Fim do Obamacare pode deixar 18 milhões sem seguro, diz estudo

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Janeiro 2017

Ao menos 18 milhões de pessoas perderão o seguro de saúde até 2018 nos Estados Unidos caso os republicanos levem à frente a promessa de desmontar reforma de saúde implementada pelo presidente Barack Obama sem um plano alternativo, prevê estudo divulgado nesta terça (17).

A reportagem é de Marcelo Ninio, publicada por portal Uol, 17-01-2016.

O desmonte do Obamacare, como é conhecida a Lei de Saúde Acessível de 2010, já passou por uma primeira votação no Congresso dos EUA na semana passada e deve ganhar impulso após a posse presidencial de Donald Trump, na sexta (20). "Repelir e substituir" o Obamacare foi uma das principais promessas de Trump em sua campanha.
Segundo o estudo do Escritório de Orçamento do Congresso (EOC), órgão não partidário, sem uma alternativa ao Obamacare o número de americanos sem seguro médico pode chegar a 32 milhões em dez anos. No mesmo período, estima a análise, o custo para segurados individuais dobraria.

As previsões não são exatamente novas, mas o estudo do EOC reforça as incertezas em torno do esforço de desmontar uma das principais políticas do governo Obama, enquanto os rivais republicanos tentam assegurar que o novo plano será mais econômico para o país sem prejudicar a população.

No último fim de semana houve vários protestos no país contra o fim da reforma implementada por Obama.

Ocorre que entre os republicanos não há consenso sobre o melhor caminho, aumentando a preocupação de que o Obamacare seja repelido sem um substituto. Há poucos dias, Trump disse em entrevista ao jornal "Washington Post" que seu gabinete estava próximo de concluir um plano que dará "seguro a todos", mas sem entrar em detalhes.

A estimativa do EOC leva em conta a expectativa de que dois pilares do Obamacare serão eliminados: a obrigatoriedade de ter um seguro médico para todos os cidadãos e a redução dos subsídios federais que ajudam pessoas de baixa renda a manterem a cobertura.

De acordo com o site de checagem de fatos Politifact, hoje há 28 milhões de americanos sem seguro médico, contra 41,3 milhões em 2013, uma redução ocorrida sobretudo graças à expansão do acesso médico com o Obamacare.

A divisão despertada pelo tema no Congresso também se reflete na opinião pública. A maioria é contra o plano (52%), de acordo com uma pesquisa recente do site Politico.
Mas a mesma pesquisa mostra que 61% acreditam que o Obamacare não deve ser repelido até que haja uma alternativa para ser implementada imediatamente.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fim do Obamacare pode deixar 18 milhões sem seguro, diz estudo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV