Papa pede orações pela viagem ao Iraque: povo não pode ser desapontado uma segunda vez

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Março 2021

Audiência Geral desta quarta-feira o Papa Francisco pediu orações para que sua viagem ao Iraque possa se realizar como o programado, evitando assim que o povo iraquiano seja desapontado uma segunda vez, visto a proibição de São João Paulo II visitar o país, como era seu desejo:

"Depois de amanhã, se Deus quiser, irei ao Iraque para uma peregrinação de três dias. Há algum tempo desejo encontrar aquele povo que tanto sofreu; encontrar aquela Igreja mártir na terra de Abraão. Junto com outros líderes religiosos, também daremos outro passo em frente na fraternidade entre os crentes. Peço-lhes para acompanhar com a oração esta Viagem Apostólica, para que possa se realizar da melhor forma e dê os frutos esperados. O povo iraquiano nos espera; esperava São João Paulo II, que foi proibido de ir. Não se pode desapontar um povo pela segunda vez. Oremos para que esta viagem possa ser bem feita".

A reportagem é de Jackson Erpen, publicada por Vatican News, 03-03-2021.

A Viagem Apostólica ao Iraque é uma das mais importantes e complexas do Pontificado do Papa Francisco, envolvendo também questões de segurança e com a adoção de todos os cuidados para evitar contágios com a Covid-19.

"Sois todos irmãos", é o lema desta viagem, que é uma “viagem de fraternidade” aberta a todos, onde Francisco quer mostrar sua proximidade especialmente às comunidades cristãs perseguidas, com as visitas a Mosul, Qaraqosh e Erbil, no Curdistão iraquiano.


Mapa do Iraque, em destaque as localidades que serão visitadas pelo Papa Francisco. Fonte: Universidade do Texas

Um dos pontos-altos da viagem será a visita a Ur, terra de Abraão, local símbolo para as três religiões monoteístas, onde será realizado o encontro inter-religioso que pretende reunir representantes de todas as religiões presentes no Iraque: cristãos de diversas denominações, muçulmanos xiitas e sunitas, judeus, yazidis, zoroastristas, entre outros.

São João Paulo II havia expresso o desejo de poder visitar Ur no Ano Santo de 2000, intenção esta manifestada na "Carta sobre as peregrinações aos lugares ligados à história da salvação", de 29 de junho de 1999. A peregrinação acabou não se realizando devido à guerra e às dificuldades nas tratativas com Saddam Hussein. Assim, Francisco realizará este desejo não realizado do Pontífice polonês, passando a ser o primeiro Papa a visitar Ur, e o Iraque.

Em junho de 2019, o Papa Francisco havia anunciado seu desejo de visitar o país em 2020 durante a Reunião das Obras de Ajuda às Igrejas Orientais (ROACO): “Um pensamento insistente acompanha-me, refletindo sobre o Iraque — onde tenho vontade de ir no próximo ano — para que possa olhar em frente através da participação pacífica e compartilhada na construção do bem comum de todos os componentes da sociedade, até religiosos, e não volte a cair em tensões que derivam dos conflitos nunca resolvidos das potências regionais”. A pandemia de Covid-19, no entanto, forçou uma alteração no plano inicial. Já em dezembro de 2020, Francisco confirmou a viagem que terá início na próxima sexta-feira.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa pede orações pela viagem ao Iraque: povo não pode ser desapontado uma segunda vez - Instituto Humanitas Unisinos - IHU