ChatGPT: resta-nos habitar um cosmos de solidão. Comentário de Rodrigo Petronio

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Abril 2023

"O planeta conectado em rede. E oito bilhões de pessoas fracassadas, ressentidas e sozinhas, conversando com o ChatGPT". 

O comentário é de Rodrigo Petronio, publicado em sua página pessoal do Facebook, 15-04-2023.

Escritor e filósofo, Rodrigo Petronio é professor titular da Faculdade de Comunicação da Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP. Desenvolve pós-doutorado no Centro de Tecnologias da Inteligência e Design Digital – TIDD/PUC-SP sobre a obra de Alfred North Whitehead e as ontologias e cosmologias contemporâneas. É também doutor em Literatura Comparada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ. Possui dois mestrados: em Ciência da Religião, pela PUC-SP, sobre o filósofo contemporâneo Peter Sloterdijk, e em Literatura Comparada, pela UERJ, sobre literatura e filosofia na Renascença. Entre suas publicações poéticas, destacamos História natural (Gargântua, 2000), Assinatura do sol (Gêmeos R, 2005) e Pedra de luz (A Girafa, 2005). Atualmente divide com Rodrigo Maltez Novaes a coordenação editorial das Obras Completas de Vilém Flusser pela Editora É.

Pelo IHUPetronio publicou Mesoceno. A Era dos Meios e o AntropocenoCadernos IHU ideias número 339; Yuval Noah Harari: pensador das eras humanasCadernos IHU ideias número 329; e Desbravar o Futuro. A antropotecnologia e os horizontes da hominização a partir do pensamento de Peter SloterdijkCadernos IHU ideias número 321.

Eis o texto.

A verdade é que a internet se transformou em um lixão radioativo. Por mais que, em nosso horror vacui (horror ao vazio), compreensível e demasiado humano, tentemos encobrir essa verdade com memes e polêmicas vazias, como diz um ditado grego: o tempo traz todas as coisas à luz. Neofascismo, neonazismo, negacionismos, psicopatologias e transtornos de diversos espectros, terraplanismo, destruição da democracia e uma longa lista de disfuncionalidades.

Quem não vê uma sincronia entre esses fenômenos e a ascensão da internet e, mais especificamente, das redes sociais, está se iludindo. Não entro aqui na tentativa complexa de definir o conjunto heterogêneo de implicações e motivações de todo universo digital. E muito menos proponho uma tecnofobia, uma recusa à tecnologia como vilã e origem de todos os males. Mas para quem estuda Comunicação, essa realidade já era previsível.

Quando todos estão em contato o tempo todo, ninguém se comunica. Se ninguém se comunica, a destruição do tecido social é questão de tempo. E quando ninguém se comunica e o tecido intersubjetivo se deteriora, resta-nos habitar um cosmos de solidão, silêncio e morte. Edward Wilson, criador da sociobiologia, criou o termo Eremoceno para algo semelhante: a Era da Solidão. E esse processo de entropia informacional havia sido estudado em meados do século XX pelos ciberneticistas e modelado pelo genial Gregory Bateson.

Como se não bastassem as catástrofes climáticas iminentes do Antropoceno, precisaremos nos haver também com essa solidão cósmica. O planeta conectado em rede. E oito bilhões de pessoas fracassadas, ressentidas e sozinhas, conversando com o ChatGPT. A humanidade como espécie está em risco. Não podemos em nenhum momento ignorar isso. Se não levarmos a tecnologia a sério e, mais do que isso, se não nos esforçarmos para compreender o tecido intersubjetivo de que a tecnologia é feita, continuaremos girando em círculos. Uma espiral infinita que nos suga dia a dia para o fundo do abismo.

Ciclo de Estudos Inteligência Artificial, fronteiras tecnológicas e devires humanos

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ChatGPT: resta-nos habitar um cosmos de solidão. Comentário de Rodrigo Petronio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU