A desmentida (sem precedentes) do papa ao líder dos conservadores

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Outubro 2017

O tom é paterno, a substância, uma desmentida clara e pública. É uma carta com poucos precedentes, que Francisco enviou ao cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino, ponto de referência dos conservadores dentro e fora da Cúria.

A reportagem é de Gian Guido Vecchi, publicada por Corriere della Sera, 22-10-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Um documento público, assim como era público o texto com o qual o cardeal Sarah interpretara, em sentido restritivo, o motu proprio do papa que havia dado maior autonomia às Conferências Episcopais do mundo na tradução do latim dos textos litúrgicos.

A primeira bofetada

Na sua “humilde contribuição para uma melhor e correta compreensão do motu proprio Magnum principium”, o prefeito do Culto Divino não mudava substancialmente a responsabilidade da Santa Sé – e, portanto, do seu dicastério – no fato de ter a última palavra sobre tudo e, assim, reafirmava uma visão, por assim dizer, centralista.

O desmentido

O papa explica, por sua vez, que as coisas não são assim: “Sobre a responsabilidade das Conferências Episcopais de traduzir ‘fideliter’, é preciso especificar que o julgamento sobre a fidelidade ao latim e as eventuais correções necessárias era tarefa do Dicastério, enquanto, agora, a norma concede às Conferências Episcopais a faculdade de julgar a bondade e a coerência de um e outro termo nas traduções do original, embora em diálogo com a Santa Sé”.

O motu proprio de Francisco sanciona que uma tradução aprovada pelas Conferências Episcopais nacionais não deve mais ser submetida a uma revisão da Santa Sé (“recognitio”), mas sim à sua confirmação (“confirmatio”). E “não se pode dizer” que os dois termos são “estritamente sinônimos ou intercambiáveis”, escreve Francisco a Sarah.

A “confirmatio” da Santa Sé “não pressupõe mais um exame detalhado palavra por palavra, exceto nos casos evidentes que podem ser apresentados aos bispos para uma ulterior reflexão deles”, repete o papa.

Aliás, a “recognitio” indica “apenas a verificação e a salvaguarda da conformidade ao direito e à comunhão da Igreja”, e a tradução de “textos litúrgicos relevantes”, como o Credo ou o Pater Noster, “não deveria levar a um espírito de ‘imposição’ às Conferências Episcopais de uma dada tradução do Dicastério, pois isso lesaria o direito dos bispos”.

A questão central

A questão não diz respeito apenas à liturgia, mas também toca um aspecto central da reforma de Francisco, já definida na sua primeira exortação apostólica, a Evangelii gaudium de 2013: “Não convém que o papa substitua os episcopados locais no discernimento de todas as problemáticas que sobressaem nos seus territórios. Neste sentido, sinto a necessidade de proceder a uma salutar ‘descentralização’”.

Esclarecido o essencial, Francisco conclui a carta com um pedido ao cardeal Sarah de tornar pública a sua carta, assim como fizera com o comentário: “Enfim, Eminência, reitero o meu fraterno agradecimento pelo seu compromisso e, constatando que a notaCommentairefoi publicada em alguns sites e erroneamente atribuída à sua pessoa, peço-lhe cortesmente que proceda a divulgação desta minha resposta nos mesmos sites, além do envio dela a todas as Conferências Episcopais, aos membros e aos consultores desse Dicastério”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A desmentida (sem precedentes) do papa ao líder dos conservadores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV