O martírio de Dom Romero, antes e depois da sua morte

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Agosto 2017

No dia 15 de agosto, data em que, em inúmeros países e igrejas do mundo, particularmente na América Latina, recorda-se o centenário do nascimento do bem-aventurado Dom Óscar Romero [na imagem acima, da Abadia de Westminster, Romero está representado no centro, entre Martin Luther King Jr e Dietrich Bonhoeffer] talvez o melhor comentário e o mais apropriado sejam as palavras do Papa Francisco proferidas há cerca de um ano.

A reportagem é de Luis Badilla, publicada por Il Sismografo, 15-08-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No dia 30 de outubro de 2016, o Papa Francisco disse aos peregrinos salvadorenhos que foram ao Vaticano para agradecer pela beatificação de Dom Óscar Romero, que ocorreu no dia 23 de maio, 35 anos após o seu martírio:

“O mártir, de fato, não é alguém que ficou relegado ao passado, uma bela imagem que adorna as nossas igrejas e que recordamos com uma certa nostalgia Não, o mártir é um irmão, uma irmã, que continua nos acompanhando no mistério da comunhão dos santos e que, unido a Cristo, não ignora a nossa peregrinação terrena, os nossos sofrimentos, as nossas penas.”

“Na história recente deste amado país, o testemunho de Dom Romero se somou ao de outros irmãos e irmãs, como o Pe. Rutilio Grande, que, não temendo perder a própria vida, ganharam-na e constituíram-se em intercessores do seu povo perante o Deus vivo, que vive nos séculos dos séculos e tem nas suas mãos as chaves da morte e dos infernos (cfr. Ap 1, 18). Todos esses irmãos são um tesouro e uma esperança fundada para a Igreja e para a sociedade salvadorenha. O impacto do seu dom de si ainda pode ser percebido nos nossos dias. Mediante a graça do Espírito Santo, eles foram configurados com Cristo, como tantas testemunhas da fé de todos os tempos.”

Depois dessa importante e profunda reflexão, o Papa Francisco quis acrescentar outra, igualmente importante. Então, o Santo Padre acrescentou:

“Gostaria de acrescentar algo que, talvez, passamos por cima. O martírio de Dom Romero não ocorreu apenas no momento da sua morte. Foi um martírio-testemunho, sofrimento anterior, perseguição anterior, até a sua morte. Mas também foi posterior, porque, uma vez morto – eu era sacerdote jovem e fui testemunha disso –, ele foi difamado, caluniado, sujado, ou seja, o seu martírio continuou inclusive por parte dos seus irmãos no sacerdócio e no episcopado. Não falo por ter ouvido dizer. Eu escutei essas coisas. Ou seja, é lindo vê-lo também assim, um homem que continua sendo mártir – bem, agora eu acredito que quase ninguém se atreva [a fazer isso] –, mas que, depois de ter dado a sua vida, continuou dando-a, deixando-se açoitar por todas essas incompreensões e calúnias. Isso dá força, só Deus sabe, só Deus sabe as histórias das pessoas, e quantas vezes pessoas que já deram sua vida ou morreram continuam sendo apedrejadas com a pedra mais dura que existe no mundo: a língua.”

Essas duas verdades pronunciados pelo papa no dia 30 de outubro de 2016 marcariam profundamente, para sempre, a alma católica dos povos latino-americanos. São verdades que, hoje, ressoaram nos palácios onde Dom Romero nem sempre foi bem recebido e onde nem sempre encontrou a consolação e o apoio que merecia, porque, desde sempre, foi vítima do “terrorismo das fofocas”, da “pedra mais dura, a língua”.

Como se sabe, é história verdadeira e muito bem conhecida, por ser recorrente na história: a Igreja muitas vezes tratou mal os seus melhores filhos. O tempo, graças a Deus, em muitas circunstâncias, fez justiça, e isso, no caso de Dom Romero, com imenso esforço, aconteceu algumas décadas depois, especialmente porque, ao sólio de Pedro, chegou um bispo latino-americano.

Agora, o mártir arcebispo de San Salvador completou o seu ciclo celeste. As palavras do Papa Francisco são o selo final da sua glória, e, com o seu cumprimento, milhares de outros católicos, anônimos, e que nunca serão levados às honras dos altares se unem ao seu bispo mártir, que agora pode descansar na plena paz do Senhor.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O martírio de Dom Romero, antes e depois da sua morte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV