Pierre Bourdieu - 24 de janeiro

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Janeiro 2017

Pierre Félix Bourdieu. Paris - França, †2002. Foi um importante sociólogo francês.

De origem campesina, filósofo de formação, chegou a docente na École de Sociologie du Collège de France.

Desenvolveu, ao longo de sua vida, diversos trabalhos abordando a questão da dominação e é, sem dúvida, um dos autores mais lidos, em todo o mundo, nos campos da Antropologia e Sociologia, cuja contribuição alcança as mais variadas áreas do conhecimento humano, discutindo em sua obra temas como educação, cultura, literatura, arte, mídia, linguística e política.

Bourdieu clássico a contragosto
Seu último livro foi lançado no ano de 2012. Trata-se de Sur l'État (Sobre o Estado). Pierre Bourdieu morreu há dez anos, em 23 de janeiro. Contudo este lançamento póstumo pela Seuil é o grande "acontecimento" da semana. Bourdieu, que nasceu em 1930, é um dos raros "gurus" do ano literário. E podemos avaliar como o ambiente intelectual francês está "abandonado" há algumas temporadas.
(Cf notícia do dia 08/01/2012)

A explosão da bolha educacional chilena
Nos anos 1970 e 1980, pedagogos e sociólogos como Samuel Bowles e Herbert Gintis, Basil Bernstein, Christian Baudelot e Roger Establet e Pierre Bourdieu, entre outros, denunciaram com uma linguagem científica que os sistemas escolares ratificavam as pertenças prévias de classe dos alunos e questionaram fortemente a capacidade da escola de promover a mobilidade social. Suas conclusões raramente eram generalizáveis em referência aos sistemas escolares do século XX. Mas longe de ter servido para a superação das disfunções desses sistemas, hoje se pode ler suas apreciações como prognósticos do modelo implementado pelo neoliberalismo.
(Cf noticia do dia 06/08/2011)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pierre Bourdieu - 24 de janeiro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV