O Papa Francisco e o desafio de revisar o Código de Direito Canônico

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Maio 2015

"Sinto que o Papa Francisco pode não ser capaz de reformar efetivamente a Igreja, a menos que ele também revise o Código de Direito Canônico. Nós, na (revista) Concilium, decidimos fazer um número especial sobre “A revisão do Código de Direito Canônico”. Esse número, que ainda devo editar, sairá no final de 2016", afirma Felix Wilfred, professor de Teologia em Madras, Índia, e presidente da revista internacional de Teologia Concilium, em entrevista concedida para a revista IHU On-Line.

A reforma de partes do Direito Canônico, igualmente é defendida por Luiz Carlos Susin, professor de Teologia da PUC-RS, em depoimento prestado à revista IHU On-Line. Segundo ele, "Francisco precisa com urgência prestar atenção a uma reforma de partes do Direito Canônico. O atual, de 1983, conta com 32 anos, já precisa reparos. Pior que isso, avisam especialistas, o código atual não conseguiu levar suficientemente em conta o Concílio Vaticano II e teve como base de reforma o de 1917. Para implementar melhor o Concílio Vaticano II ele acaba sendo um limite".

Perguntada sobre a ordenação de mulheres como sacerdotisas, Christine Schenk, teóloga, co-fundadora e diretora Executiva Emérita do movimento FutureChurch afirma em entrevista concedida à revista IHU On-Line:

"É provavelmente esperar demais que Francisco reabra a discussão sobre ordenação de mulheres como sacerdotes, mas enquanto as decisões substantivas permanecerem nas mãos dos sacerdotes ordenados, as mulheres irão sempre, e em todos os lugares, ser segunda classe e sem voz de decisão na Igreja. A menos, é claro, que haja um movimento para mudar o Código Canônico para que o poder de decisão se embase no Batismo, ao invés de repousar conceitualmente na ordenação. Isso simultaneamente forneceria um caminho para as mulheres, e, de fato, para todos os fiéis leigos, para terem direito à voz decisiva".

E ela continua:

"Em última instância, isso também levaria a um ministério balanceado em relação aos gêneros, uma vez que frequentes pesquisas (tanto nos EUA quanto internacionalmente) têm mostrado que uma maioria de católicos apoia a existência de sacerdotes mulheres e casados. Eu duvido que alguma dessas coisas irá ocorrer no pontificado de Francisco, mas sementes podem ser plantadas para o futuro"

A íntegra das entrevistas com Félix Wilfred e Christine Schenk, como também a íntegra do depoimento de Luiz Carlos Susin, podem ser conferidos na revista IHU On-Line desta semana que tem como título de capa "E sopra um vento de ar puro... Os dois anos de Papa Francisco em debate".

A revista IHU On-Line estará disponível na segunda-feira, a partir das 17h, nesta página, nas versões html, pdf e ‘versão para folhear’.

A edição impressa circulará na terça-feira, no campus da Unisinos, a partir das 8h.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa Francisco e o desafio de revisar o Código de Direito Canônico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV