Yuval Noah Harari: pensador das eras humanas. Artigo de Rodrigo Petronio

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Abril 2022

 

Yuval Noah Harari é um dos mais impressionantes fenômenos intelectuais recentes. Traduzido em mais de trinta idiomas, com milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, ele é figura recorrente nos mais importantes debates sobre globalização, algoritmos, vigilância, governabilidade, segurança, disrupção, inclusão social, novas tecnologias, pandemias, saúde global e futuro da humanidade. Lido, citado e admirado por Barack Obama, Bill Clinton, Bill Gates, Natalie Portman, Djamila Ribeiro, Suzana Herculano-Houzel e uma longa lista de autoridades, governantes, líderes, empresários, artistas e celebridades. Em 2012, recebeu o prêmio Polonsky de criatividade e originalidade nas disciplinas de humanidades. Especificamente o livro Sapiens: Uma breve história da humanidade foi aclamado por resenhistas de ciência dos principais veículos de imprensa do mundo”, escreve Rodrigo Petronio para a mais recente edição dos Cadernos IHU Ideias (329ª edição).

 

Na interpretação de Petronio, um dos traços mais marcantes de Harari é a sua abordagem cética dos fatos históricos. “O ceticismo não é uma descrença na realidade. Não é acreditar que a realidade não existe. Tampouco é um sinônimo de pessimismo. O ceticismo é uma antiga tradição da filosofia grega documentada entre os séculos iv e iii a.C., para qual há infinitas variáveis, valores e critérios envolvidos na avaliação dos objetos e dos eventos mais simples”.

 

“Para dificultar essa situação, nossa mente está a cada segundo produzindo juízos. Estamos sistematicamente atribuindo valores a tudo que nos cerca. Como se não bastasse a instabilidade do mundo material, a inconstância da mente ainda lhe sobrepõe mais camadas. A mente humana se move em uma espécie de lama de ações, estímulos, reações, paixões, afetos, intervenções. Uma proliferação sem fim de julgamentos. Isso produz um abismo entre a consciência e os fatos”, escreve.

 

“Sendo assim, como me aproximo da verdade? Como atravesso essa cortina de chumbo e consigo observar objetos, seres, eventos e pessoas? Praticando a suspensão dos juízos (epokhé). Por meio do método suspensivo, defino um objeto. Dispo-o de todos os conceitos. Depuro-o dos preconceitos que tenho acerca dele. Observo-o. E o giro, tentando captar um número maior de pontos de vista, aspectos, perspectivas. Se o real é inacessível, se tudo é absolutamente relativo — de um copo sobre a mesa a uma estrutura hipercomplexa do cosmos —, se o mundo é um emaranhado infinito de julgamentos, cabe ao ceticismo apenas suspender os juízos e descrever o maior número de perspectivas de um objeto, de um ser, de um evento e de um fenômeno, seja ele qual for”, assevera Petronio.

 

Além do ceticismo, Rodrigo Petronio analisa o pensamento de Harari destacando alguns elementos conceituais que permeiam suas obras, especialmente Homo Deus, 21 lições para o século XXI e Sapiens. A visão harariana sobre consciência e inteligência; narrativas; paradoxos; a complexa relação entre biologia e linguagem; tecnologia e humanismo são algumas categorias exploradas pelo autor ao longo do texto.

 

Imagem: Capa dos Cadernos IHU Ideias número 329, de Rodrigo Petronio. 

 

O texto integral pode ser acessado aqui.

 

Sobre o autor

 

Rodrigo Petronio é escritor, filósofo e professor titular da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). Pesquisador associado do Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital (tidd/puc-sp), onde realizou uma pesquisa de pós-doutorado sobre a cosmologia de Alfred North Whitehead, é também doutor em literatura comparada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), no programa sanduíche com a Universidade Stanford. Com a pesquisadora Clarissa De Franco, organizou o livro Crença e evidência: Aproximações e controvérsias entre religião e teoria evolucionária no pensamento contemporâneo (São Leopoldo: Unisinos, 2014). Foi o curador da edição comemorativa de 10 anos da obra Sapiens de Yuval Noah Harari publicada pela Companha das Letras (2021) e na qual este artigo foi originalmente publicado.

 

Entrevistas com Rodrigo Petronio realizadas pelo IHU

 

 

Notícias com Rodrigo Petronio publicadas no IHU

 

 

Publicações de Rodrigo Petronio no IHU

 

 

Eventos com Rodrigo Petronio no IHU

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Yuval Noah Harari: pensador das eras humanas. Artigo de Rodrigo Petronio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU