O Papa visitará a Colômbia em setembro

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Março 2017

A Sala de Imprensa da Santa Sé confirma que a viagem internacional de Francisco ao país sul-americano acontecerá entre os dias 6 e 11 de setembro próximo.

A reportagem é de Andrés Beltramo Álvarez e publicada por Vatican Insider, 10-03-2017. A tradução é de André Langer.

O anúncio oficial foi feito na tarde da última sexta-feira. O Papa fará uma viagem apostólica à Colômbia entre os dias 6 e 11 de setembro próximo. Fala-se de uma viagem exclusiva a esse país, com paradas em várias cidades. Francisco prometeu várias vezes que iria a esse país assim que o processo de paz entre o governo e a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) estivesse “blindado”. Finalmente irá cumprir sua palavra.

Paloma García Ovejero, vice-diretora da Sala de Imprensa da Santa Sé, informou que o Pontífice decidiu aceitar os convites do presidente da República, Juan Manuel Santos, e dos bispos colombianos. Além disso, confirmou que visitará as cidades de Bogotá, Villavicencio, Medellín e Cartagena. Entretanto, o programa completo só será publicamente nos próximos dias.

Trata-se da segunda viagem internacional do Papa confirmada para este ano. A outra viagem corresponde a um giro de apenas 24 horas previsto para os dias 12 e 13 de maio próximo ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Portugal.

De acordo com o que disse o próprio líder católico há alguns dias ao jornal alemão Die Zeit, nos próximos meses tem a intenção de visitar a Índia e Bangladesh, além da possibilidade de ir ao Egito e ao Sudão do Sul.

O principal interesse do Pontífice é promover a reconciliação e a paz, após a tensão provocada pelo referendo sobre os acordos alcançados entre o governo e a cúpula da guerrilha, na qual o “Não” venceu por 50,2% dos votos.

Nesse contexto deve-se situar a inédita iniciativa do Papa de convocar para um encontro tripartite o presidente Santos e o principal expoente político do “Não”, Álvaro Uribe Vélez, ex-presidente colombiano e atual senador do Centro Democrático. Isso aconteceu no dia 16 de dezembro na biblioteca pessoal do Papa, no Palácio Apostólico vaticano.

Originalmente, a audiência estava prevista para acontecer apenas com Santos, mas em uma arriscada jogada diplomática Francisco convocou também Uribe. Reuniu-se em separado com cada um deles e depois com ambos juntos. Nessa oportunidade manifestou ao ex-presidente a sua vontade de visitar a Colômbia, e ele lhe respondeu dizendo que será recebido de braços abertos.

Jorge Mario Bergoglio acompanhou de perto a evolução política do país sul-americano, e entre as suas preocupações está o crescimento do assassinato de líderes sociais. Segundo dados oficiais, nos últimos 14 meses, entre janeiro de 2016 e fevereiro de 2017, foram assassinados aproximadamente 120 líderes sociais. Em 2016, morreram 94 e neste início de ano já foram registradas mais 26 vítimas.

Por trás destes atos, diversos setores advertem a ação dos grupos paramilitares, agentes ilegais que controlam diversas zonas do país. Tanto o governo como a guerrilha manifestaram-se dizendo que estas mortes representam um grave risco para a aplicação dos acordos de paz.

Embora ainda não se conheça os detalhes da visita apostólica, em Roma alguns sonham com uma grande missa de perdão e reconciliação presidida pelo Papa, com a presença de milhares de guerrilheiros desmobilizados. Mas, por enquanto, é apenas um sonho; apenas o tempo dirá se se transformará em realidade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa visitará a Colômbia em setembro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV