Argentina. Feminicídios aumentaram no país em 2016

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Oposição assiste atônita ao derretimento de Jair Bolsonaro

    LER MAIS
  • A propósito da Consagração a Nossa Senhora

    LER MAIS
  • A lição da economista do Papa entre desenvolvimento, responsabilidade e ecologia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 03 Junho 2017

A ocorrência de feminicídios cresceu na Argentina em 2016. O Registro Nacional de Feminicídios da Justiça Argentina mostra que houve 254 assassinatos de uma mulher por ela ser mulher no ano, um aumento de 8% em relação a 2015.

O número significa que ocorreu um feminicídio a cada 35 horas na Argentina em 2016. Apenas 9% dos casos têm um responsável condenado. Os dados da pesquisa mostram que 61% dos assassinatos foram perpetrados por parceiros ou ex-parceiros da vítima.

Esta é a terceira edição do registro nacional de feminicídios, que é elaborado pelo Escritório de Violência Doméstica da Suprema Corte de Justiça do país. O índice mostra um aumento constante nos crimes: de 225 feminícidios em 2014 para 235 em 2015, até 254 em 2016. Os resultados foram apresentados pela vice-presidenta da Suprema Corte, Elena Highton de Nolasco.

O dia 3-6 marca dois anos do primeiro ato público do movimento Ni una menos, que luta contra a violência de gênero no país. Há manifestações programadas para a capital Buenos Aires e outras cidades neste dia.

“A violência machista deixa marcas. Que o Estado as veja”, é uma das convocatórias para a manifestação. As participantes incentivam o uso de fitas violetas para dar visibilidade ao tema.

Segundo o movimento, “a dois anos da primeira mobilização, o diagnóstico é triste. As mudanças culturais avançam e as mulheres adquirem cada vez mais consciência de seu direito de levar uma vida autônoma, plena e livre de violência, mas o Estado deixa desprotegidas justamente as que se encontram nas situações mais vulneráveis”.

O aniversário do Ni una menos vem acompanhado de uma série de iniciativas que visibilizam a violência de gênero no país. Norma López, vereadora da cidade de Rosario, apresentou um mapa interativo dos feminicídios que ocorrem na Argentina. Já haviam sido feitos mapas por regiões, mas este é o primeiro levantamento nacional (o mapa pode ser acessado aqui).

Na última semana, foi aprovada no Senado argentino uma lei que retira de feminicidas o direito à guarda de seus filhos. O projeto já foi aprovado pela Câmara de Deputados e vai agora para sanção presidencial. Em 2016, 244 crianças e adolescentes ficaram sem mãe por conta dos feminicídios, segundo o registro nacional elaborado pela Suprema Corte.

No dia 31-5, dezenas de mulheres realizaram um protesto em Buenos Aires, em frente à Casa Rosada – a sede da presidência argentina –, ao Congresso e a um prédio de tribunais de Justiça. Elas retiraram suas roupas e se deitaram em frente aos prédios, onde haviam colocado uma faixa em que se lê “feminicídio é genocídio”.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Feminicídios aumentaram no país em 2016 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV