A esquerda e os evangélicos: o que aprender com a vitória de Crivella

Revista ihu on-line

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Mais Lidos

  • O Credo do papa e as crenças dos seus inimigos. Cardeal pede que papa professe publicamente o Credo

    LER MAIS
  • Mineradoras estrangeiras: A Chacina que o Brasil não viu

    LER MAIS
  • Itália. Padre é insultado por levar refugiados à piscina pública

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

08 Novembro 2016

“O valor do individualismo moral entre os pobres evangélicos, que fundamenta a expectativa de autonomia produtiva e financeira na esfera econômica, mas que se deixa combinar com formas muito intensas de solidariedade, não é mera ideologia neoliberal. É força moral própria, que pode assumir contornos transformadores ou reacionários, a depender da interpretação e da direção política que recebem. A esquerda deveria disputar o sentido político destes valores de autonomia individual – que podemos chamar de “liberalismo popular” –, pois eles possuem muito mais apelo transformador entre os pobres do que ideias abstratas do século XIX como socialismo e comunismo.A classe média projetou em Freixo a representação de seu sentimento de superioridade moral em relação aos pobres”, escreve Roberto Dutra, doutor em sociologia pela Universidade Humboldt de Berlim e professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), em artigo publicado por El País, 07-11-2016.

Segundo ele, “deveria causar espanto o fato de a esquerda rechaçar por completo a “teologia da prosperidade”, ignorando o modo como ela transforma as expectativas sociais e individuais e abrindo mão de politizar ou reinterpretar seu sentido na política. A esquerda entende esta “teologia” como mera expressão “religiosa” da ideologia neoliberal, fechando os olhos para as incontáveis variações e combinações que sofre na prática das igrejas, sendo, em muitos casos, acoplada a visões e práticas de solidariedade e ajuda mútua na busca de emprego e bem-estar, assumindo assim um sentido coletivo”.

Eis o artigo.

A vitória de Marcelo Crivella (PRB) sobre Marcelo Freixo (PSOL) representa muito mais do que a derrota da esquerda para um candidato da direita religiosa na segunda maior capital do país. Representa um realinhamento político e eleitoral com potencial de se nacionalizar.

Mesmo que seja impossível identificar exatamente quando começou o enfraquecimento da adesão das classes populares ao “lulismo”, 2016 – ano em que o PT foi apeado do poder por meio de um golpe parlamentar – marca inequívoco desalinhamento entre as propostas da esquerda e os caminhos que a grande maioria dos pobres votantes decidiu seguir. Entender como o realinhamento do voto popular em torno de Crivella se desenhou no Rio de Janeiro é essencial para avaliar seu potencial de expansão ou replicação pelo país.

Quem esperava que o PSOL e Freixo fossem capazes de superar a dificuldade do PT em se reconectar com as classes populares se decepcionou bastante. Ao invés de se projetar para o futuro e buscar o alinhamento com o povo – inclusive com as classes populares evangélicas –, iniciando o trabalho de base que o PT não fez depois que assumiu a Presidência, o PSOL se projetou para o passado, reassumindo a agenda e a postura “udenistas” de superioridade moral que o PT representava antes de governar o país (vide o discurso de criminalização da indicação política para secretarias e demais cargos de confiança que Freixo vocalizou contra Crivella). Se Brizola tinha razão em dizer que o PT de outrora se parecia com uma “UDN de macacão”, o PSOL se apresentou nestas eleições cariocas como uma “UDN pós-materialista”: além de vocalizar o sentimento de superioridade moral no enfrentamento da corrupção, os socialistas reivindicaram serem moralmente superiores por representarem às minorias, à diversidade e à diferença. Evidência clara deste sentimento foi a naturalidade com que Freixo exigiu, no último debate, que Crivella explicasse e justificasse sua candidatura, como se as pretensões eleitorais e políticas de um político religioso não fossem legítimas pelo simples fato de serem elaboradas em procedimentos democráticos (debate público e eleições).

De um Freixo supostamente empenhado em superar um adversário com sólida base eleitoral religiosa (não apenas evangélica) não se viu, do início ao fim da campanha, um único movimento de, por exemplo, focar sua crítica no suposto fundamentalismo de Crivella e reconhecer a legitimidade da massa de lideranças políticas que se formam em organizações religiosas evangélicas, sobretudo as pentecostais. O único movimento de Freixo foi em direção à classe média que não vota no PSOL, mas é simpática a qualquer tipo de “udenismo” e que projetou nele a representação de seu próprio sentimento de superioridade moral em relação aos pobres, agora rebaixados com os estigmas de “fundamentalistas evangélicos”, “massa de manobra”, “alienados” e todos os rótulos que possam aludir menos racionalidade e virtude moral para participar da política e assumir o poder.

Pregando para convertidos da classe média

A esquerda – representa pelo PSOL e por Freixo – simplesmente se fechou para as classes populares. O que vimos foi pregação para os convertidos da Zona Sul e arredores e nenhuma disposição para adotar um elemento sequer da linguagem, do imaginário e das preocupações concretas das classes populares. Poucos momentos após as urnas consagrarem o realinhamento das classes populares com Crivella e da classe média com Freixo, o candidato do PSOL deu prova cabal desta falta de disposição em se conectar com os pobres: fez discurso de “vencedor moral”, afirmando que o “Rio da diferença, o Rio da diversidade, o Rio da luta contra a homofobia” não vai aceitar o projeto fundamentalista e obscurantista”. Ao invés de estimular o aprendizado, a revisão de discursos, práticas, abordagens e prioridades, a derrota parece ter alimentando o fechamento da esquerda política em torno de seus próprios preconceitos intelectuais, que reproduzem, a contragosto de pretensão do PSOL em representar as classes populares, os próprios preconceitos que a classe média cultiva em relação aos pobres.

Há, porém, alguns esforços de abrir o debate e enfrentar os limites conceituais do campo progressista em entender a atuar junto às classes populares evangélicas. No entanto, até agora estes esforços têm se concentrado em identificar e cultivar divisões no segmento evangélico com o intuito de alavancar correntes progressistas (oriundas de denominações históricas como os batistas, metodistas e presbiterianos), excluindo os políticos pentecostais e neopentecostais como Crivella, que, goste-se disto ou não, representam a grande maioria dos pobres evangélicos, que não são protestantes históricos, mas sim pentecostais e neopentecostais. O máximo que este esforço elitista de separar o “joio do trigo” pode render à esquerda é ampliar um pouco sua base de classe média, agregando evangélicos de igrejas históricas, mas sem nenhuma representatividade na onda pentecostal e neopentecostal que não só conquistou, mas que também foi protagonizada pelas classes populares das periferias urbanas de todo o país nas últimas três décadas. Ou seja, buscar os protestantes históricos e isolar os pentecostais e neopentecostais é mais do mesmo e só serve para reproduzir o fechamento intelectual, político e eleitoral da esquerda no universo da classe média.

Disposição etnográfica com pobres evangélicos

Então, o que fazer? Para se distanciar dos estereótipos que naturalizou para interpretar a forma de ser e agir dos pobres evangélicos, a esquerda precisa se “perder e se achar” no universo pentecostal. Precisa da disposição afetiva e cognitiva de um bom etnógrafo: estranhar o que lhe é familiar e se familiarizar com o que lhe parece estranho. Estranhar, por exemplo, suas próprias pregações sobre igualdade de gênero e se perguntar o que significa “empoderamento feminino” para mulheres pobres, evangélicas ou não. No último debate entre Freixo e Crivella, o candidato do PSOL atribuiu ao bispo licenciado a visão machista contida na bíblia de que a mulher deve ser submissa ao homem”. O objetivo político-eleitoral só poderia ser o de ganhar o voto das mulheres em geral, incluindo as mulheres pobres (22,11% das mulheres são evangélicas, contra 18,25% dos homens, segundo o Censo de 2010 do IBGE). Sem negar em nenhum momento que esta seja a visão predominante na Bíblia, Crivella respondeu fazendo referência a seu próprio relacionamento, um casamento de trinta e cinco anos, dizendo que se “sua mulher não fosse muito bem tratada, o casamento já teria terminado”.

Mesmo sabendo que bons tratos não são o único fator a manter casamentos, esta referência a um exemplo concreto tem muito mais validade e adesão entre as mulheres evangélicas – que representam o universo evangélico como um todo muito melhor do que os homens – do que doutrinas ou “análises de discurso” sobre a opressão feminina no texto bíblico. Vistas pela esquerda como instrumentos de dominação masculina, as Igrejas pentecostais – apesar da Bíblia! – muito provavelmente são percebidas pela grande maioria das evangélicas pobres como um espaço de empoderamento e liberdade de ação. Tendo como referência concreta de comparação suas próprias trajetórias de exclusão social, humilhação moral, violência na rua e doméstica, entre outras mazelas, estas evangélicas vivenciam as igrejas como organizações que promovem seu protagonismo individual na vida social: mesmo quando os cargos de comando mais elevados não lhes são acessíveis, a possibilidade de ter um espaço para observar, tematizar, vigiar e disciplinar a vida familiar (incluindo a violência doméstica!), ao lado do protagonismo em outros papeis de liderança religiosa, representam formas de reconhecimento social, autonomia e empoderamento individual que as classes populares (incluindo as mulheres) não experimentam em nenhuma outra organização ou esfera da sociedade. Em nenhuma organização política, incluindo os coletivos de esquerda, a mulher e o homem comum têm tanto e tão rápido protagonismo quanto em uma igreja evangélica pentecostal. Quando a esquerda não se dá conta que estas trajetórias reais de protagonismo mais importantes do que o discurso bíblico – cujo peso e relevância variam bastante –, ela simplesmente perde a conexão com o público que gostaria de alcançar. Que outra organização social brasileira tem a capacidade e a flexibilidade de aceitação, inclusão e empoderamento do outro como vemos nas pequenas e médias igrejas pentecostais das periferias das cidades brasileiras?

Poderíamos elencar e tratar outros temas nos quais o fechamento intelectual da esquerda a impede de se conectar com as classes populares, evangélicas ou não. No tema do cuidado, por exemplo, Freixo polarizou, do início ao fim da campanha, sua concepção de um Estado impessoal que, ao invés de ofertar cuidado, reconhece direitos, contra o que chama de “visão paternalista”, representada pela pretensão de Crivella de “cuidar das pessoas”. Pesquisas sobre implementação de políticas sociais realizadas nos Estados Unidos, na Europa e no Brasil, mostram que as populações demandantes destas políticas possuem uma vivência concreta do Estado, corporificada no tratamento (bom ou ruim) e nas interações com os “burocratas da ponta” (policiais, assistentes sociais etc.). Para eles, um Estado que não se propõe a cuidar dos pobres não será um Estado impessoal que irá garantir seus direitos, mas sim um Estado marcado pelo desrespeito cotidiano e pela falta de cuidado com as pessoas. A noção abstrata de “ter direitos” é interpretada pelos pobres a partir da vivência cotidiana do Estado, como “bom tratamento” e “cuidado”. Quem vive experiências cotidianas de humilhação moral espera um Estado “acolhedor” por meio de seus agentes e isto não é nenhuma peculiaridade cultural brasileira, muito menos evangélica. No entanto, também aqui, a esquerda ignora o imaginário popular, preferindo impor – sem nenhum êxito – sua concepção particular sobre o Estado.

Com o tema do empreendedorismo é a mesma coisa. O valor do individualismo moral entre os pobres evangélicos, que fundamenta a expectativa de autonomia produtiva e financeira na esfera econômica, mas que se deixa combinar com formas muito intensas de solidariedade, não é mera ideologia neoliberal. É força moral própria, que pode assumir contornos transformadores ou reacionários, a depender da interpretação e da direção política que recebem. A esquerda deveria disputar o sentido político destes valores de autonomia individual – que podemos chamar de “liberalismo popular"; –, pois eles possuem muito mais apelo transformador entre os pobres do que ideias abstratas do século XIX como socialismo e comunismo. Mas isto exige reconhecer o universo de valores, estilos e projetos de vida dos pobres, rompendo com estereótipos sobre os ideais “pequeno-burgueses” (o “liberalismo popular”) de mudança de vida e “prosperidade”. Aliás, deveria causar espanto o fato de a esquerda rechaçar por completo a “teologia da prosperidade”, ignorando o modo como ela transforma as expectativas sociais e individuais e abrindo mão de politizar ou reinterpretar seu sentido na política. A esquerda entende esta “teologia” como mera expressão “religiosa” da ideologia neoliberal, fechando os olhos para as incontáveis variações e combinações que sofre na prática das igrejas, sendo, em muitos casos, acoplada a visões e práticas de solidariedade e ajuda mútua na busca de emprego e bem-estar, assumindo assim um sentido coletivo.

Evidente que os preconceitos intelectuais da esquerda, alimentados por preconceitos de classe que ela explicitamente recrimina e imputa exclusivamente à direita, não bastam para explicar sua desconexão com as classes populares. Vários outros fatores fora da alçada das organizações políticas progressistas são responsáveis por este fenômeno. Mas além de ter papel importante na co-produção de sua desgraça, os preconceitos intelectuais da esquerda em relação aos pobres – sobretudo quando são evangélicos – serão grave empecilho à retomada do terreno perdido. Para se opor com eficácia ao avanço das lideranças pentecostais a nível nacional – que seria um avanço com a sustentação da base social “ex-lulista” – a esquerda (PT, PSOL, PDT, PCdoB) deveria estar mais preocupada com seu próprio fundamentalismo conceitual do que com o fundamentalismo evangélico.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - A esquerda e os evangélicos: o que aprender com a vitória de Crivella