O que faz da Ucrânia diferente: democracia x império

Batalhão de Azhov, desfilando em Mariupol, sul da Ucrânia, junho de 2021. Foto: Wikicommons

07 Março 2022

 

“O que é realmente incomum sobre a luta da Ucrânia pela sobrevivência? A Ucrânia está longe de ser perfeita. Como todas as democracias, o discurso público é livre e as políticas e opiniões que surgem podem ofender. Não há nazistas, mas há uma pequena extrema-direita, bem como um enorme centro político e uma confusão de outros partidos, incluindo alguns com inclinação pró-Rússia. Todos operam livremente. Lembre-se das outras nações que enfrentaram um agressor [Israel, Palestina, Finlândia, Polônia, Croácia, mulheres curdas], Nenhuma era uma democracia como a Ucrânia é”, escreve John Connelly, professor de História do Leste Europeu na Universidade da Califórnia, em artigo publicado por Commonweal, 03-03-2022.

 

Eis o artigo.

 

Do início da agressão russa contra a Ucrânia, analistas estavam perguntando sobre os eventos comparáveis do passado. Paul Massaro da Comissão Helsinki dos EUA tuitou no último sábado que ele estava quebrando sua cabeça “para fazer um paralelo histórico à coragem e ao espírito de luta dos ucranianos e não conseguia. Quantos povos defenderam seus territórios lutando contra o agressor dessa forma?”. O mundo do Twitter impacientemente levantou os casos: Israel, Palestina, Finlândia, Polônia, Croácia, as mulheres curdas... Algumas pessoas perguntaram se Massaro já havia lido algum livro de história. Eles podem tê-los atirado na Hungria ou na Comuna de Paris.

 

Ainda assim, Massaro não estava tão errado. O caráter memorável da autodefesa da Ucrânia veio à tona em um tuíte que Massaro divulgou algumas horas depois: trata-se de democracia. A guerra da Rússia contra a Ucrânia é provavelmente a tentativa mais descarada que qualquer poder já fez para subverter violentamente uma ordem democrática em funcionamento.

 

Considere um paralelo instrutivo que Massaro e seus leitores negligenciam: a Tchecoslováquia. Em setembro de 1938, Grã-Bretanha, França, Alemanha e Itália se reuniram em Munique e concordaram em ceder as regiões fronteiriças da Tchecoslováquia à Alemanha, e a partir de 1º de outubro a Wehrmacht ocupou esse perímetro defensivo montanhoso que chamamos de Sudetos, com sua população majoritariamente alemã. Massaro e seus leitores não mencionam Munique porque a Tchecoslováquia não lutou. Em vez disso, seus líderes, recusando-se a “conduzir a nação a um matadouro”, deram ordens para que seus soldados altamente profissionais e bem armados saíssem da zona de fronteira sem disparar um tiro.

 

Caso contrário, os dois casos revelam uma série de semelhanças. Em ambos, líderes ditatoriais de gigantes humildes – Hitler da Alemanha e Putin da Rússia – procuraram restaurar a grandeza de seus países subjugando os vizinhos mais fracos. Ambos afirmam que os co-étnicos do outro lado da fronteira enfrentam discriminação que culmina em violência sistemática. Na Tchecoslováquia, as supostas vítimas eram os alemães dos Sudetos; na Ucrânia, os falantes de russo se concentraram no leste da Ucrânia.

 

Como fez Hitler há oitenta e cinco anos, Putin recorre ao chauvinismo imperialista, afirmando que um estado menor não tem o direito de existir. Para os alemães, a Boêmia – atual República Tcheca – “naturalmente” pertencia ao Sacro Império Romano da nação alemã, e o “destino” dos tchecos era assimilar-se à civilização alemã infinitamente superior. Hoje, muitos russos acham a independência ucraniana absurda porque a Ucrânia por muito tempo pertenceu à Rússia de alguma forma, seja czarista ou soviética. Tradicionalmente, a Ucrânia era chamada de “pequena Rússia”. Durante a prisão, um oficial russo disse ao ativista ucraniano Ihor Kozlovsky: “Não há nações. Existem civilizações, e o mundo russo é uma civilização, e para qualquer um que tenha feito parte dele, não importa como você o chame, tártaro ou ucraniano, você não existe”.

 

Tal condescendência começou a produzir indignação muitas gerações atrás. Antes de 1918, todos os tchecos e muitos ucranianos viviam na monarquia liberal dos Habsburgos, e suas elites políticas exigiam autonomia para que suas culturas e tradições fossem protegidas. Após o colapso dessa monarquia, os Aliados vitoriosos prometeram promover a autodeterminação nacional em toda a Europa Oriental e, de repente, novos estados começaram a surgir: Tchecoslováquia, Iugoslávia, Polônia. Mas mais a leste, nas terras da Ucrânia, numerosos exércitos lutaram por território, brancos e vermelhos, poloneses e ucranianos. No final, os exércitos ucranianos eram fracos demais para defender um estado nascente e, em 1921, diplomatas poloneses dividiram a Ucrânia e a Bielorrússia com os bolcheviques no Tratado de Riga.

 

Enquanto os diplomatas e soldados redesenhavam as fronteiras da Europa, o cabo austríaco desmobilizado Adolf Hitler começou a imaginar como a Alemanha deveria tentar mudá-las. A Ucrânia, junto com a Rússia Ocidental, teve destaque em seus planos para obter “espaço vital” para o povo alemão. Sua destruição da Tchecoslováquia às vésperas da Segunda Guerra Mundial pretendia limpar um obstáculo para um vasto programa imperial; um segundo obstáculo caiu em setembro de 1939, quando os exércitos alemães se juntaram ao Exército Vermelho para subjugar a Polônia. Em junho de 1941, Hitler finalmente atacou a União Soviética com o maior ataque militar da história, e agora toda a Ucrânia sofria o que os nazistas chamavam de “Plano Geral do Leste”: primeiro, a erradicação dos judeus e depois a expulsão e assassinato de populações eslavas, a fim de “preparar” espaço para a colonização alemã que se estenda além de Moscou e na Crimeia. A partir do final de 1942, o Exército Vermelho empurrou os exércitos alemães de volta para a Europa Central, e esse plano nunca foi além de seus estágios iniciais. Ainda assim, o historiador Norman Davies estima que custou à Ucrânia cerca de dez milhões de cidadãos, talvez o maior número de vítimas de qualquer nação da Europa.

 

Não temos a perspectiva histórica para avaliar os objetivos finais de Vladimir Putin, mas sabemos que ele compartilha com Hitler uma mentalidade imperial. Durante o acúmulo de tropas nas fronteiras da Ucrânia, os negociadores russos exigiram garantias de que nunca se juntaria à OTAN e que a OTAN retirasse forças de países do ex-bloco soviético, como a Polônia. Um artigo que apareceu brevemente no site da agência de notícias RIA Novosti, que deveria aparecer após uma vitória fácil na Ucrânia, nos dá um esboço: “A Pequena Rússia” havia retornado à sua “posição natural” como parte do mundo russo. Mas isso será suficiente?

 

A Rússia é o maior estado do mundo, cruzando onze fusos horários, contendo dezenas de etnias e regiões, mas para Putin e seu círculo, ainda não é grande o suficiente. Os impérios procuram crescer e, assim, incorrem em preocupações de segurança nas periferias em expansão. Isso foi verdade, por exemplo, para a Grã-Bretanha e Rússia no século XIX, enquanto eles manobravam inquietos um em direção ao outro ao norte da Índia. Em conversações realizadas na década de 1990, quando as fortunas econômicas e políticas da Rússia desabaram, os representantes russos ainda insistiam com sua contraparte estadunidense que a Rússia merece uma esfera de influência, ou zona de amortecimento a seu oeste, uma participação na soberania de outros estados para sua própria segurança eternamente ameaçada. Essa demanda não foi feita por outros estados pós-soviéticos.

 

Para Putin, como para Hitler, a busca por segurança contra um inimigo quase metafisicamente perigoso tornou-se um fantasma, impossível de subjugar porque vive na mente do ditador. Em abril de 1945, o regime de Hitler havia praticamente aniquilado os judeus da Europa, mas os pensamentos desse inimigo o atormentavam enquanto ele compunha seu último testamento, comprometendo os alemães à vigilância eterna contra o “destruidor de nações”. O fantasma invencível que assombra Vladimir Putin é o Ocidente, fonte de males indescritíveis: fascismo, nazismo e, mais recentemente, vício em drogas. Bombas de fragmentação e outras brutalidades – como toda violência – surgem do medo, neste caso que uma sociedade que Putin não pode controlar está surgindo ao sul de sua fronteira, uma que mostra alternativas humanas a um estado policial.

 

Esse medo do incontrolável cresce na biografia de Putin. O regime que ele serviu ao entrar na KGB em 1975 havia esmagado um movimento pró-democracia na Tchecoslováquia alguns anos antes, alegando que sua segurança havia sido ameaçada. Mas o que realmente incomodou Brezhnev em 1968 não foi a segurança. A Tchecoslováquia não era uma ponte para um ataque da OTAN à URSS. Mais, era a liberdade de expressão – e essa obsessão era constante nos encontros soviéticos com reformistas tchecos e eslovacos -, algo que Dubcek e seus camaradas haviam introduzido na primavera. Quando os tanques chegaram a Praga em agosto, foi para obrigar os comunistas tchecoslovacos a reintroduzir a censura. Isso, acima de tudo, parece ser o que Putin quer na Ucrânia: amordaçar uma população. Mas, ao contrário dos tchecos e eslovacos de 1968, os ucranianos agora têm mais de três décadas de prática em direitos e liberdades civis básicas. E eles não estão apenas armados, mas, graças a incursões russas anteriores, hábeis em se defender.

 

Agora chegamos ao que é realmente incomum sobre a luta da Ucrânia pela sobrevivência. A Ucrânia está longe de ser perfeita. Como todas as democracias, o discurso público é desenfreado e as políticas e opiniões que surgem podem ofender. Não há nazistas, mas há uma pequena extrema-direita, bem como um enorme centro político e uma confusão de outros partidos, incluindo alguns com inclinação pró-Rússia. Todos operam livremente.

 

Lembre-se das outras nações que os críticos de Massaro disseram que enfrentaram um agressor. Nenhuma era uma democracia como a Ucrânia é. Isso também vale para a Tchecoslováquia em 1938. Era o estado mais tolerante e cumpridor da lei da região, a única democracia formal, mas carregava uma falha fundamental. Quando a maioria das elites tchecas criou este estado em 1918-19, eles congelaram alemães e húngaros, e quase metade dos habitantes da Tchecoslováquia não sentiu que este era seu estado porque eles não tinham voz em sua constituição.

 

Compare isso com a Ucrânia. Em 1991, após a desintegração da União Soviética, 84,2% da população votou em um referendo sobre a independência; desses, 92,3% votaram a favor. Poucos Estados na Europa podem reivindicar uma legitimidade tão esmagadora de seu ponto de origem. Este Estado teve seus erros em relação aos não falantes de ucraniano, por exemplo, uma lei linguística implementada no ano passado que obriga as crianças de língua russa a mudar para o ensino ucraniano após a quarta série. Ucraniano e russo são próximos, mas distintos, e a medida causou descontentamento mesmo entre aqueles cuja primeira língua é o ucraniano. Putin, como Hitler em relação aos alemães dos Sudetos, se apresenta como um salvador – até, como vimos, empregando a palavra “genocídio” – e usou as queixas sobre a cultura para justificar a intervenção militar.

 

Talvez seja com imagens de Hitler festejado como um herói nos Sudetos que Putin enviou seus recrutas para a Ucrânia. O mais próximo que chegaram de receber flores foi a oferta macabra que uma ucraniana de língua russa fez a um soldado de infantaria fortemente armado: sementes de girassol. Pegue essas sementes e coloque-as no bolso, disse ela, para que pelo menos flores cresçam quando você morrer. Ela e outros falantes de russo têm maiores direitos culturais do que aqueles que vivem na Rússia propriamente dita, onde declarações que divergem da ortodoxia do regime podem lhe render uma surra de bandidos, uma dose de veneno, uma longa sentença de prisão ou todos os três. Da mesma forma, os alemães na Tchecoslováquia da década de 1930 tinham direitos culturais muito maiores do que os compatriotas na ditadura do outro lado da fronteira. Thomas Mann e muitos outros intelectuais alemães buscaram refúgio em Praga. A diferença é que os falantes de russo na Ucrânia apreciam essa liberdade e estão morrendo por ela, enquanto mais de 80% dos alemães dos Sudetos apoiavam Hitler.

 

Hoje pensamos no Chamberlain da Grã-Bretanha e no Daladier da França como os culpados pela destruição da Tchecoslováquia, mas os Estados Unidos não eram inocentes. Em uma primeira visita à Praga comunista em 1981, fiquei surpreso ao encontrar uma rua com o nome de George Washington não muito longe da estação de trem. Até 1948, a própria estação era chamada de Woodrow Wilson. A Tchecoslováquia foi em grande parte nossa criação. O presidente Wilson admirava e confiava no líder tchecoslovaco Tomas G. Masaryk e colocou toda a força de sua convicção moral e política por trás do novo estado. No entanto, nós americanos tivemos um curto período de atenção na política global e, logo depois de deixar a Europa em 1919, os diplomatas de Washington esqueceram o novo e frágil Estado e, é claro, estiveram ausentes em Munique.

 

Ao longo das décadas, os Estados Unidos impulsionaram a agenda de autodeterminação nacional de Wilson, às vezes com sucesso (Alemanha e Japão), mas muitas vezes com enormes investimentos e fracassos graves (Vietnã, Iraque, Afeganistão). Mas na Ucrânia nunca tivemos que pressionar a democracia: os próprios ucranianos a encontraram. Hoje, cidadãos de todas as idades, culturas, etnias e grupos linguísticos estão sacrificando tudo, inclusive suas vidas, pelo bem comum. Por medo de uma escalada, os Estados Unidos agora mantêm distância; e além de sanções econômicas e retórica, nós assistimos.

 

Leia mais

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV