Trump, os bancos e as bombas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Janeiro 2017

Os Estados membros da Organização das Nações Unidas (ONU) se reunirão em março para reiniciar as negociações sobre “um instrumento legalmente vinculante que proíba as armas nucleares a fim de avançar para sua total eliminação”. As conversações prosseguirão em junho e julho. A ONU adotou, no dia 27 de outubro de 2016, uma resolução que relança as negociações para um tratado que ponha fim a duas décadas de paralisação dos esforços de desarmamento.

A reportagem é de Baher Kamal, publicada por Envolverde/IPS, 19-01-2017. 

Em uma reunião do Primeiro Comitê da Assembleia Geral da ONU, dedicado ao desarmamento e à segurança internacional, 123 nações votaram a favor da resolução, 38 contra e 16 se abstiveram. A Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares (Ican), com sede em Genebra e presente em 80 países, aplaudiu a iniciativa porque é um grande avanço para “uma mudança fundamental na forma como o mundo enfrenta essa ameaça gigante”.

“Há sete décadas a ONU alerta para os perigos das armas nucleares, e em todo o mundo as pessoas defendem sua abolição”, disse a diretora executiva da Ican, Beatrice Fihn. “Atualmente, a maioria dos Estados decidiu proibi-las”, destacou. A resolução da ONU foi adotada, apesar da pressão dos Estados nucleares. Cerca de 57 países, encabeçados por África do Sul, Áustria, Brasil, Irlanda, México e Nigéria, apoiaram o documento.

A resolução foi aprovada horas depois de o Parlamento Europeu adotar um documento sobre o mesmo assunto, com 415 votos a favor, 124 contra e 74 abstenções, que convida os integrantes da União Europeia a “participarem de forma construtiva” das negociações deste ano, recordou a Ican. As armas nucleares são as únicas de destruição em massa que ainda não estão proibidas de forma universal, apesar das consequências humanitárias e ambientais estarem bem documentadas, segundo a organização.

“Um tratado contra as armas nucleares fortaleceria a norma global contra seu uso e sua posse, preenchendo um dos maiores vazios do direito internacional e exortando a adotar as demoradas medidas em matéria de desarmamento”, destacou Fihn. As armas biológicas e químicas, as minas antipessoais e as bombas de fragmentação estão explicitamente proibidas pelo direito internacional, mas no tocante às armas atômicas só existem proibições parciais.
 
A Ican também recordou que o desarmamento nuclear é um tema prioritário para a ONU desde sua criação, em 1945. “Os esforços para concretizar esse objetivo estão parados nos últimos anos, quando as nações nucleares realizaram grandes investimentos na modernização de seus arsenais”, destacou a organização.

Outras entidades que defendem o desarmamento nuclear também aplaudiram a resolução da ONU. Entre elas se destacam a PAX, uma associação entre o IKV (Conselho Intereclesiástico para a Paz) e a Pax Christi, a Soda Gakai International (SGI), organização budista em favor da paz, da cultura e da educação em torno do respeito à dignidade da vida, e a Associação Internacional de Médicos para a Prevenção de uma Guerra Nuclear (AIMPGN).

Quando, em outubro, as organizações da sociedade civil aplaudiram a nova resolução da ONU, que fixa para este ano o início das negociações nucleares, não esperavam que pouco depois seria eleito nos Estados Unidos o empresário Donald Trump, que no dia 20 assumirá como 45º presidente desse país. E muito menos imaginaram que anunciaria seu interesse em aumentar o poder nuclear de seu país.

“Os Estados Unidos devem fortalecer muito e ampliar suas capacidades nucleares até que o mundo recupere a cordura em matéria de armas nucleares”, escreveu Trump no Twitter @realDonaldTrump, no dia 22 de dezembro de 2016. Se isso se concretizar, será um dos grandes desafios para o movimento a favor da abolição.

A campanha internacional para impedir que bancos e instituições financeiras destinem fundos à produção e modernização de armas nucleares conseguiu alguns avanços. “Os governos decidiram negociar um tratado de proibição de armas nucleares em 2017, e é hora de as seguradoras e os fundos de pensão se disporem a acabar com sua relação com empresas envolvidas na fabricação de armas atômicas”, ressaltou Susi Snyder, da PAX e autora do informe Hall of Fame.

“Cerca de 400 bancos privados, fundos de pensão e seguradoras continuam financiando, com dinheiro de seus clientes, a produção de armas nucleares”, detalhou Snyder. Segundo o estudo, 18 bancos, que controlam mais de US$ 1,82 trilhão, estão prontos para cortar os fundos para as bombas atômicas, com políticas que proíbem de forma rígida todo investimento, de qualquer tipo e em qualquer forma, em companhias que fabriquem armas nucleares.

As 18 instituições, descritas o Hall of Fame da edição 2016 do informe Don’t Bank on The Bomb (Não Invista em Armas Nucleares), publicado pela Ican no dia 7 de dezembro, têm sede na Austrália, Dinamarca, Grã-Bretanha, Holanda, Itália, Noruega e Suécia. O relatório também menciona outras 36 instituições financeiras que expressam especificamente sua preocupação pelas armas nucleares e que, de alguma forma, restringem seus investimentos.

“Mesmo que essas políticas tenham vazios legais, ainda demonstram que há um estigma associado aos investimentos em armas nucleares. A PAX exorta essas instituições a fortalecerem suas políticas e o informe Don’t Bank on the Bomb oferece recomendações personalizadas para cada instituição financeira”, diz o documento. “Financiar e investir são decisões ativas, baseadas em avaliações da companhia e seus planos. As instituições que impõem limites aos investimentos em armas nucleares respondem ao crescente estigma em torno desse armamento, desenhado para matar de forma indiscriminada”, diz o documento.

Todos os países nucleares modernizam seus arsenais e o Don’t Bank on the Bomb oferece detalhes das 27 empresas privadas que fabricam componentes essenciais para a produção de armas, bem como dos 390 bancos, companhias de seguros e fundos de pensão que ainda investem nelas, pontua o informe.

“Na medida em que se aproximam as negociações para proibir as armas nucleares este ano, os países devem proibir o financiamento como incentivo para que o setor financeiro exclua de seu universo de investimento as empresas associadas às armas nucleares e exponha o custo econômico de sua instalação, modernização e seu armazenamento”, destaca o documento.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Trump, os bancos e as bombas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV