"Francisco fez questão de cumprimentar cada um dos detentos. Isso restaura a confiança"

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Março 2017

“Não foram apenas as suas palavras, embora tenha sido uma grande emoção para todos quando ele disse: ‘Eu me sinto em casa’, falando de San Vittore. Foram principalmente os gestos que significaram muito: ele apertou a mão de todos, olhando nos olhos, sem se esquecer de ninguém. O fato de que o papa pensa neles tem muita importância.”

A reportagem é de Oriana Liso, publicada por La Repubblica, 27-03-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Luigi Pagano, superintendente regional das prisões: o que a visita do Papa Francisco deixa em San Vittore?

Um senso de comunidade. Para o cardeal Martini, esse era o coração de Milão. Ou um bairro da cidade, como dizia Umberto Gay. A escolha, muito simbólica, de entrar em San Vittore deixa uma sensação de confiança. Mas, acima de tudo, deixa-nos o compromisso de continuar abrindo as instituições e de apontar não só à dignidade dos detentos, mas também à sua reinserção social. E, em Milão, isso pode ser feito.

Muita limpeza antes da visita?

San Vittore dificilmente pode ser camuflada: vê-se logo aquilo que ela é. É claro, organizamos um pouco mais, mas como é óbvio quando você tem convidados anunciados. Em todo o caso, Francisco queria vir e se encontrar com os últimos. Não faria sentido mudar a realidade cotidiana da prisão.

E, sobre o percurso da visita, vocês receberam pedidos especiais?

A indicação foi: façamos com que todos vejam o papa, e que o papa veja a todos. Portanto, exceto situações particulares, qualquer um que queria encontrá-lo pôde fazê-lo: mais de 80% dos detentos, no fim. E o papa cumprimentou a cada pessoa individualmente, até voltando de propósito quando viu um pequeno grupo que o esperava.

O momento mais emocionante?

Para aqueles que comeram à mesa com o papa foi esse: um momento que dificilmente vai se repetir para qualquer um, não? E, depois, vê-lo com as crianças das mães do ICAM [instituto italiano para mães presidiárias], com a fisicalidade dos seus gestos. Um detento me disse e pode parecer absurdo: “Estou feliz por estar na prisão hoje”. Foi uma visita pastoral no sentido mais profundo, o do Evangelho de Mateus: “Estive preso, e fostes me encontrar”.

No seu dia em Milão, o papa se encontrou com muitos fiéis de outras religiões: em San Vittore são muitos.

Com 70% de estrangeiros, isso é inevitável, mas muitos muçulmanos foram os primeiros a querer se encontrar com ele. É um tema para se refletir. E, nas prisões da Lombardia, estamos iniciando um percurso próprio para conhecer e gerir o pluralismo religioso.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Francisco fez questão de cumprimentar cada um dos detentos. Isso restaura a confiança" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV