A ecologia tem 150 anos

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS
  • Chile. A Constituinte, de joelhos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Novembro 2018

"Era preciso o Papa Francisco, com sua encíclica Laudato si’, para nos lembrar que a ecologia oferece um guia para a construção de um mundo inspirado pela justiça e pela paz", escreve Giorgio Nebbia, ambientalista e político italiano, em artigo publicado por il Manifesto, 15-11-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo. 

"Ecologia" é um termo relativamente recente: para ver seu nascimento basta apenas recuar um pouco mais de um século e meio, na metade do século XIX. Em 1831, Charles Darwin, com seus vinte e poucos anos, havia sido embarcado como naturalista a bordo do navio "Beagle" que nos sucessivos cinco anos teria dado a volta ao mundo, enviado pelo ministério de marinha do Reino Unido, para encontrar recursos naturais vegetais, animais e minerais, e lugares importantes para o futuro comércio do país.

Durante essa longa jornada, Darwin teve oportunidade de observar, especialmente nas ilhas do Pacífico, como os caracteres de espécies vegetais e animais, muitos até então desconhecidos, eram influenciados pelo ambiente, pelo clima e pelos recursos físicos e biológicos.

Em seu posterior recolhimento no campo inglês, Darwin amadureceu a ideia de que todas as manifestações da vida obedecem a leis similares: as coisas vivas foram se diferenciando através de uma lenta evolução, adaptando-se a diferentes condições ambientais.

Até mesmo o rei do mundo, o orgulhoso homem, produto especial da criação, caminha, se movimenta e tem analogias anatômicas não só com alguns primatas, mas com outros mamíferos.

Os livros de Darwin, a partir de 1859, suscitaram escândalo e polêmicas, mas abriram novos horizontes para a ciência. Um de seus mais atentos e eficazes divulgadores foi o naturalista alemão Ernst Haeckel, que proferiu palestras e escreveu artigos e livros sobre o novo curso da biologia.

Em um livro publicado em 1866, Haeckel, para enfatizar a importância do meio ambiente sobre as características dos seres vivos, argumentou que para o estudo do meio ambiente deveria ser dedicada uma disciplina especial, a ecologia.

O nome derivava da palavra mais antiga "economia": a raiz comum, oikos, indica a casa, a aldeia, a comunidade.

Se economia indicava o conjunto de regras que governam as trocas de bens materiais e o funcionamento de uma comunidade humana, ecologia teria que descrever as relações e as trocas de matéria e de energia entre os vegetais e os animais - incluindo o homem - e o ambiente circundante.

Haeckel escreveu que a ecologia era o estudo da "economia da natureza".

Na segunda metade do século XIX, o progresso técnico e econômico caracterizava o caminho dos países industrializados; a ciência e a técnica pareciam oferecer à população mundial alimentos, têxteis, transporte, mercadorias, felicidade em quantidades ilimitadas. Logo, no entanto, na segunda metade do século XIX, como testemunham Marx e Engels, viu-se que o crescimento econômico capitalista alterava o ambiente com resíduos que acabavam no ar, na água e no solo.

Seguiram-se gerações de cientistas que se dedicaram ao estudo da ecologia até que, em meados do século XX, a ecologia foi redescoberta como bandeira de um amplo movimento popular que exigia em alto e bom tom a proibição do uso de pesticidas tóxicos, do amianto, a modificação dos ciclos de produção, a cessação de atividades nucleares militares e civis, todas atividades que alteram o ambiente natural e danificam os seres vivos.

Algum progresso foi feito, mas ainda há muito a fazer, ainda mais que do nome "ecologia" hoje é feito uso e abuso, obscurecendo seu significado original de ciência das relações entre o homem e a natureza.

Era preciso o Papa Francisco, com sua encíclica Laudato si’, para nos lembrar que a ecologia oferece um guia para a construção de um mundo inspirado pela justiça e pela paz.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ecologia tem 150 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV