Rússia ou nada?

Mais Lidos

  • Ideias e paixões para a Igreja na Europa. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • “A maneira de viver dos indígenas é completamente diferente do modo que o agronegócio usa os territórios”. Entrevista com Manuela Carneiro da Cunha

    LER MAIS
  • “Bolsonaro e Trump mostraram que as ruas hoje podem ser da direita”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Novembro 2022

“Os líderes russos devem pensar em sua difícil situação e parar a guerra hoje a fim de manter a situação unida e não permitir que ela fique totalmente fora de controle. A questão é se suas preocupações diárias lhes darão tempo suficiente para pensar sobre isso”, escreve o sinólogo italiano Francesco Sisci, em artigo publicado por Settimana News, 20-11-2022. 

Eis o artigo.

Atualmente, existem três tendências em ação na Rússia, todas as quais podem conduzir a uma fragmentação da Rússia e a uma nova ordem no velho continente euro-asiático.

As três tendências estão em diferentes escalas de tempo.

A tendência de longo prazo é aquela que remonta a séculos, desde o início da Rússia como a conhecemos.

A Rússia tornou-se um poderoso reino no final do século XVI com a ascensão ao trono de Ivan, o Terrível, que expulsou os mongóis da Horda Dourada que governava Moscou.

Pouco antes disso, algumas décadas antes, os irmãos dos mongóis de Moscou, os mongóis sentados na Ásia Central, logo atrás dos Urais, viram uma oportunidade na turbulência e nas dificuldades da Índia. De sua base no que é o atual Uzbequistão, eles se mudaram para o sul e conquistaram tudo o que é hoje o subcontinente indiano. Isso criou um espaço, um vazio para o qual a Horda Dourada se retirou ao se retirar de Moscou.

A mesma coisa aconteceu na época da segunda onda de expansão russa sob Pedro, o Grande, na segunda metade do século XVII. Então os manchus que governavam o leste da Sibéria e a Mongólia desceram para a China e a conquistaram. Isso deixou o leste da Sibéria livre e os russos simplesmente entraram em ação. Os russos foram para o leste em uma série de guerras sucessivas que estabeleceram seu domínio sobre a região, enquanto os manchus estavam mais interessados em controlar a rica China do que lutar por algumas terras congeladas na Sibéria.

No entanto, essas duas tendências foram revertidas nos últimos anos. A ascensão da China, da Índia e até mesmo das ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central, ligadas pelo Mar Cáspio e pelo Cáucaso ao Mar Negro, está afastando o antigo domínio russo sobre a região.

Ou seja, a Ásia é mais rica e poderosa do que tem sido em muitos séculos e, apesar das mudanças políticas de curto e médio prazo, essa ascensão da Ásia parece ser um evento de longo prazo e, portanto, limita objetivamente a presença russa.

Além dessa tendência de longo prazo, temos outra experiência da história russa. No século passado, a turbulência política e um grande revés aconteciam cada vez que a Rússia era derrotada na guerra.

A primeira vez foi em 1905, quando a Rússia perdeu para os japoneses e o czar foi forçado a ceder a um governo constitucional. A segunda vez ocorreu em 1917, quando a Rússia perdeu para os alemães e Lenin liderou a revolução soviética. A terceira vez foi em 1989, quando a Rússia perdeu a guerra no Afeganistão e a URSS se dissolveu. Isso significa que uma derrota militar na Ucrânia pode trazer uma reviravolta política maciça na Rússia agora.

A Rússia já perdeu a guerra contra a Ucrânia porque não conseguiu vencê-la como prometido em 15 dias. Em setembro, desistiu da “operação especial” e iniciou uma mobilização geral. Portanto, já existe uma derrota política, a questão agora é ver se a derrota militar será muito grande para ser gerida politicamente.

A combinação dessas duas tendências já é bastante ameaçadora, independentemente de qualquer objetivo que se decida perseguir na Rússia.

Aqui, alguns de seus vizinhos argumentam que a Rússia no final da Guerra Fria teve todas as oportunidades de dar meia-volta e fazer parte da Europa, mas rapidamente seguiu outro caminho. Agora deve ser punida para tornar impossível um retorno à agressão.

É arriscado tentar salvar a Rússia de alguma forma, poupá-la da humilhação e depois irritá-la novamente em dez ou vinte anos em busca de vingança, como a Alemanha após a Primeira Guerra Mundial.

Ao mesmo tempo, é desastroso pensar que a Rússia deveria ser dividida e que desapareceria como Estado – nada desse tipo aconteceu na história moderna, especialmente para uma velha potência europeia.

A questão é que a própria Rússia tem que enfrentar sua realidade e pensar com clareza, não de acordo com seus desejos, mas partindo da situação real. Quando um soldado é ferido e está prestes a perder uma perna, você quer amputar bem acima do ferimento, em vez de arriscar matar o homem por gangrena.

Além disso, toda a geografia da Eurásia está virando de cabeça para baixo.

O Irã parece prestes a derrubar o regime dos aiatolás, que acendeu uma onda de radicalismo islâmico que definiu o Oriente Médio e a Ásia Central por décadas. O retorno de uma Pérsia “normal” mudará a região. Para recuperar o controle, o aiatolá precisa de um banho de sangue que mudaria a sociedade iraniana e assustaria os vizinhos do Irã com consequências imprevisíveis. Em ambos os casos, há um terremoto político em andamento.

Se for associada a uma redefinição da Rússia, a política eurasiana será totalmente nova. A China pode se sentir realmente sitiada, enquanto a Índia, atualmente amiga dos EUA, com bons laços tradicionais com Moscou e Teerã, pode ser uma grande vencedora do jogo.

A Índia tentará tirar proveito da situação, não será fácil, mas também não será impossível. Isso, por sua vez, poderia deixar a China e também o Paquistão mais nervosos. A Turquia, até agora uma grande vencedora no atual jogo, pode chegar à Ásia Central, por meio de suas antigas conexões com a população turca local.

Poderia ser uma revolução global como as expansões Mughal e Manchu ao mesmo tempo e, portanto, com implicações maiores.

Os líderes russos devem pensar em sua difícil situação e parar a guerra hoje para manter a situação unida e não permitir que ela fique totalmente fora de controle. A questão é se suas preocupações diárias lhes darão tempo suficiente para pensar sobre isso.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rússia ou nada? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU