“As agromáfias envenenam o mercado, exploram os trabalhadores e destroem o ambiente”

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não se sai sozinho. Se sai arriscando e dando a mão ao outro”. Entrevista com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • "A sinodalidade é um processo dinâmico que nunca termina". Entrevista com Dom Luis Marín de San Martín

    LER MAIS
  • "Derrotar Bolsonaro nas urnas não acabará com bolsonarismo", afirma Marcos Nobre

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Junho 2022

 

Nas semanas em que o conflito na Ucrânia é travado usando o trigo como “arma de guerra” – como o Papa Francisco denunciava há pouco tempo – e nos dias em que o Parlamento italiano se prepara para aprovar novas ajudas militares a Kiev, a Comissão Episcopal para os Problemas Sociais e o Trabalho, a Justiça e a Paz da Conferência Episcopal Italiana (CEI) lança uma mensagem pela proteção da agricultura e contra as agromáfias que envenenam o mercado, exploram os trabalhadores e destroem o ambiente, em nome do lucro. A ligação com a atualidade da guerra é o ponto de partida.

 

A reportagem é de Luca Kocci, publicada em Il Manifesto, 22-06-2022. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

“A agricultura é uma atividade humana que assegura a produção de bens primários”, escrevem os bispos na mensagem – divulgada nessa terça-feira, 21 – para o 72º Dia Nacional de Ação de Graças, do próximo dia 6 de novembro. É por isso que, prosseguem, “apreciamos hoje mais do que nunca essa atividade produtiva em um tempo marcado pela guerra, porque a falta de produção de trigo faz os povos passarem fome e os mantém em xeque. As escolhas absurdas de investir em armas e não na agricultura fazem voltar a ser atual o sonho de Isaías de transformar as espadas em arados, as lanças em foices.”

 

Além da decisão de privilegiar as bombas ao invés do trigo, há outra “indústria” que afeta a agricultura. Trata-se, afirma a mensagem da CEI, da “florescente atividade das agromáfias, que fazem deslizar para a economia subterrânea até setores e sujeitos tradicionalmente sadios, envolvendo-os em redes de relações corruptas. A lavagem de dinheiro ou a poluição dos terrenos onde são derramadas substâncias nocivas, o fenômeno das ‘terras dos fogos’ que evidenciam os danos sofridos pelos agricultores e pelo ambiente, vítimas de incêndios causados por mãos criminosas, são exemplos de degradação”. E depois “comportamentos que ameaçam ao mesmo tempo a qualidade dos alimentos produzidos e os direitos dos trabalhadores envolvidos na produção”.

 

“Estruturas de pecado – é como os bispos as chamam – que se infiltram na cadeia produtiva”, dando origem a várias “formas de contratação ilegal que levam à exploração e às vezes ao tráfico, cujas vítimas são muitas vezes pessoas vulneráveis, como os trabalhadores e as trabalhadoras imigrantes ou menores de idade, forçados a condições de trabalho e de vida desumanas e sem qualquer proteção.”

 

Mas as agromáfias também dizem respeito a “práticas de agricultura insustentáveis do ponto de vista ambiental e de sofisticação alimentar” e “uso de terrenos agrícolas para o armazenamento de resíduos tóxicos industriais ou urbanos”.

 

O apelo dos bispos dirige-se a dois sujeitos: às “autoridades públicas”, para que ponham em prática “uma ação contínua de prevenção e combate às infiltrações criminosas”; e os cidadãos, para que sejam consumidores críticos e responsáveis, ou seja, adquiram “produtos de empresas agrícolas que operem respeitando a qualidade social e ambiental do trabalho”.

 

Falando em contratação ilegal – especialmente na agricultura, mas também em outros setores – a Associação Vittorio Bachelet e a Fundação Don Tonino Bello, junto com a Universidade de Salento, lançaram as “Dez teses para o combate às contratações ilegais”: atividade investigativa e repressão para atingir os verdadeiros responsáveis, mais do que seus subordinados, mas também “contratos de cadeia produtiva”, reabertura dos fluxos migratórios, “integração e inclusão dos migrantes”, reforço do sindicato nos locais mais em risco, promoção do consumo consciente e responsável também por meio de informações corretas.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“As agromáfias envenenam o mercado, exploram os trabalhadores e destroem o ambiente” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV