Resquícios de testes nucleares resistem décadas na atmosfera

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Janeiro 2014

Até então, cientistas acreditavam que resíduos nucleares seriam imperceptíveis na Terra.

"A maioria das partículas radioativas são removidas nos primeiros anos após a explosão, mas uma fração permanece na estratosfera por algumas décadas, ou mesmo centenas e milhares de anos", diz José Corcho Alvarado, autor do estudo (publicado no periódico Nature Communications) e pesquisador do Instituto de Física Radioativa do Hospital Universitário de Lausanne (Suíça).

A reportagem é de Rebecca Morelle, publicada pela BBC Brasil, 08-01-2014.

Mas ele ressalta que esses níveis não são altos o suficiente para provocar riscos à saúde humana.

Corrida armamentista

No auge da Guerra Fria, quando a corrida armamentista nuclear estava a todo vapor, armas eram desenvolvidas e testadas em diversos lugares do mundo.

Passados mais de 50 anos, o legado radioativo permanece.

Ainda que explosões nucleares inicialmente atirem material ao ar, cientistas acreditavam que as partículas resultantes permaneciam perceptíveis por um curto período de tempo.

Na troposfera (camada inferior da atmosfera, imediatamente acima da Terra), os isótopos são removidos relativamente rápido, "lavados" por chuva ou neve ou puxados pela gravidade.

Mas algumas partículas ficam retidas na estratosfera (camada 10 km a 50 km acima da Terra), acreditam os pesquisadores suíços.

"As concentrações que medimos eram de nível cerca de mil a 1,5 mil superior na estratosfera do que na troposfera", diz Alvarado,

As pesquisas foram realizadas na Suíça, mas os cientistas dizem acreditar que níveis semelhantes devem ser encontrados na mesma latitude em outros pontos da Terra.

Os pesquisadores também descobriram que o material se move pela atmosfera durante eventos naturais, como erupções vulcânicas.

Durante a erupção do vulcão islandês Eyjafjallajökull, em 2010, por exemplo, aumentaram os níveis de plutônio na atmosfera inferior.

Os efeitos de longo prazo disso não estão claros, mas, para Alvarado, "é importante ressaltar que não há perigo para a população".

Ele acrescenta que resíduos nucleares podem ser rastreados para que possamos descobrir mais a respeito de como partículas se movem na atmosfera.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Resquícios de testes nucleares resistem décadas na atmosfera - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV