Rolezinhos preocupam as grifes de moda

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS
  • Plano de Guedes constitucionaliza drenagem de recursos dos pobres para os ricos

    LER MAIS
  • Por que o fim do DPVAT é mais um golpe no financiamento do SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Janeiro 2014

"Logo cedo vou dar um rolezinho no shopping de [tênis] Puma Disc e meu [jeans] John John rosa". "Preparando [...] minha calça de tactel da Adidas, meu [tênis] Nike Shox e meu piercing no queixo para ir ao rolezinho no shopping". Frases inocentes como estas, escritas por jovens que gostam de usar roupas e acessórios de grifes, tornaram-se comuns em redes sociais na internet. Mas o que começou como simples encontros de moços e moças, moradores de periferia, é fonte de preocupação para administradores de shopping centers, governos e marcas de moda.

A reportagem é de Cibelle Bouças e Andréa Jubé, publicada no jornal Valor, 27-01-2014.

Renato Meirelles, presidente do Data Popular, disse que algumas companhias consultaram seu instituto de pesquisas recentemente para saber como não aparecer nos rolezinhos. As agências de branding Epigram e Ayr Consulting (parceiro do Grupo Troiano de Branding) também receberam clientes preocupados com possíveis impactos negativos sobre suas marcas.

"Há empresas que não querem associar a marca à baderna, à gritaria, mas isso é presença. Mostra que as marcas são uma referência para esse público", diz Meirelles, sem citar o nome das empresas que se consultaram com esse fim.

Entre as marcas usadas por jovens que participaram desses encontros nos últimos dias estão Mizuno, Adidas, Nike, Abercrombie, Bad Cat, John John, Oakley, Aerpostale, Cyclone e Melissa. Procuradas pelo Valor as grifes não se pronunciaram.

Para Meirelles, a associação das marcas aos rolezinhos não traz prejuízos. "É mais fácil atrair mais consumidores da classe C para consumir esses produtos, do que desestimular as classes A e B a usar", afirmou.

O Data Popular fez um estudo com 1,5 mil jovens entre 16 e 24 anos para conhecer o perfil desse público. No país, há 30,7 milhões de jovens que, juntos, têm um poder de compra de R$ 129,2 bilhões - superior ao potencial das classes A, B e D, de R$ 99,9 bilhões.

Do total, 16,6 milhões de jovens vão ao shopping em média 3,3 vezes por mês, sendo que 7,4 milhões fizeram compras recentemente. A maioria estuda ou trabalha. Entre os jovens, 15% pretendem comprar um notebook; 11% avaliam comprar um smartphone e outros 11% querem comprar um tablet. A maioria (55%) dá valor às marcas e prefere adquirir itens originais.

"Esse público é a primeira geração da nova classe média, que nasceu com menos restrição de consumo que os pais. Muitos veem no consumo das marcas uma forma de diminuir as barreiras econômicas", disse Meirelles.

Luís Rasquilha, CEO da Ayr Consulting, observa que os jovens dos rolezinhos em geral usam marcas esportivas. "Não há no momento risco de problemas para as marcas, mas é preciso ficar atento à evolução desses movimentos, se vão se tornar violentos ou não", disse. Ele lembrou que as manifestações de 2013 ganharam força em junho, durante a Copa das Confederações, e os rolezinhos podem ganhar força até a Copa do Mundo, que começa em 12 de junho.

No governo, o assunto também é motivo de atenção. Na reunião agendada com a Associação dos Lojistas de Shopping (Alshop) nesta quarta-feira, o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, pretende ouvir as demandas específicas dos comerciantes sobre os movimentos. Não há uma resposta pronta do governo para o setor.

Por ora, prevalece no Planalto a linha de entendimento externada pelo próprio Carvalho na semana passada. Durante visita a Recife, no dia 16, o ministro disse que "não convém nenhuma atitude repressiva aos rolezinhos". Ele definiu o movimento como "uma manifestação clara da juventude que não tolera mais a limitação de espaços, a segregação só para aqueles que são bons consumidores; não aceita mais a discriminação por raça, por orientação social, seja o que for".

Para Carvalho, a melhor atitude dos shoppings é descobrir como receber os jovens dos rolezinhos, conciliando os interesses deles, dos consumidores e dos lojistas. Não é tarefa fácil. Vários shoppings têm preferido fechar as portas, deixando de faturar.

A ordem, nos bastidores do governo, é monitorar e estudar esses movimentos, evitar uma atitude repressiva e não criminaliza-los. Há receio de que o rolezinho se alastre e abra espaço para ações do crime organizado e dos 'black blocs', a ponto de contaminar a Copa do Mundo. Este grupo, que se manifesta de forma violenta, reapareceu no sábado em diversas capitais, protestando contra a Copa.

Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff falou sobre o tema em uma reunião cuja tema era a Copa. Ela consultou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que monitora o movimento e está em contato com as secretarias de segurança pública estaduais. A orientação dada à polícia é evitar ações repressivas. Após o encontro de Carvalho com o setor de shoppings, previsto para quarta-feira, não há intenção de se reunir com representantes dos jovens, tendo em vista que eles não estão organizados em torno de uma liderança.

Também participarão da reunião comandada por Carvalho os ministros da Secretaria de Promoção da Igualdade Social, Luiza Bairros, e da Cultura, Marta Suplicy, além da secretária nacional de Juventude, Severine Macedo.

O consultor de marcas Marcelo Bicudo, sócio diretor de criação e planejamento da Epigram, observa que o caráter dos rolezinhos está mudando. Já são feitos em outros lugares além de shoppings e grupos alheios aos jovens - como o Movimento dos Trabalhadores Urbanos Sem Teto (MTST), ligado ao PT - se infiltraram em manifestações recentes para protestar por causas específicas. "Como houve uma repercussão grande, diversas pessoas se infiltraram e alguns eventos terminaram de forma violenta. Todo vínculo com um movimento indefinido não é muito positivo para as marcas, embora não haja um efeito importante neste momento", diz Bicudo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rolezinhos preocupam as grifes de moda - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV