Cardeal Tagle: "Esmola? Sigamos o exemplo dos budistas"

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: “O que o Evangelho nos pede é ser povo de Deus, não elite de Deus”

    LER MAIS
  • “Eu fui nomeado o quê? Um carnaval” – a surpresa de um padre de 80 anos

    LER MAIS
  • “Não gosto da roupagem que colocam em nós cardeais, é cara e de príncipe”. Entrevista com o novo cardeal mexicano Felipe Arizmendi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Fevereiro 2016

"Este ano especial do Jubileu da Misericórdia, como declarou o Papa Francisco na Bula de Proclamação Misericordiae vultus, vai além das fronteiras da Igreja Católica". Foi o que explicou o cardeal arcebispo de Manila, Luis Antonio Tagle, falando na Universidade Gregoriana, na apresentação do livro "Religion and politics".

A reportagem foi publicada por Vatican Insider, 24-02-2016. A tradução é de Ramiro Mincato.

"Em primeiro lugar - disse o prelado filipino - a Igreja convidou a mostrar misericórdia não só para com os seus próprios membros, mas também para aqueles que estão além de suas fronteiras. Para reconhecer o irmão sobretudo naqueles que sofrem, nos necessitados". "Penso nas vítimas de injustiças - continuou Tagle -, elas são vítimas da falta de misericórdia. É preciso, portanto, ocupar-se com todas essas pessoas, são nossos irmãos".

Um segundo aspecto, acrescentou o cardeal de Manila, é que "somos convidados a olhar para além das próprias tradições religiosas, para o que é a misericórdia nessas outras tradições, para estudar como as várias religiões concebem a misericórdia e o que podem ensinar a Igreja em termos precisamente de misericórdia".

Sobre isto o cardeal deu um exemplo eloquente: "Penso nos monges budistas, que circulam pelas cidades, pedindo comida, em seguida, uma vez recolhida, eles a colocam numa mesa à disposição dos mais pobres. Assim, eles pedem esmolas não para si mesmos, mas para os pobres, e somente se sobrar alguma coisa, no final, poderão comer também eles".

"Devemos aprender com eles - sublinhou Tagle -, procurar ajuda não para nós, mas para os outros, e tocar assim os corações das pessoas. Isto é o que fez Jesus, mas é uma prática budista, que nos faz, porém, descobrir o que fez Jesus".

O cardeal convidou enfim a olhar para a África, "onde existem muitas famílias com marido e esposa de diferentes religiões, situações onde precisa ser muito misericordioso". "A Família - concluiu - pode ser então escola de misericórdia, em particular no que respeita às famílias inter-religiosas".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Tagle: "Esmola? Sigamos o exemplo dos budistas" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV