É lamentável o triste legado de Barack Obama

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2017

"A era Obama pode ter sido a nossa última chance de romper com o nosso espírito neoliberal. Estamos estagnados em marcas voltadas para o mercado que deixam de lado a integridade e em políticas direcionadas para o lucro que estão acima dos bens públicos. Nosso mundo "pós-integridade" e "pós-verdade" é sufocado por marcas de entretenimento e atividades lucrativas que têm pouco ou nada a ver com a verdade, a integridade ou a sobrevivência do planeta a longo prazo. Estamos testemunhando a versão pós-moderna da gangsterização do mundo em larga escala", a opinião é de Cornel West, filósofo, autor, crítico, ator, ativista americano dos direitos civis e líder dos Socialistas Democráticos da América. É professor de Filosofia Pública Prática na Universidade de Harvard, em artigo publicado por The Guardian, 09-01-2017. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

Eis o artigo.

Oito anos atrás o mundo estava à beira de uma grande festa: a estreia de um brilhante e carismático presidente negro nos Estados Unidos da América. Hoje estamos à beira de um abismo: a posse de um presidente branco mentiroso e repugnante para substituí-lo.

Este é o declínio deprimente do mais alto cargo do império mais poderoso da história do mundo, que poderia facilmente produzir cinismo generalizado e um niilismo tóxico. Será que realmente existe alguma esperança para a verdade e a justiça nesta era decadente? Os EUA ainda conseguem ser honestos sobre si mesmos e reconciliar-se com o seu vício autodestrutivo do culto ao dinheiro e da xenofobia covarde?

Ralph Waldo Emerson e Herman Melville - os dois grandes intelectuais dos EUA do século XIX - lutaram com questões semelhantes e chegaram à mesma conclusão que Heráclito: caráter é destino ("semeia um caráter, colherá um destino").

A era Obama pode ter sido a nossa última chance de romper com o nosso espírito neoliberal. Estamos estagnados em marcas voltadas para o mercado que deixam de lado a integridade e em políticas direcionadas para o lucro que estão acima dos bens públicos. Nosso mundo "pós-integridade" e "pós-verdade" é sufocado por marcas de entretenimento e atividades lucrativas que têm pouco ou nada a ver com a verdade, a integridade ou a sobrevivência do planeta a longo prazo. Estamos testemunhando a versão pós-moderna da gangsterização do mundo em larga escala.

O reinado de Obama não produziu o pesadelo de Donald Trump - mas contribuiu para isso. E os torcedores fanáticos de Obama que se recusaram a responsabilizá-lo também têm sua parcela nisso.

Alguns de nós imploramos e suplicamos a Obama para romper com as prioridades de Wall Street e socorrer a Main Street (rua principal, em inglês). Mas ele seguiu a opinião de seus "inteligentes" conselheiros neoliberais para socorrer a primeira. Em março de 2009, Obama se reuniu com líderes de Wall Street. Ele proclamou: Estou entre você e os tiranos. Estou do seu lado e vou protegê-los, - ele prometeu. E nenhum executivo criminoso de Wall Street foi para a cadeia.

Pedimos pela responsabilização dos norte-americanos que torturaram muçulmanos inocentes e o esclarecimento do drone dos EUA que atinge e mata civis inocentes. A administração de Obama nos disse que nenhum civil havia sido morto. E, em seguida, fomos informados de que alguns tinham sido mortos. E então recebemos a informação de que talvez cerca de 65 tinham sido mortos. No entanto, quando Warren Weinstein, um civil americano, foi assassinado em 2015, houve uma conferência de imprensa imediata, com profundas desculpas e compensação financeira. E até hoje não sabemos quantos perderam suas vidas.

Chegamos às ruas novamente com o Black Lives Matter, entre outros grupos, e fomos presos por protestar contra a morte de um jovem negro pela polícia. Nós protestamos quando as Forças de Defesa Israelenses mataram mais de 2.000 palestinos (incluindo 550 crianças) em 50 dias. No entanto, Obama respondeu com palavras sobre a situação difícil de policiais, investigações de departamento (em que nenhum policial foi preso) e sobre o adicional de $225 milhões de apoio financeiro ao exército israelense. Obama não disse uma palavra sobre as crianças palestinas mortas, mas chamou o jovem negro de Baltimore de "criminoso e violento".

Além disso, a política de educação de Obama desencadeou ainda mais forças de mercado que fecharam centenas de escolas públicas para abrir escolas autônomas. O 1% mais privilegiado teve cerca de dois terços de crescimento em renda em oito anos, mesmo com a pobreza infantil, principalmente pobreza infantil negra, permaneceu gigantesca. As revoltas dos trabalhadores de Wisconsin, Seattle e Chicago (vigorosamente reprimidas pelo prefeito Rahm Emanuel, confidente próximo de Obama) foram silenciadas.

Em 2009, Obama declarou que o Prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, era um "excelente prefeito". No entanto, ele esqueceu-se de que mais de 4 milhões de pessoas foram detidas e revistadas pela vigilância de Bloomberg. Juntamente com Carl Dix e outros, fui preso dois anos mais tarde por protestar contra estas mesmas políticas que Obama ignorou ao elogiar Bloomberg.

No entanto, a grande mídia e a academia não deram destaque a essas verdades dolorosas ligadas a Obama. Em vez disso, os especialistas mais bem pagos na TV e no rádio comemoraram a marca de Obama. E a maioria dos porta-vozes negros descaradamente defenderam os silêncios e crimes de Obama em nome do simbolismo racial e de seu próprio carreirismo.

Quanta hipocrisia vê-los agora falando verdades ao poder branco quando a maioria emudeceu frente ao poder negro. Sua autoridade moral é fraca e sua recém-descoberta militância, rasa.

A matança brutal de cidadãos norte-americanos sem o devido processo após ordens diretas de Obama foi omitida por partidários neoliberais de todas as cores. E Edward Snowden, Chelsea Manning, Jeffrey Sterling e outros que falaram a verdade foram demonizados, e os crimes que eles expuseram, raramente mencionados.

A maior conquista legislativa do presidente foi fornecer assistência à saúde para mais de 25 milhões de cidadãos, mesmo que outros 20 milhões ainda estejam desprotegidos. Mas permaneceu uma política de mercado criada pela conservadora Heritage Foundation, cujo pioneiro foi Mitt Romney, em Massachusetts.

A falta de coragem de Obama para enfrentar os criminosos de Wall Street e seu lapso de caráter ao ordenar os ataques de drones involuntariamente deflagraram revoltas populistas de direita no país e terríveis rebeliões fascistas islâmicas no Oriente Médio. E, como deporter-in-chief - com cerca de 2,5 milhões de imigrantes deportados -, as políticas de Obama prenunciaram os planos bárbaros de Trump.

Bernie Sanders galantemente tentou gerar um populismo de esquerda, mas foi esmagado por Clinton e Obama nas desleais primárias do Partido Democrata. Então, agora nos encontramos no início de uma era neofascista: uma economia neoliberal de esteroides, uma atitude repressiva reacionária a "alienígenas" domésticos, um arsenal militar ansioso por uma guerra e em negação ao aquecimento global. Ao mesmo tempo, estamos assistindo a um eclipse da verdade e da integridade em nome da marca Trump, facilitado pela mídia corporativa sedenta por lucro.

Que legado triste para o nosso candidato da esperança e da mudança - mesmo para nós guerreiros que ainda agitamos os desbotados nomes da verdade e da justiça.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

É lamentável o triste legado de Barack Obama - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV