Governo da França atropela Parlamento e impõe reforma trabalhista sem votação

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Maio 2016

O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, anunciou nesta terça-feira (10/05) que o governo decidiu invocar um artigo na Constituição para impor a reforma trabalhista sem que ela seja votada no Parlamento. Grande parte dos parlamentares franceses e da população se opõe à reforma, que flexibiliza direitos trabalhistas com o objetivo, segundo o governo, de diminuir a taxa de desemprego no país, atualmente em torno de 10%.

A reportagem foi publicada por Opera Mundi, 10-05-2016. 

O recurso ao Artigo 49.3 da Constituição francesa, segundo disse Valls durante uma sessão parlamentar nesta manhã, foi decidido porque o governo de François Hollande, presidente do país, está "convencido que [a reforma trabalhista] é um bom texto para o país" e esse projeto de lei deve ser adotado.

A reforma ficará aprovada na Assembleia Nacional, a menos que a oposição introduza nas 24 horas seguintes uma moção de censura, que os deputados conservadores já anunciaram que vão apresentar.

Caso a moção seja derrubada, o texto irá ao Senado para uma primeira leitura e, se houver divergências, passará de novo à Assembleia, onde o governo poderá usar novamente esse artigo constitucional, considerado "antidemocrático" pela oposição.

A oposição à reforma tem motivado grandes protestos populares em toda a França desde o começo de março e levou à criação do movimento Nuit Debout (Noite em Claro), que começou com uma ocupação na Praça da República em Paris e se espalhou por várias cidades do país. Hollande já havia dito, em entrevista a um programa de TV em meados de abril, que "não cederia à pressão das ruas". “[A proposta] foi discutida, analisada e chega ao Parlamento. Eu escuto, tento encontrar o bom equilíbrio, discutir, analisar... eu não vou ceder à rua. A lei não será retirada, ela teve correções e discussões com as organizações sindicais — aquelas [organizações] que agora compreendem o sentido e mesmo apoiam a reforma — sim”, disse o presidente francês.

Um dos principais pontos do projeto é alterar a jornada de 35 horas de trabalho semanais. O limite seria oficialmente mantido, mas será permitido às companhias organizar horas de trabalho alternativas — como trabalhar de casa — o que, no final, poderia resultar em até 48 horas de trabalho por semana. Em “circunstâncias excepcionais”, o limite poderá ser de até 60 horas por semana.

A proposta permite também que as empresas deixem de pagar as horas extras aos funcionários que trabalharem mais de 35, recompensando-os com dias de folga.

A reforma trabalhista de Hollande, do Partido Socialista, gerou várias críticas da esquerda francesa, inclusive dentro de seu partido, com vários membros e parlamentares socialistas publicamente se opondo às medidas. Sindicatos e organizações juvenis que protestam nas ruas contra a reforma convocaram para a próxima quinta-feira (12/05) um novo dia de manifestações gerais.

A última vez que o governo francês recorreu ao artigo 49.3 foi em 2015 com a lei de liberalização econômica (mais conhecida como "lei Macron" pelo nome de seu autor, o ministro da Economia, Emmanuel Macron).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo da França atropela Parlamento e impõe reforma trabalhista sem votação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV