Putin é o único culpado? Fatos para pensar

Mais Lidos

  • Rolex, Tiffany, Bulgari e o ‘ouro do sangue’ Yanomami

    LER MAIS
  • “A Igreja Católica do Brasil: entre o fundamentalismo e a profecia”, em debate no CEPAT

    LER MAIS
  • OTAN pressiona América Latina para enviar armas para a Ucrânia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Mai 2022

 

"Assim chegamos a esta situação de tanta dor que não permite dormir, e para a qual não há saída: porque, por um lado, a arrogância de Putin não terá fim se não lhe for concedido algo que possa apresentar como uma vitória justificando sua barbárie; e, por outro lado, Putin não pode receber nada que pareça justificar seus crimes", escreve José I. González Faus, jesuíta e teólogo espanhol, em artigo publicado por Religión Digital, 02-05-2022. 

 

Eis o artigo.

 

Que Putin está agindo como um criminoso de primeira classe, não há dúvida. Não é isso que estamos discutindo aqui. Mas acontece que nossos valores ocidentais proclamam que “também o criminoso tem direitos a respeitar”. E Jesus de Nazaré escandalizou-se com aquelas palavras: "Não vim chamar justos, mas pecadores"...

 

Por outro lado, é um ditado bem conhecido que, nas guerras, a primeira vítima é a verdade. Cada parte em conflito manipula os dados porque eles precisam ser totalmente bons e os outros totalmente ruins. Caso contrário, as atrocidades da guerra são injustificadas.

 

Pois bem, suponho que com esta intenção de recuperar verdades perdidas ou ocultas, o número de abril de Le Monde Diplomatique em espanhol (pp. 14, 16, 17) recupera, entre outros, esses três textos que nos obrigam a pensar.

 

1- Em Munique, na Conferência de Segurança de 2007, Putin declarou o seguinte:

 

“Os países da OTAN afirmaram que não iriam ratificar o Tratado das Forças Armadas Convencionais na Europa [de 1999, e que incluía a liquidação do Pacto de Varsóvia]. Acho óbvio que a expansão da OTAN nada tem a ver com a modernização da própria Aliança ou com a garantia de segurança na Europa. Pelo contrário, representa uma séria provocação que reduz o nível de confiança mútua. E temos o direito de perguntar: contra quem se dirige essa expansão? E o que aconteceu com as afirmações que o Ocidente nos deu após a dissolução do Pacto de Varsóvia? Onde estão aquelas afirmações que ninguém se lembra? Permitam-me que lembre a esta audiência o que foi dito. Quero citar a intervenção do Secretário Geral da OTAN, Sr. Werner, em Bruxelas, em 17 de maio de 1990: "O próprio fato de estarmos preparados para não estacionar tropas da OTAN além do território da República Federal da Alemanha é uma garantia firme dada à União Soviética."

 

Leia de novo e me diga se não é verdade que às vezes um criminoso diabólico pode estar parcialmente mais certo do que um santo. Essa é a coisa terrível sobre nossa realidade complexa, que os políticos americanos parecem reduzir a um velho filme de faroeste.

 

2- O ex-presidente Barack Obama escreve em sua autobiografia:

 

“… Isso me fez desconfiar da ideia de que o bem estava apenas do nosso lado e o mal do deles, ou que uma nação que produziu um Tolstoi ou um Tchaikovsky era radicalmente diferente da nossa. Putin não mostrou interesse em retornar ao marxismo... Seu poder não se baseava apenas na simples extorsão... Sua popularidade estava enraizada no antiquado nacionalismo: a promessa de devolver a Rússia à sua glória passada... Só havia um problema para ele: a Rússia já era não era uma superpotência. Apesar de ter um arsenal nuclear inferior ao nosso, a Rússia carecia da vasta rede de alianças e bases que permite aos EUA projetar seu poder ao redor do globo ”… (B. Obama, A Promised Land, Madrid 2020). Chapeau!, amigo Barack.

 

 

3.- Acontece que o cineasta americano Oliver Stone tem um documentário de 2017 chamado The Putin Interviews. É daí que vêm esses dois parágrafos:

 

“ Em nossa última reunião com Clinton em Moscou... consideramos a ideia de a Rússia se juntar à OTAN. Clinton disse: por que não? Mas a delegação americana ficou muito nervosa. Por quê? Porque eles precisavam de um inimigo externo”…

“Deixe-me lembrá-lo que quando foi tomada uma decisão sobre a independência do Kosovo, a Corte Internacional de Justiça das Nações Unidas decidiu que, em questões relacionadas à independência e autodeterminação, o reconhecimento das autoridades centrais de um determinado país não era necessário. ”… [Esta última é uma alusão ao Donbass na Ucrânia? Pelo menos parece].

 

O grande sociólogo René Girard se cansou de mostrar que nós humanos parecemos incapazes de construir qualquer tipo de comunidade se não tivermos um inimigo externo. Mas ainda não aprendemos.

 

Esses textos, acredito, nos forçam a reconhecer o seguinte:

 

O fato de Putin ser sem dúvida o principal culpado pela barbárie e desumanidade de sua reação não significa que ele seja o único ou o primeiro culpado: foi novamente o imperialismo norte-americano (vestido como sempre de necessidades defensivas e trabalho pela democracia, como no Iraque e outros) aquele que pôs em marcha este processo que, por enquanto, parece imparável. Como os EUA serão os principais culpados se um dia acabarmos em uma guerra nuclear (o que, infelizmente, é cada vez mais provável), mesmo que não seja o primeiro a usar esse armamento. Provocar um leão não é a melhor maneira de se defender dele.

 

E tudo isso é perfeitamente compatível com o fato de que nos EUA existem pessoas de boa vontade, como o atual presidente Biden, que não tem culpa de ter herdado uma sociedade gravemente doente.

 

Tudo isto deve ser um sério aviso a esta nossa Europa que hoje, com grandes palavras, já não é um cão de colo daqueles EUA, que já demonstraram suficientemente que, para eles, não há amigos mas servos, e que cumprem com perfeição o velho ditado de uma antiga fábula latina: “Ego primam tollo partem quia nominor leo”[1].

 

Assim chegamos a esta situação de tanta dor que não permite dormir, e para a qual não há saída: porque, por um lado, a arrogância de Putin não terá fim se não lhe for concedido algo que possa apresentar como uma vitória justificando sua barbárie; e, por outro lado, Putin não pode receber nada que pareça justificar seus crimes.

 

Nossas mãos estão perfeitamente atadas. E quem quer trabalhar pela paz, além de fornecer armas (uma medida que parece inevitavelmente necessária, como a cirurgia quando a doença chega tarde), deve torcer os miolos em busca de uma saída para esse dilema. Na outra noite, sem conseguir dormir (pensando nos filhos, nas mães que os veem sofrer, nos casais separados, nas mulheres violentadas à queima-roupa, nos velhos que não podem mais se mexer e que se culpam por impedindo-os de fugir de seus filhos...), ocorreu-me sonhar isto:

 

Por um lado, o Ocidente está empenhado em dissolver a OTAN e, por outro, impõe-se à Rússia o dever de financiar toda a reconstrução da Ucrânia, nos mesmos níveis em que se encontrava antes da agressão e com prazos razoáveis. Além disso, ambos os signatários se comprometem antecipadamente a aceitar as resoluções de um tribunal internacional, caso surjam reclamações ou conflitos quanto ao cumprimento desse acordo.

 

Mas, logicamente, o povo russo não aceitaria tal solução porque não tem ideia do que realmente está acontecendo na Ucrânia. E os americanos também não, porque isso os deixaria sem um império, como Condoleezza Rice sugeriu anos atrás, que é a versão feminina de Putin... (o que não impede que outros americanos sejam muito diferentes dela: como Noam Chomsky, William Burns, Jack Matlock...).

 

Foi um sonho! Mas, como disse certa vez Jürgen Moltmann, por mais ruim que seja sonhar, há situações na vida em que apenas sonhar alcança alguma coisa.

E se não, como naquela velha piada sobre o avião sem motores, digamos todos juntos: "Meu Senhor Jesus Cristo..."

 

Nota

 

[1] Quem não conhece esta breve fábula de Fedro vai encontrá-la facilmente no Google

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Putin é o único culpado? Fatos para pensar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU