PEC 287 é uma das reformas de maior exclusão social no país, diz Dieese

Revista ihu on-line

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Mais Lidos

  • Os filhos dos padres: a nova investigação da equipe Spotlight

    LER MAIS
  • A CNBB recolhida em jejum e oração

    LER MAIS
  • 'Estamos frente a um sistema de agiotagem que paralisou o país'

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

16 Março 2017

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, sobre a Previdência, é, talvez, "uma das reformas de maior exclusão social no Brasil", avalia o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, que participou na tarde desta quarta-feira (15) de um debate promovido em rede social pelo jornal Brasil de Fato. Para ele, o dia nacional de paralisações, hoje, ajuda a fazer o contraponto à propaganda do governo e ajuda a população a entender o que representa "o ataque a seus direitos".

A informação é publicada por Rede Brasil Atual – RBA, 16-03-2017.

"O projeto é extremamente severo, retarda o acesso à aposentadoria, exclui milhões. Retarda, exclui e arrocha", resume Clemente. "As pessoas começam a entender a gravidade desse projeto." Já a reforma trabalhista, acrescenta, tem impacto ainda maior: "Afeta a organização econômica de toda a sociedade brasileira".

Para o diretor técnico do Dieese, com a proposta da Previdência, o governo diz, em síntese, que a população tem de receber menos. "Os rentistas, não. Para eles eu garanto."

"A sociedade não escolheu essa reforma", disse Clemente, apontando falta de debate público sobre o tema. "Temos de mostrar a nossa indignação. Queremos discutir a receita da Previdência."

Membro da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Paulo Rodrigues destacou, no movimento de hoje, a "unidade de todo o campo popular", a "qualificação" das mobilizações com greves em várias categorias e o apoio da população. "Acredito que temos de sair com um calendário de mobilizações a partir de hoje. O golpe aconteceu por causa dessas duas reformas", avaliou.

A secretária de Assuntos da Situação da Mulher do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Ana Cláudia Borguin, também se disse surpresa com a reação favorável da população, que em geral critica movimentos que atingem o transporte coletivo. "A gente teve muitas demonstrações de apoio", afirma, esperando que o dia de hoje seja "o começo de uma virada no movimento sindical".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - PEC 287 é uma das reformas de maior exclusão social no país, diz Dieese