A secularização e os novos “alfabetos” para anunciar a fé

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • O Papa Francisco precisa operar a perna direita, mas responde: não quero. Ele teme os efeitos da anestesia, que no caso da colectomia foi uma experiência ruim

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Setembro 2021

 

“Francisco explica que a resposta à secularização não é se fechar, porque a Igreja não é uma fortaleza ou uma potência que olha para o mundo com distanciamento e autossuficiência. Ao contrário, necessita-se de uma Igreja que seja humilde como Jesus, que caminhe unida, que não se separe do mundo, mas que ‘habite nele’”, escreve Andrea Tornielli, diretor dos meios de comunicação do Vaticano, em artigo publicado por Religión Digital, 14-09-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

A viagem à Eslováquia permite compreender qual é o caminho que Francisco sugere às Igrejas de toda a Europa, não apenas a do Leste, seguirem. Em primeiro lugar, o Papa propõe uma visão cheia de realismo: inclusive as nações martirizadas, que conheceram a perseguição do totalitarismo comunista se enfrentam hoje a uma secularização galopante e a gerações que já não têm contato com uma história feita de heroísmo, de resistência e de uma fé de identidade vivida com orgulho.

Diante disto tudo, Francisco explica que a resposta à secularização não é se fechar, porque a Igreja não é uma fortaleza ou uma potência que olha para o mundo com distanciamento e autossuficiência. Ao contrário, necessita-se de uma Igreja que seja humilde como Jesus, que caminhe unida, que não se separe do mundo, mas que “habite nele”.

Necessita-se de uma Igreja que não se refugie na uniformidade e na rigidez, mas que faça crescer a liberdade, respeitando os caminhos de cada um. Uma Igreja criativa, como foram os santos desta terra, Cirilo e Metodio, que inventaram um novo alfabeto para comunicar a fé ao povo. Encontrar novos “alfabetos” para proclamar o Evangelho, sem nostalgia de um passado já passado, é a tarefa mais urgente para as Igrejas entre os povos da Europa.

Nota do Instituto Humanitas Unisinos – IHU

 

De 04 de junho a 10 de dezembro de 2021, o IHU realiza o XX Simpósio Internacional IHU. A (I)Relevância pública do cristianismo num mundo em transição, que tem como objetivo debater transdisciplinarmente desafios e possibilidades para o cristianismo em meio às grandes transformações que caracterizam a sociedade e a cultura atual, no contexto da confluência de diversas crises de um mundo em transição.

 

XX Simpósio Internacional IHU. A (I)Relevância pública do cristianismo num mundo em transição

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A secularização e os novos “alfabetos” para anunciar a fé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV