Os bispos italianos e a crise de fé. Artigo de Enzo Bianchi

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Mai 2022

 

"A afirmação assusta, mas é preciso ter a coragem desta denúncia: não falta o testemunho (sempre inadequado ao Evangelho!), não falta a disposição para trabalhar, porque a Igreja hoje está cansada, exausta, mas falta a fé a partir do povo de Deus. Se não se acredita que Jesus Cristo está vivo, ressuscitou dos mortos e venceu a morte, que razão há para se professar cristãos?", escreve o monge italiano Enzo Bianchi, fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado por La Repubblica, 23-05-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis o artigo.

 

Abre-se hoje a assembleia dos bispos italianos, chamados sobretudo a ler juntos o hoje de Deus para a Igreja, a perscrutar os sinais dos tempos que devem direcionar as escolhas e delinear, para o futuro próximo, os passos a serem dados. Não é um momento fácil, porque se tornou cada vez mais evidente a crise eclesial em muitos de seus aspectos.

 

Após a pandemia, as ruas voltaram a ficar lotadas, mas as igrejas continuam vazias, com uma diminuição de participantes às assembleias litúrgicas que preocupa e deve questionar. As motivações que habitualmente se identificam para ilustrar esta crise iniciada nos anos 1980 - secularização, mudança de vida na sociedade do bem-estar, consumismo, relativismo moral - já não são mais suficientes para explicar a aceleração com a qual fomos introduzidos numa sociedade pós-cristã e numa cultura da qual o cristianismo foi expulso. Havíamos anunciado tempos em que as igrejas cristãs teriam o status de minorias, mas tínhamos certeza de que seriam minorias capazes de injetar diástases saudáveis na sociedade. Hoje não temos mais certeza: a indiferença em relação ao cristianismo é tão imperante que parece ter reprimido a demanda de sentido.

 

 

É difícil definir esse fenômeno: não é declínio, não é decadência moral, não é falta de pensamento abalizado, mas permanece um desvanecimento silencioso, visível apenas para quem frequenta as igrejas e constada uma debandada especialmente dos jovens da liturgia. Gastamos cinquenta anos na evangelização, em um empenho que a Igreja italiana soube honrar e viver com seriedade, mas o resultado é uma esterilidade crescente.

 

 

A Igreja italiana se esforçou para encontrar novos caminhos, inspirando-se de forma convicta no Concílio Vaticano II mais do que outras Igrejas europeias, mas o que resta reconhecer é que a crise atual é sobretudo de fé.

 

 

A afirmação assusta, mas é preciso ter a coragem desta denúncia: não falta o testemunho (sempre inadequado ao Evangelho!), não falta a disposição para trabalhar, porque a Igreja hoje está cansada, exausta, mas falta a fé a partir do povo de Deus. Se não se acredita que Jesus Cristo está vivo, ressuscitou dos mortos e venceu a morte, que razão há para se professar cristãos?

 

 

Se não se acredita que a morte é apenas um êxodo, que haverá um juízo sobre a atuação humana e uma vida além da morte, por que se tornar cristão e perseverar nessa pertença? Não basta a ética para ser cristãos: os seres humanos sabem ter uma ética. Não basta a espiritualidade: os seres humanos sabem criá-la. Mas se não há mais a memória que transmite a fé, como será possível ser cristãos?

 

Hoje a "igreja queima", o "rebanho está perdido" e, acima de tudo, dividido mais do que nunca, mas se não nos questionarmos sobre a fé, a agonia na Europa continuará. Os bispos italianos saberão indicar que a verdadeira urgência é despertar a fé "nua e pendurada na cruz", sem correr atrás da opinião dominante e sem reduzir a fé a uma mensagem ética?

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os bispos italianos e a crise de fé. Artigo de Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV