Você conhece a pegada de carbono de suas escolhas alimentares?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Dezembro 2018

Pegada de Carbono – Entre 19% e 29% das emissões globais de gases de efeito estufa são provenientes da produção de alimentos.

A reportagem é de Leilah Schubert, com informações da University of Technology Sydney, publicada por EcoDebate, 18-12-2018. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Os compradores subestimam a diferença que suas escolhas alimentares podem fazer para a mudança climática, mas favorecerão itens com menor pegada de carbono se receberem informações claras sobre o rótulo, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade de Tecnologia de Sydney e da Duke University. Entre 19% e 29% das emissões globais de gases de efeito estufa são provenientes da produção de alimentos, sendo a carne bovina e ovina os maiores contribuintes. Portanto, mudar as dietas para uma maior ingestão de frutas e vegetais é uma estratégia promissora para reduzir a mudança climática.

O autor principal, Dr. Adrian Camilleri, queria saber até que ponto os consumidores entendiam as conseqüências do carbono em suas escolhas alimentares, já que pesquisas anteriores mostraram que as pessoas subestimam significativamente as emissões de carbono de aparelhos elétricos.

“Com um aparelho como um aquecedor, você pode sentir a energia usada e ver uma conta de eletricidade no final do mês, então o impacto é bastante saliente, enquanto o impacto da produção de alimentos é praticamente invisível”, diz Camilleri.

O estudo, publicado na revista Nature Climate Change, pediu a mais de 1.000 pessoas para estimar a energia embutida em 19 alimentos e 18 aparelhos, bem como a quantidade de emissões de gases de efeito estufa associados a esses aparelhos e alimentos.

Os pesquisadores descobriram que os participantes subestimaram significativamente o consumo de energia e as emissões de gases do efeito estufa, tanto para aparelhos elétricos quanto para alimentos – mas a comida foi mais severamente subestimada.

“Se você perguntar às pessoas para adivinhar a diferença entre itens como carne e sopa de vegetais no ambiente, eles assumem que não há muita diferença, mas a sopa de carne bovina cria mais de 10 vezes a quantidade de gases do efeito estufa do que sopa de legumes”, diz Camilleri.

“Se alguém quiser reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, pode pensar em desligar o aquecedor, dirigir menos ou voar menos. Muito poucas pessoas pensam em comer menos carne ”.

Os pesquisadores também analisaram se poderiam melhorar a percepção das pessoas sobre o impacto ambiental de suas escolhas alimentares por meio do uso de rótulos, da mesma forma que um sistema de classificação de cinco estrelas para aparelhos elétricos transmite o uso de energia.

Eles apresentaram 120 participantes com uma escolha de sopas para comprar. Quando as sopas tinham um rótulo de pegada de carbono, os participantes compravam menos sopas de carne e mais sopas de vegetais do que quando não havia rótulo fornecido.

A pesquisa sugere que a introdução de rótulos de pegada de carbono em itens alimentares poderia ser uma intervenção simples para aumentar a compreensão do uso de energia e as emissões de gases de efeito estufa da produção de alimentos, e assim reduzir os impactos ambientais.

Os gases de efeito estufa que surgem da produção de carne bovina e de cordeiro incluem aqueles criados na produção de fertilizantes para ração, metano emitido dos animais, transporte de gado e a perda de árvores para limpar a terra para pastagem.

Uma dieta vegana baseada em frutas, legumes e grãos tem o menor impacto sobre o meio ambiente, com carne de porco, frango e peixe criando um impacto moderado, e carne bovina e cordeiro o maior impacto.

“As escolhas que fazemos na mesa de jantar podem ter um impacto significativo sobre os desafios globais, como a mudança climática, e nossa pesquisa mostra que os consumidores estão dispostos a fazer essa escolha”, diz o Dr. Camilleri.

Referência:

Consumers underestimate the emissions associated with food but are aided by labels Adrian R. Camilleri, Richard P. Larrick, Shajuti Hossain & Dalia Patino-Echeverri Nature Climate Change (2018) DOI

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Você conhece a pegada de carbono de suas escolhas alimentares? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV