Conferência dos Bispos da Polônia faz apelo para acalmar 'ódio e preconceito'

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Dezembro 2017

'É preciso condenar todas as manifestações de desrespeito aos mais altos gabinetes da nossa República e às pessoas que trabalham neles'.

O presidente da Conferência dos Bispos da Polônia fez um apelo para que se acalmem o "ódio e o preconceito" na vida nacional, avisando que podem prejudicar a imagem internacional do país.

"Temos assistido, entre os polacos, a um aumento preocupante de tensão social e desrespeito às pessoas com diferentes pontos de vista - acompanhados por uma brutalização da linguagem, ameaças e agressividade", disse o arcebispo Stanislaw Gadecki, de Poznan. "Ciente das possíveis provocações a fim de distorcer a verdadeira imagem da nossa sociedade e das oposições ferozes, precisamos condenar explicitamente todos os atos de violência contra os adversários políticos, representantes de outras crenças, religiões e nações estrangeiras".

A reportagem é de Jonathan Luxmoore, publicada por The Tablet, 16-12-2017. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

O arcebispo emitiu o apelo enquanto autoridades da Igreja e do Estado comemoraram a imposição da lei marcial de 1981, que temporariamente esmagou dissidentes do movimento de solidariedade na Polônia. Ele disse que "as discussões, debates e trocas de opinião" eram naturais num Estado democrático e contribuíram para a "riqueza e o potencial intelectual" da Polônia. No entanto, advertiu que "o respeito pelas leis e pelos costumes" era necessário para a "estabilidade em amizade e harmonia", e criticou os amargos ataques ao governo de centro-direita do país, liderado pelo primeiro-ministro Mateusz Morawiecki, desde a semana passada.

“É preciso condenar todas as manifestações de desrespeito aos mais altos gabinetes da nossa República e às pessoas que trabalham neles”, acrescentou Stanislaw Gadecki. "As opiniões divergentes não podem obscurecer seu mandato democrático social ou justificar o uso de meios de discussão não parlamentares. Nossa união e independência sofrem quando irmão vai contra irmão, polaco contra polaco”.

O apelo segue a condenação pela União Europeia das reformas projetadas pelo partido de situação da Polônia, chamado Lei e Justiça, bem como pelos órgãos religiosos internacionais, tais como a Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia (COMECE), sediada em Bruxelas.

A Conferência dos Bispos da Polônia fez uma postagem iluminada em inglês no Twitter, na semana passada, numa tentativa de se opor às críticas que a Igreja tem recebido, enquanto a agência católica polonesa de informações (KAI) listou pedidos anteriores por unidade e harmonia feitos pelo arcebispo Gadecki e outros líderes católicos.

No entanto, na sexta-feira, a agência também divulgou um discurso do arcebispo Marek Jedraszewski, de Cracóvia, denunciando os políticos de esquerda, após o cancelamento de uma conferência pró-vida devido a manifestações. "As pessoas da esquerda não sabem respeitar a vida humana - suas ideologias, às vezes estridentes e vinculadas à violência física e midiática, estão ganhando", disse o arcebispo de Cracóvia aos católicos. "Estamos testemunhando o que Bento XVI muitas vezes denunciou - a ditadura de uma minoria".

Em seu pedido, ele disse que a paz social só será possível se os polacos começaram a deixar de lado o "ódio e o preconceito" e considerarem o Natal "um tempo para acalmar as emoções e tomar decisões racionais sobre a realização do debate público nos próximos meses - para o benefício de gerações futuras e do bem de nossa pátria".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conferência dos Bispos da Polônia faz apelo para acalmar 'ódio e preconceito' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV