Os textos e as entrelinhas. As entrevistas do Papa Francisco

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Impulso feminino no neofascismo cristão de Bolsonaro: quatro cenas recentes de início do ano eleitoral

    LER MAIS
  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Julho 2017

Pesadelo do vaticanista, que às sete horas da sexta-feira à noite percebe por acaso que estourou uma nova notícia do outro lado do mundo, uma entrevista do Papa Bergoglio que é mais do que um simples texto literário. Claro que, a partir de Leão XIII em diante, nenhum Pontífice deixou de responder a jornalistas. Mas as palavras entregues por Francisco aos microfones e caderninhos de repórteres do mundo todo - e merecidamente reunidas pela Libreria Editrice Vaticana, em dois volumes, o último recém publicado – não têm precedentes.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada na revista Jesus, julho de 2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Quando Bergoglio decidiu não ir para a França, quis mesmo assim falar aos franceses – deixando pasmos periódicos mais conceituados - concedendo uma entrevista ao popular Paris Match. Ele liga continuamente para Eugenio Scalfari sem se preocupar - ou, mais provavelmente, se divertindo - com o abalo que isso causa em vários monsenhores da Cúria. Caso ainda não estivesse claro, quis explicar novamente à Igreja italiana, com uma dupla entrevista para Avvenire e TV2000,o significado do Jubileu da misericórdia quando foi finalizado. Abriu os debates sobre os viri probati no Zeit, o jornal daquela Alemanha onde as suas intervenções não são boicotadas. Comentou o populismo de Trump evocando o nazismo, não frontalmente, com um jornal dos EUA, mas com o espanhol El Pais, de grande penetração nas Américas. Iniciou uma abertura para a China com uma entrevista ao jornal Ásia Times, com sede em Hong Kong e de propriedade israelo-americana. Antes do conclave, disse ao jesuíta Ulf Jonsson que o entrevistava sobre os 500 anos da Reforma de Lutero, que os cardeais também estavam apadrinhando uma "reforma". Está claro que Francisco atua também escolhendo cuidadosamente os textos e as entrelinhas das suas entrevistas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os textos e as entrelinhas. As entrevistas do Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV