Argentina. Após três feminicídios em uma semana, Ni una menos vai às ruas em Mendoza

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 01 Outubro 2016

Milhares de pessoas foram às ruas de Mendoza, na Argentina, no último dia 28-09-2016, em um protesto convocado pelo movimento Ni una menos após a região registrar três feminicídios em uma semana. A cidade está localizada no oeste da Argentina, próxima da Cordilheira dos Andes. Já são 12 feminicídios na província de Mendoza em 2016.

Entre 5 e 10 mil pessoas, conforme relatos da imprensa argentina, participaram do ato, que terminou em frente ao legislativo da província. Houve incidentes ao término da manifestação, quando alguns dos presentes buscaram ingressar no prédio.

O protesto foi convocado após a morte de Ayelén Arroyo, uma jovem de 19 anos que foi assassinada por seu pai em Ugarteche, ao sul da cidade de Mendoza. Ela tinha uma filha de um ano. Ayelén já havia denunciado seu pai por abuso à polícia, mas ele foi solto. Ele estava impedido por uma ordem judicial de se aproximar da sua filha. Ayelén foi encontrada morta em sua casa.

Antes dela, Janet Zapata, de 29 anos, havia sido morta com dois tiros. O homicídio teria sido encomendado por seu marido, de acordo com a investigação inicial. Julieta González, 21 anos, havia sido a primeira vítima. Os três crimes ocorreram no intervalo de uma semana.

As famílias das três jovens mortas participaram do ato. Noelia Barbeito, senadora provincial, afirmou que “Janet, Julieta e Ayelén foram mortas pela violência machista”, e que “os feminicídios são o último elo de uma cadeia de violências na qual o Estado também é responsável”.

O Ni una menos, que se define como “um grito coletivo contra a violência machista”, é um movimento que protesta contra a violência de gênero e o feminicídio – o assassinato de uma mulher por ser mulher. Um dos gritos entoados nas manifestações do Ni una menos é “vivas nos queremos”.

O movimento surgiu na Argentina em 2015 e vem ganhando força. Em 03-06-2016, um protesto em Buenos Aires reuniu mais de 200 mil pessoas. Nesse ato, foi lido um manifesto em que se afirmou que “feminicídio é uma categoria política, é a palavra que denuncia o modo em que a sociedade torna natural algo que não o é: a violência machista. E a violência machista é um assunto de direitos humanos”.

O Ni una menos já se espalhou para outros países da América Latina. Ocorreu no Peru em 13-08-2016 um ato inspirado pelo movimento que se deu em um contexto de mobilização nacional. O presidente do país, Pedro Pablo Kuczynski, compareceu ao protesto.

Infográfico: Telám

Leia mais...

As veias abertas do feminicídio na América Latina

Ni una menos: Peru diz basta à violência contra as mulheres

O mapa da violência machista

Apesar de avanços, a culpabilização das mulheres nos casos de violência sexual persiste

Cultura machista leva à culpabilização da vítima de violência sexual, diz especialista

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina. Após três feminicídios em uma semana, Ni una menos vai às ruas em Mendoza - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV