Francisco já está no Iraque, a viagem mais significativa (e perigosa) de seu pontificado

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “Será a coragem de viver o presente que nos salvará do contágio do tédio”. Catequese do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Março 2021

Francisco chegou em Bagdá. Na viagem mais significativa (e perigosa) deste pontificado, próximo de completar oito anos como Papa e em meio da maior pandemia do último século, Bergoglio – acompanhado de 75 jornalistas – pegou um voo “livre de Covid” da Alitalia, em Fiumicino, recorrendo quase três mil quilômetros em quatro horas e meia, para aterrissar em um dos países mais atingidos pela violência no mundo.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 05-03-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O Papa chegou a Fiumicino quinze minutos antes de partir. Ao caminho do aeroporto, Bergoglio encontrou-se com 12 iraquianos que emigraram para a Itália nos últimos anos, sendo acolhidos pelo Vaticano, graças à colaboração da Comunidade de Sant’Egidio e a cooperativa Auxiliun para refugiados. O grupo estava acompanhado pelo cardeal polonês Konrad Krajewski.

Como sempre, Francisco entrou no avião levando sua mala preta, a mesma que o acompanha em todas suas viagens. Lentamente, mas com segurança, subiu as escadas e saudou várias pessoas antes de embarcar.

 


Mapa do Iraque, em destaque as localidades que serão visitadas pelo Papa Francisco. Fonte: Universidade do Texas

Ao longo da viagem, Francisco sobrevoou o espaço aéreo da Itália, Grécia, Chipre, Israel e Jordânia, antes de aterrissar no aeroporto de Bagdá. Por fim, a segurança aérea provocou uma pequena mudança no plano de voo, e o itinerário não prevê cruzar o território da Síria, outro dos países que estão no coração do Papa Bergoglio.

Apesar de que todos que acompanham o Papa tenham sido vacinados, as medidas de segurança estão sendo extremas, ao ponto de que não se sabe se Francisco cumprimentará os jornalistas – que terão que estar sentados, mantendo a distância de segurança – e, inclusive, se ocorrerá a tradicional entrevista coletiva a bordo do avião. Se ocorrer, o correspondente Hernán Reyes Alcaide, correspondente do Religión Digital que viaja junto a Francisco, nos contará de imediato.

Bergoglio visita, de 05 a 08 de março, a pátria de Abraão, mas também o berço da perseguição das minorias, as quais Francisco prestará grande atenção, viajando a Erbil para se reunir com as comunidades cristãs e os curdos; Qaragosh e Mosul, na planície de Nínive, a zona zero dos assassinatos e fuga dos cristãos. Em Nayaf, reunir-se-á com o aiatolá Al Sistani, o líder espiritual da corrente xiita do Islã e um dos grandes defensores da paz e do diálogo inter-religioso no país.

 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco já está no Iraque, a viagem mais significativa (e perigosa) de seu pontificado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU