SP registra pelo menos um estupro de mulher em condição vulnerável por dia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Junho 2016

A cada dia, aos menos uma mulher no Estado de São Paulo foi vítima de estupro de vulnerável, crime cometido contra meninas de até 14 anos ou adultas incapazes de consentir com o ato sexual, praticado por familiar ou pessoa próxima. Para especialistas, o número real é ainda maior e, na maioria das vezes, as vítimas são crianças. A Secretaria da Segurança Pública afirma que criou um grupo especial para combater a violência doméstica e sexual.

A reportagem é de Felipe Resk, publicada por O Estado de S. Paulo, 02-06-2016.

Segundo dados da secretaria, o Estado registrou 144 estupros de vulnerável em ambiente doméstico entre janeiro e abril. As notificações incluem apenas os crimes inseridos na Lei Maria da Penha, aplicada quando os agressores são parentes ou parceiros das mulheres - os estupros, em geral, passam oficialmente de 3 mil casos em 2016. Além das crianças, a Justiça considera vulnerável mulheres com deficiência física ou mental, em estado de inconsciência ou incapazes de se defender.

Segundo a promotora Valéria Diez Scarance, coordenadora estadual do Núcleo de Gênero do Ministério Público de São Paulo (MPE), a maior parte desses crimes é praticada dentro de casa por pais ou padrastos. “Quase sempre o autor é um homem acima de qualquer suspeita. Já a vítima é uma criança que não tem consciência sexual”, afirma a promotora.

Uma dessas ocorrências foi em fevereiro na região de Bauru, onde um motorista de 38 anos foi preso, acusado de estuprar as duas filhas, de 12 e 18 anos - a mais velha teria sido violentada sistematicamente desde os 10 anos. A denúncia foi feita pelo avô das meninas.

Só que Valéria afirma que a denúncia não é regra para estupros e é comum a vítima recuar após a queixa. “No início, a criança conta com apoio de parentes e pessoas próximas. Depois, ela tem de repetir a história uma, duas, três vezes e se torna vítima da incredulidade. Não suporta e se retrata”, diz.

Somados a outros 168 casos oficiais de “estupro consumado”, praticados contra mulheres com emprego de violência ou ameaça, os registros com vítimas vulneráveis representam 46,15% das ocorrências de violência sexual em ambiente doméstico neste ano. Nos dois crimes, a maior parte dos registros é no interior. Foram 80 estupros de vulnerável na região (55%), ante 31 na capital (21,5%) e 33 na Grande São Paulo (23%).

O cientista político André Zanetic, do Núcleo de Estudos da Violência da USP, aponta o fator cultural como uma das causas. “Nos centros urbanos, há um fluxo maior de informações, enquanto no interior há áreas de defasagem e maior presença do arcaísmo. Ali, a cultura de violência contra a mulher está mais arraigada”, afirma.

Em nota, a Segurança diz que o secretário Mágino Barbosa criou um grupo de estudo com promotoras e integrantes das polícias para combater casos de violência doméstica e sexual. “Além disso, ele se reunirá nas próximas semanas com os diretores e os comandantes de todo o interior para discutir novas ações, de acordo com a região.”

Subnotificação. Considerando todos os tipos de autores, os registros de estupro já chegam a 3.242 em São Paulo, de janeiro a abril de 2016. O índice é 2,4% superior ao do mesmo período de 2015 - 3.164 notificações. Em 12 meses, o Estado teve queda de 2,59% das notificações.

A promotora Silvia Chakian, especialista em violência doméstica, afirma que há subnotificação, mas avalia que mesmo os dados oficiais são preocupantes. “As estatísticas mostram como a sociedade enxerga a mulher: há uma desigualdade de gênero muito grande”, diz.

Já para Valéria Diez Scarance, a estatística “não reflete a realidade das ocorrências”. “No estupro, rege a ‘lei do silêncio’: os números dizem respeito a vítimas que tiveram coragem de noticiar ou houve acionamento de algum órgão público. São 10% das ocorrências”, afirma. “A cultura do estupro está enraizada. Primeiramente, precisamos modificar a forma de pensar da sociedade, desnaturalizando as ideias que tornam a mulher objeto de satisfação do homem. A transformação passa pelo combate ao estereótipo.”

Ela disse que o Estado deve oferecer tratamento humanizado para vítimas, além de aprimorar mecanismos de denúncia e de coleta de provas. Entre as propostas, está vistoriar a casa do suspeito, para verificar se há material pornográfico ou relacionado à pedofilia, e melhorar a coleta de material para exame de DNA. “É preciso ter uma investigação mais rápida e com protocolos mais rígidos”, diz.

‘O tratamento é só de redução de dano’

Da rejeição do próprio corpo ao desregramento sexual, os traumas provocados podem manifestar-se de diversas formas. Mas, de acordo com a psicoterapeuta sexual Imacolada Marino Gonçalves, que atua em São Paulo no atendimento de mulheres violentadas, eles sempre existem. “Toda agressão deixa sequela, imagina contra o próprio corpo. O tratamento é só de redução de dano, mas não tem como apagar um estupro.”

Imacolada destaca que, nos casos de estupro de vulnerável, a maior parte das vítimas está em processo de transição do corpo infantil para o de mulher. “Muitas passam a apresentar dificuldades na mudança. Quando começam a transformação, manifestam medo de chamar atenção e atrair homens”, diz. “Há casos de meninas que usam faixas para esconder os seios ou param de comer para o corpo não assumir forma de mulher.”

Como consequência de abusos sofridos, a psicoterapeuta sexual afirma que é comum haver casos de vaginismo – contração involuntária da musculatura que impede o ato sexual. Vítimas de estupro podem apresentar, ainda, dificuldade de relacionamento e falta de confiança nos parceiros. “Mas cada caso é um caso. Há quem se jogue em relações sexuais e chegue até a se prostituir”, afirma.

Agressor. Segundo Imacolada, em muitos casos, o autor do estupro também foi vítima de abusos sexuais na infância. “Para nós é uma perversão. Mas para o funcionamento psíquico do agressor, não”, diz. “Na maioria das vezes, a criança é molestada por um ente querido, então pode atribuir o sentido de que o estupro é uma forma de obter carinho.”

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

SP registra pelo menos um estupro de mulher em condição vulnerável por dia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV