Papa diz que 'irracionalidade' global levou a mudança na aceitação da dissuasão nuclear

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma nova Casa Comum possível

    LER MAIS
  • A fé do Brasil dividido

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Dezembro 2017

O Papa Francisco inferiu que o sistema político global tornou-se irracional, descrevendo a sua decisão no mês passado de afastar o ensino papal da aceitação da dissuasão nuclear, em partes devido à instabilidade do mundo.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada por National Catholic Reporter, 02-12-2017. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

Em uma conferência de imprensa de uma hora no voo papal de Bangladesh a Roma, no dia 2 de dezembro, o pontífice disse que está “convencido” de que o mundo está "no limite de possuir e usar armas nucleares de forma lícita".

Perguntado sobre o que havia mudado na situação mundial que o levou a não mais aceitar a dissuasão nuclear e se as recentes demonstrações de poder militar do presidente dos EUA, Donald Trump, e o da Coreia do Norte, Kim Jong Un, tinham contribuído para isso, o Papa respondeu: "O que mudou foi a irracionalidade".

Comparando a sua declaração de 10 de novembro de que a "posse” de armas nucleares deve ser "firmemente condenada" à determinação do Papa João Paulo II, em 1982, de que a dissuasão era "moralmente aceitável", Francisco disse: "Muitos anos se passaram desde a época de João Paulo II".

"Hoje, estamos no limite", continuou o Pontífice. "Por quê? Porque com os arsenais nucleares tão sofisticados de hoje, a humanidade, ou pelo menos grande parte dela, corre o risco de ser destruída".

Depois, Francisco disse aos jornalistas que queria fazer uma pergunta, "não como parte do magistério papal, mas uma pergunta de um Papa".

"Hoje, é lícito manter arsenais nucleares como estão mantendo?", perguntou. "Ou, hoje, para salvar a criação, para salvar a humanidade, não é necessário voltar atrás?"

Francisco falou da dissuasão em uma conferência de imprensa na qual também detalhou o raciocínio pelo qual não se referiu diretamente à perseguição dos muçulmanos rohingya durante grande parte de sua visita a Mianmar e Bangladesh, que ocorreu de 27 de novembro a 2 de dezembro.

A pergunta sobre armas nucleares foi a quarta da conferência, mas a única sobre outras questões que não a visita aos países.

Depois de ouvir a pergunta, o Papa disse que ia responder, mas que preferia responder perguntas sobre sua viagem.

"Eu gostaria... mais sobre a viagem, porque [senão] pode parecer que não foi muito interessante, não?", disse.

O Papa condenou a posse de armas nucleares em um discurso para uma conferência organizada pelo Vaticano a seguir de um Novo Tratado da ONU, assinado por 122 países, que pede a completa eliminação dos arsenais nucleares.

Enquanto outros pontífices pediram a abolição nuclear, eles também concederam aceitação moral condicional à política de dissuasão, que surgiu após a Segunda Guerra Mundial, quando os EUA e a União Soviética armazenaram armas nucleares para desencorajar o país adversário de lançar um ataque atômico.

Em 1982, João Paulo II enviou uma carta para a Segunda Sessão Especial Das Nações Unidas para o Desarmamento dizendo que, devido à necessidade de equilíbrio defensivo, a dissuasão era aceitável "como um passo no caminho a um desarmamento progressivo".

Os bispos dos EUA adotou o cálculo de João Paulo II no marco de sua carta pastoral de 1983, "O desafio da paz: a promessa de Deus e nossa resposta", oferecendo uma "aceitação moral estritamente condicionada" da dissuasão.

Trump e Kim Jong Un trocaram inúmeras ameaças nos últimos meses, à medida que a Coreia do Norte procurou desenvolver seu programa nuclear. O Presidente dos EUA tentou diminuir Kim Jong Un, referindo-se a ele como "rocket man" (homem foguete), e ameaçou a Coreia do Norte com uma "fúria como o mundo nunca viu" caso o seu programa nuclear continuasse.

A Coreia do Norte disse esta semana que havia testado um novo míssil balístico com uma faixa operativa que inclui grande parte dos Estados Unidos.

 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa diz que 'irracionalidade' global levou a mudança na aceitação da dissuasão nuclear - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV