Se o grão de trigo não morrer...

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Março 2018

Entre os que tinham ido à festa para adorar a Deus, havia alguns gregos. Eles se aproximaram de Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e disseram: «Senhor, queremos ver Jesus». Filipe falou com André; e os dois foram falar com Jesus.

Jesus respondeu para eles, dizendo: «Chegou a hora em que o Filho do Homem vai ser glorificado. Eu garanto a vocês: se o grão de trigo não cai na terra e não morre, fica sozinho. Mas se morre, produz muito fruto. Quem tem apego à sua vida, vai perdê-la; quem despreza a sua vida neste mundo, vai conservá-la para a vida eterna. Se alguém quer servir a mim, que me siga. E onde eu estiver, aí também estará o meu servo. Se alguém serve a mim, o Pai o honrará. Agora estou muito perturbado. E o que vou dizer? Pai, livra-me desta hora? Mas foi precisamente para esta hora que eu vim. Pai, manifesta a glória do teu nome!»

Então veio uma voz do céu: «Eu manifestei a glória do meu nome e vou manifestá-la de novo.» A multidão que aí estava ouviu a voz, e dizia que tinha sido um trovão. Outros diziam: «Foi um anjo que falou com ele.» Jesus disse: «Essa voz não falou por causa de mim, mas por causa de vocês. Agora é o julgamento deste mundo. Agora o príncipe deste mundo vai ser expulso e, quando eu for levantado da terra, atrairei todos a mim.» Jesus assim falava para indicar com que morte ia morrer.

Leitura do Evangelho segundo São João 12,20-33 (Correspondente ao Quinto domingo de Quaresma, do ano litúrgico do ciclo B).

O comentário é de Ana Maria Casarotti, Missionária de Cristo Ressuscitado.

Se o grão de trigo não morrer...

Os judeus se dirigem a Jerusalém para adorar na Festa. Jesus dirige-se também ali com seus seguidores e havia alguns gregos. Os gregos podiam ser estrangeiros simpatizantes do judaísmo.

O evangelho sinala que “queriam ver Jesus”. Tinham “vontade de ver Jesus”. Como disse José Antonio Pagola “É um desejo profundo de conhecer o mistério que se encerra naquele Homem de Deus. Também a eles lhes pode fazer bem”. (Disponível em: Só começamos a entender algo da fé quando nos sentimos amados por Deus).

Num primeiro momento se aproximaram de Filipe que fala com André e os dois foram falar com Jesus.

As pessoas que estavam junto a Jesus eram reconhecidas pela sua proximidade e confiança com o Mestre. Por isso, para quem busca conhecer Jesus, são testemunhas e intermediários desse caminhar junto ao Senhor.

Neste pequeno trecho apreciamos a importância da presença dos gregos na Festa e seu desejo de conhecer Jesus. Chama a atenção que alguns gregos procurem Jesus e não intentem ir ao Templo, mas para eles era mais importante conhecer Jesus!

A resposta de Jesus não deve ter sido fácil de entender para Filipe e André. A que hora refere-se? Jesus nas Bodas de Caná tinha dito a sua mãe que estava ali: “Minha hora ainda não chegou” (2,4) e agora disse que “Chegou a hora em que o Filho do Homem vai ser glorificado).

Esta hora é relacionada imediatamente com a morte para produzir fruto abundante. Ele sabe que deve morrer para gerar vida. Por isso disse que o “grão do trigo deve morrer para não ficar sozinho, porque se ele morre produz muito fruto”. É a hora da exaltação de Jesus, de sua morte e ressurreição, duas realidades inseparáveis de um único acontecimento: a Páscoa de Jesus.

Jesus falava para pessoas acostumadas a semear. Possivelmente ficavam preocupadas com as sementes que tinham espalhado para que “morram” na terra e a vida que está nascendo nelas possa se libertar. Assim cresce uma vida nova, “dá fruto abundante”.

Como disse o teólogo Carlo Molari: “Esse processo nunca é apenas individual, mas pressupõe e envolve ambientes vitais. O primeiro problema, por isso, é comunitário: que ambiente vital a comunidade é capaz de criar, de modo a fazer florescer e amadurecer os gérmens de ressurreição?” (Disponível em “A metáfora da semente. Gérmens de ressurreição na Igreja”)

Quando os gregos perguntam por Jesus, ele reconhece que chegou sua hora e convida aos que desejam segui-lo a realizá-lo até o fim. Ser seus discípulos e suas discípulas não é estar ao seu lado como uma ajuda ou companhia. Jesus esclarece: “Se alguém quer servir a mim, que me siga. E onde eu estiver, aí também estará o meu servo”.

Jesus nos apresenta a sua opção de vida, doá-la até o extremo, morrer para oferecer à humanidade o nascimento de um novo caminho de liberdade, de comunhão fraterna com Deus.

Como dizia José Marti: ‘morrer é fechar os olhos para ver melhor’, ver Deus e as realidades bem-aventuradas que desde sempre nos preparou”.

E o teólogo Leonardo Boff disse: “Não considero a morte como o fim da vida. Morrer é um acabar de nascer. A vida vai para além da morte. ("Morrer é penetrar no coração do universo onde todas as teias de relação encontram o seu nó de origem e de sustentação". Entrevista especial com Leonardo Boff)

O/a seguidor/a de Jesus é aquele/a que por amor a ele está disposto/a não transigir com as estruturas que geram morte no ser humano, que ocasionam injustiças, discriminação, desigualdade, racismo acrescentando a ilegalidade e pobreza. Estruturas que só contribuem à morte das pessoas através dos vínculos estabelecidos.

Jesus nos convida a entregar a vida como ele por amor. Deus é Pai de todos os seres humanos e a vida entregue de Jesus é a manifestação mais plena desse amor sem limites. Deus ama a vida em todas suas situações, sem distinção de pessoa nem cultura, nem religião! Por isso foi muitas vezes abandonado pelos seus amigos e amigas, incompreendido, ficou sozinho, mas foi honrado pelo Pai. E assim convida-nos a cada um/a de nós a viver como ele porque “Se alguém serve a mim, o Pai o honrará.

Estamos dispostos a morrer pela causa de nosso Irmão maior, portanto, pela causa de nossos irmãos e irmãs, para assim nossos povos terem vida, e vida em abundância.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Se o grão de trigo não morrer... - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV