O cardeal Kasper defende a comunhão compartilhada de católicos e luteranos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Dezembro 2016

“Espero que a próxima declaração abra o caminho para a comunhão eucarística compartilhada em casos especiais”. O cardeal Walter Kasper falou em uma entrevista sobre a recente visita papal à Suécia, e manifestou sua esperança de que o 500º aniversário da Reforma que se celebra este ano dê lugar a um documento papal autorizando a intercomunhão de católicos e protestantes.

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital, 15-12-2016. A tradução é de André Langer.

Falando com L’Avvenire, o presidente emérito do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos afirmou que a viagem do Pontífice a Lund no final de outubro não apenas evidenciou “as conquistas dos 50 anos de diálogo católico-luterano”, mas também um desejo compartilhado de que “se deem mais passos rumo à plena comunhão”.

Estes passos logo podem se dar na forma de uma declaração conjunta sobre a Igreja, a eucaristia e o ministério, que se somariam à declaração assinada por ambas as partes em Lund sobre “os dons espirituais e teológicos recebidos através da Reforma”.

“Certamente, o Papa não foi a Lund para festejar, mas para confessar o pecado (compartilhado) da divisão e para celebrar que a comunhão fundamental (de um só batismo) já existia”, disse Kasper. Ali na Suécia houve, em ambas as partes, não apenas “um reconhecimento dos dons recebidos”, mas que a “celebração” se converteu em um “apelo”, um “forte apoio” e uma “oração” para que logo haja mais avanços na intercomunhão. “Por um lado, Lund confirmou o processo ecumênico e os resultados do diálogo precedente; por outro, deu-lhe um novo vigor”, disse o cardeal.

A visita de Francisco “mostra que (para ele) o ecumenismo é uma prioridade, que o compromisso ecumênico é a vontade do Senhor e do Concílio”. O cardeal elogiou em sua entrevista o empenho do Papa para integrar o diálogo “em uma situação global” e chamar todos os crentes de forma insistente “a um testemunho cristão comum e uma cooperação genuína”.

Mas também teve palavras de elogio para a perspectiva mais “terrenal” do atual Papa, já que “um diálogo ecumênico que está limitado à teologia arrisca-se a se afastar dos problemas reais dos homens e das mulheres”. É também este “empenho sobre o terreno” de Francisco, além da teologia, a partir de onde a intercomunhão pode também dar os seus frutos.

“Espero que a próxima declaração abra o caminho para a comunhão eucarística compartilhada em casos especiais, sobretudo com respeito aos casamentos e famílias mistos, o que em países como a Alemanha e os Estados Unidos representa um problema pastoral urgentíssimo”, afirmou o cardeal.

Participação plena dos católicos e protestantes na mesma missa para a qual já tem um modelo em mente: “Pessoalmente, espero que possamos usar um texto não oficial, preparado por uma comissão da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, sobre este tema”.

Embora a comunhão compartilhada seja uma prioridade tanto na perspectiva ecumênica como pastoral, Kasper é realista em relação ao processo. “Não devemos esperar milagres”, reconheceu a propósito deste 2017, o 500º aniversário da Reforma de Lutero.

“Espero que este ano sirva para consumar o caminho do conhecimento recíproco que anima o diálogo e leva à decisão de caminhar juntos para o futuro. Sabendo que o tempo, modo e lugar nos quais se chega à plena comunhão estão nas mãos de Deus”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O cardeal Kasper defende a comunhão compartilhada de católicos e luteranos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV