Mais de 2 milhões de refugiados em duas semanas. O Papa paga o diesel para os caminhões humanitários

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Março 2022

 

O cardeal Konrad Krajewski fala conosco por telefone olhando pela janela de um prédio secreto em Lviv. A cidade é "fantasmagórica, deserta, pelo toque de recolher e pelo medo". O Esmoleiro pontifício está na Ucrânia a pedido do Papa Francisco - com quem mantém uma linha direta e constante – em missão humanitária. E diplomática. O cardeal passou pela "sua" Polônia e depois atravessou a fronteira na direção oposta às mulheres e crianças que fogem dos tanques russos.

 

A reportagem é de Domenico Agasso, publicada por La Stampa, 10-03-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Após 15 dias de guerra, o número de refugiados que fugiram subiu para 2.155.271 (cerca de 5% dos 44 milhões de habitantes), incluindo centenas de milhares de crianças, muitas separadas de seus pais, segundo informações do ACNUR. Mais de 1,294 milhões de refugiados chegaram à Polônia, mais 203.000 à Hungria, mais 153.303 à Eslováquia, 99.300 à Rússia, 82.762 à Moldávia, 85.444 à Romênia e 592 à Bielorrússia. Em outros países europeus um total de 235 mil. Na Itália, o número é comunicado pelo primeiro-ministro Mario Draghi: “23.872. A principal fronteira pela qual passam é a ítalo-eslovena”.

 

Krajewski já cruzou com rios de gente “que vêm de Kiev. Há também aqueles que se deslocam para Lviv, por enquanto poupada dos ataques. Aqui estima-se que estejam meio milhão a mais de habitantes, alojados em escolas, paróquias ou em abrigos provisórios”.

 

Cardeal Krajewski com dom Mokrzycki em Lviv, na Ucrânia. (Foto: Vatican Media))

 

O enviado do Papa relata como os ucranianos “não ignoram o fato de que sou polonês. Muitos me abraçam agradecidos pela calorosa acolhida que a Polônia está dando aos refugiados, acolhidos não em campos, mas nas casas de meus compatriotas”.

 

Os primeiros passos do cardeal foram de natureza religiosa: “Tive uma reunião com Sua Beatitude Sviatoslav Shevchuk, chefe da Igreja greco-católica, e o Metropolita de Lviv Mieczyslaw Mokszycki. Houve também uma conversa telefônica com o Santo Padre. E logo organizamos uma iniciativa ecumênica”.

 

Hoje, de fato, "com os chefes das várias confissões - católicos, judeus, ortodoxos, inclusive os que dependem de Moscou - nos reuniremos para uma oração na catedral". Krajewski diz estar “convencido de que esta guerra poderá ser parada também e principalmente com a nossa fé. E com o testemunho que estão dando bispos, padres, religiosos e freiras, todos os quais permaneceram no país, em seu lugar”. Quando os evacuados veem o Alto Prelado e entendem que ele vem do Vaticano em nome do Papa, “lágrimas muitas vezes escorrem por seus rostos. Eles estão comovidos, porque se o Santo Padre enviou seu cardeal para o meio da guerra, isso significa que ele realmente deseja transmitir seu amor às pessoas em fuga das bombas”.

 

Krajewski revela as palavras proferidas por Bergoglio quando lhe confiou a tarefa: “Vá lá e leve minha proximidade às pessoas que estão fugindo da violência. Aos que sofrem, leve ajuda, consolação e coragem. E a bênção do Papa. Seja o Evangelho puro em meio a uma dor absurda”.

 

Um cardeal no meio do inferno da batalha, mas sem medo: “Antes de partir, confessei-me e fiz o meu testamento. E agora, que a vontade de Deus seja feita."

 

Por razões de segurança, ele não anunciará seus movimentos. Na zona onde “me encontro, chegam grandes ajudas da Comunidade Europeia, à qual os ucranianos são gratos. Tudo é descarregado em armazéns e daqui partem os caminhões para Kiev, Odessa, em direção ao sul do país. E temos informações que as doações chegam ao seu destino, apesar dos bombardeios”. Também graças a uma intervenção prática do Papa: “Aqui há dificuldade em encontrar óleo diesel e por isso, através da Esmolaria apostólica, o Santo Padre pagou muitas viagens dos caminhões”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 2 milhões de refugiados em duas semanas. O Papa paga o diesel para os caminhões humanitários - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV