pessoas e que retiram direitos já conquistados, sejam aprovadas no Congresso Nacional, sem um amplo diálogo com a sociedade”.

Solidariedade com os desempregados

A CNBB também aproveitou a proximidade do 1º de Maio para afirmar que o trabalho é fundamental para a dignidade da pessoa e constitui uma dimensão da existência humana sobre a terra. “Pelo trabalho, a pessoa participa da obra da criação, contribui para a construção de uma sociedade justa, tornando-se, assim, semelhante a Deus que trabalha sempre. O trabalhador não é mercadoria, por isso, não pode ser coisificado. Ele é sujeito e tem direito à justa remuneração, que não se mede apenas pelo custo da força de trabalho, mas também pelo direito à qualidade de vida digna”.

Além disso, entidades ligadas à CNBB também lançaram apelos para a mobilização. É o caso da Comissão Pastoral da Terra (CPT), do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), da Pastoral Carcerária, da Pastoral da Saúde e da Cáritas Brasileira.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil. Aproximadamente 100 bispos pediram adesão à greve geral - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV