Igrejas unidas contra a guerra

Mais Lidos

  • A guerra entre os cardeais católicos

    LER MAIS
  • O Papa substitui Ouellet e nomeia um bispo peruano para a Congregação dos Bispos

    LER MAIS
  • Empresários percebem que país já não pode se submeter às forças armadas. Entrevista com Fabio Konder Comparato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Março 2022

 

"Assim, agora, todas as Igrejas Ortodoxas e a Igreja Católica Bizantina estão unidas. Esta é uma novidade para se alegrar! Monges ortodoxos na Rússia e monges russos na Ucrânia me comunicam sua situação desesperadora todos os dias, escrevendo-me: 'Estamos do lado de Golias (sendo russos) sem o querer e sem aprovar essa barbárie que condenamos veementemente...", escreve Enzo Bianchi, monge italiano fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado por La Repubblica, 07-03-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis o artigo.

 

Desde 1990, ano do fim da URSS e do renascimento das nações eslavas, as diferentes igrejas na Ucrânia alimentaram sob as cinzas ódio e ressentimento. Afloraram também disputas, violências, juntamente com antigos desejos de vingança por atitudes colaboracionistas durante a ocupação nazista.

 

Agora tínhamos chegado às vésperas desta guerra com três igrejas ortodoxas e uma quarta, sempre bizantina, unida à Igreja Católica Romana, em tensão, litígio e até cisma entre elas, mas esta ocupação mudou suas posturas. Acima de tudo, houve uma mudança na Igreja Ortodoxa ucraniana que depende de Moscou (a mais numerosa).

 

De uma igreja obediente ao Patriarca de toda a Rússia, Kirill, tornou-se uma igreja cujo chefe, o Metropolita Onufry, protestou contra a guerra, pediu a Kirill que pressionasse Putin por um cessar-fogo e pediu para colocar na agenda a autocefalia (ou seja, autonomia de Moscou) da própria igreja. Ele também pediu ao Patriarca que se expressasse com uma condenação inequívoca da ocupação, enquanto o Metropolita da Lavra de Poajiv, com sua comunidade de monges, e o Metropolita Evlogj de Sovnij suspenderam a memória do Patriarca Kirill na liturgia, o que é equivalente à declaração do cisma!

 

E também 200 presbíteros e uma centena de teólogos da Igreja Ortodoxa russa pediram o fim da guerra e organizaram orações pela paz com a participação de numerosos fiéis.

 

Assim, agora, todas as Igrejas Ortodoxas e a Igreja Católica Bizantina estão unidas. Esta é uma novidade para se alegrar! Monges ortodoxos na Rússia e monges russos na Ucrânia me comunicam sua situação desesperadora todos os dias, escrevendo-me: "Estamos do lado de Golias (sendo russos) sem o querer e sem aprovar essa barbárie que condenamos veementemente... Aqui as vítimas são milhares de ambos os lados, insepultas, abandonadas. Quase todos os jornais, rádios, TVs e sites propagandeiam a nova ideologia nacionalista-patriótica, na qual se misturam nostalgia soviética, imperialismo e fantasmas stalinistas.Apareceram leis que punem 'a falsificação da história', ou seja, qualquer interpretação que não corresponda àquela oficial. Nós, monges, também somos ameaçados de prisão se ousarmos denunciar a guerra, a invasão e as vítimas civis”.

 

Como a Igreja Católica se posiciona diante dessa convergência sem precedentes das igrejas ucranianas? O Papa Francisco, cuja tarefa é reunir as Igrejas em comunhão, certamente trabalha pela paz, mas deve, no entanto, levar em conta as desconfianças ortodoxas em relação ao papado e só pode tornar-se árbitro entre as partes sem avançar juízos políticos, sem pretender soluções, mas ouvindo e pedindo com humildade o diálogo, para alcançar a paz.

 

Ele terá sucesso com as outras igrejas em mudar a posição do patriarca de Moscou Kirill? Permanece o triste fato que a convergência das igrejas para a paz não foi inspirada pelo Evangelho, mas por uma guerra fratricida!

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igrejas unidas contra a guerra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU