Transição dos carros de combustão interna para os veículos elétricos: uma mudança de época

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Julho 2017

"O carro elétrico, compartilhado e autônomo poderia ser um meio para se superar o “Paradoxo de Jevons”. Ou seja, ao invés da eficiência energética do carro elétrico provocar o aumento da demanda por este tipo de automóvel, teríamos a junção da eficiência, da menor poluição com o decrescimento da produção e do consumo" escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 26-07-2017.

Eis o artigo.

“Nossas invenções são apenas brinquedos bonitinhos, que distraem nossa atenção das coisas sérias” 200º aniversário de nascimento de Henry Thoreau (12/07/1817)

A indústria automobilística não está passando simplesmente por uma época de mudanças, mas sim por uma mudança de época. A mudança da época do motor à combustão interna, com base nos combustíveis fósseis para a época dos carros elétricos, com base na energia renovável. A época dos carros elétricos pode ser magnífica se for acompanhada dos carros autônomos e do compartilhamento.

A época dos combustíveis fósseis está com os dias contados em função da necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa e contribuir para a mitigação do aquecimento global. A substituição dos carros de combustão interna para os carros elétricos contribui para a efetivação das metas do Acordo de Paris. Além do mais os carros elétricos são mais eficientes que os veículos convencionais. A eficiência energética de um carro elétrico ultrapassa 80%, quando comparada com 15% a 20% de um carro à combustão interna.

Até 2010, os carros elétricos ainda eram contados em centenas. O gráfico acima mostra que o crescimento foi bastante acelerado. Em 2016 houve um aumento de 750 mil veículos e o número de carros elétricos no mundo em circulação ultrapassou o limiar de 2 milhões de unidades. A liderança pertence à China. A aceitação do veículo elétrico tem sido facilitada pelas políticas de apoio implementadas pelos governos e cidades e os benefícios ocorrem nos campos da descarbonização dos transportes, redução da poluição atmosférica e eficiência e segurança energética. Os veículos elétricos podem ser:

Veículo elétrico a bateria (BEV ou VEB): é tracionado por um motor elétrico e utiliza bateria como fonte de energia;

Veículo elétrico híbrido (HEV ou VEH): utiliza pelo menos um motor elétrico e um motor a combustão interna. A bateria é recarregada exclusivamente pelo motor a combustão e pela frenagem regenerativa;

Veículo elétrico plug-in (PHEV ou VEHP): é um híbrido em que a bateria também pode ser recarregada em uma fonte externa de energia (tomada elétrica).

O gráfico abaixo mostra vários cenários de crescimento do mercado de carros elétricos até 2030. Em qualquer alternativa o avanço deve ser expressivo, podendo o estoque chegar a 60 milhões no mínimo ou 200 milhões. De acordo com a Bloomberg New Energy Finance (BNEF), pelo menos um terço de todos os veículos vendidos no mundo em 2040 serão elétricos.

Para Elon Musk (da Tesla e SolarCity) a chave da nova época está na integração do carro elétrico, do telhado solar e as baterias de lítio. Cada domicílio poderá ser produtor de energia para o funcionamento dos aparelhos eletrodomésticos e para o combustível do automóvel. O consumidor também será produtor e surgirá um novo agente econômico integrando as duas pontas do sistema econômico: o prossumidor.

A Noruega é o país mais avançado na transição do consumo de carros elétricos, pois, segundo a Bloomberg, mais de um terço de todos os carros novos são totalmente elétricos ou híbridos plug-in, mais de 10 vezes a proporção nos EUA. Com cerca de 100.000 carros elétricos na estrada, a Noruega (5 milhões de habitantes) está atrás, em números absolutos, apenas dos EUA, China e Japão. Em 2025, o governo planeja eliminar a venda de carros a gasolina ou a diesel, só elétricos.

A fabricante sueca Volvo anunciou, em julho de 2017, que vai encerrar a produção de carros a motor de combustão a partir de 2019. Todos os carros lançados a partir de 2019 terão um motor elétrico, marcando um “fim histórico” para o motor de combustão interna. Isso faz da Volvo o primeiro fabricante de automóveis tradicional a abraçar completamente a eletrificação. A empresa disse que é um compromisso claro para reduzir a pegada de carbono, além de contribuir para melhorar a qualidade do ar nas cidades. A Volvo disse que lançará cinco carros totalmente elétricos entre 2019 e 2021. O resto de sua frota será constituída por carros híbridos plug-in e carros híbridos suaves.

Na mesma semana em que a Volvo anunciou sua decisão e antes da reunião do G20 em Hamburgo, o governo da França disse que vai encerrar as vendas de veículos a gasolina e diesel até 2040. A proposta faz parte de um plano ambicioso para atingir os objetivos no âmbito do acordo climático de Paris, anunciou o novo ministro da Ecologia, Nicolas Hulot.

No mercado chinês, as vendas atingiram 43 mil EVs em junho de 2017. Com o mercado crescendo 16% em relação ao ano anterior, a China garante a dianteira na produção de carros elétricos. Na verdade, a China se prepara para liderar a transição no padrão de produção da indústria automobilística e deve conquistar uma parcela crescente do mercado internacional. A China pretende liderar o futuro mercado dos carros elétricos.

Mas além da mudança tecnológica, outra possibilidade que surge e está sendo explorada em vários experimentos é a do carro autônomo (sem motorista). Várias empresas, como Google, Uber, etc., estão investindo em tecnologias que prometem viabilizar uma direção mais segura e confiável em veículos autônomos com sistemas de controle computacional que possam dispensar o motorista. Como disse Elon Musk: “Dentro de 20 anos, não é que não haverá pessoas ao volante. É que simplesmente não haverá volante. Poderá ter alguém com um carro tradicional, mas será como usar hoje um cavalo como meio de transporte. Possível, mas pouco comum”.

Mas o grande avanço no sentido de revolucionar a mobilidade urbana viria do compartilhamento coletivo que permitiria a redução do número de carros particulares. Ao invés de cada indivíduo ter o seu carro, haveria um estoque menor de automóveis que seriam compartilhados por diversas pessoas, reduzindo o tempo que os mesmos ficam ociosos e ocupando espaço e gerando custos.

Como escrevi em artigo do ano passado (Alves, 24/11/2016): “Na tecnópolis do futuro, um simples aplicativo de celular permitirá conectar a saída de casa, do trabalho ou de uma festa, interligando com o local de destino. O carro viria de forma autônoma. A população se locomoveria com um menor número de carros em circulação. O automóvel se tornaria apenas um meio (como se fosse um taxi) e não um fim. Neste mundo de sonho, haveria muitos ganhos com o uso dos carros compartilhados autônomos. Os engarrafamentos seriam reduzidos ou eliminados, assim como a perda de tempo provocada pela imobilidade urbana”.

O carro elétrico, compartilhado e autônomo poderia ser um meio para se superar o “Paradoxo de Jevons”. Ou seja, ao invés da eficiência energética do carro elétrico provocar o aumento da demanda por este tipo de automóvel, teríamos a junção da eficiência, da menor poluição com o decrescimento da produção e do consumo.

Seria, de fato, uma mudança de época se o carro elétrico, autônomo e compartilhado vier para reforçar a transição da matriz energética, a drástica redução das emissões dos gases de efeito estufa e a redução da frota particular de automóveis.

Referências:

ALVES, JED. A utopia do carro elétrico, Colabora, RJ, 24/11/2016 

ALVES, JED. A produção de carros elétricos dispara e a China assume a liderança, Ecodebate, RJ, 16/09/2016 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Transição dos carros de combustão interna para os veículos elétricos: uma mudança de época - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV